Templários

Templar Grand Priory of Portugal Confers Knighthood, October 2021

Posted on Updated on

The Templar Grand Priory of Portugal (OSMTHU) has met in National Chapter to confer Knighthood. As the Grand Priory still performs the a very long and private ceremony, that follows traditional liturgy, including full vigil and final instruction, just a short glimpse is available in the form of a 1 minute clip. It is also a requirement of the Order that the names of those upon whom Knighthood was conferred should be named. We welcome to the Order Dame Maria de Lurdes Polainas, DTJ; Fr+ António Polainas, KTJ; Fr+ Fernando Miranda, KTJ; Fr+ Fernando Pereira, KTJ and Fr+ Luis Ferreira, KTJ. We wish to thank singer Helena Lourenço for lending a celestial dimension to an already unforgettable spiritual experience.

O Grão Priorado de Portugal da OSMTHU reuniu-se em Capítulo Nacional para conferir a Cavalaria. Uma vez que os Templários Portugueses ainda realizam a cerimónia seguindo a liturgia tradicional, muito longa, que inclui a vigília completa e instrução final, de carácter interior, apenas um breve vislumbre está disponível na forma de um clip de 1 minuto. É também um requisito da Ordem que os nomes daqueles a quem a Cavalaria for conferida sejam tornados públicos. Damos por isso as boas-vindas à Ordem aos novos Irmãos e Irmãs Dama Maria de Lurdes Polainas, DTJ; Fr + António Polainas, KTJ; Fr + Fernando Miranda, KTJ; Fr + Fernando Pereira, KTJ e Fr + Luis Ferreira, KTJ. Gostaríamos finalmente de agradecer à cantora Helena Lourenço por emprestar uma dimensão celestial a uma experiência espiritual já de si inesquecível.

II International Conference Confirmed for October 2020

Posted on Updated on

In a meeting in Almourol / Vila Nova da Barquinha this week, the local municipality confirmed the final dates for the II Conference “Order of the Temple – Spiritual Chivalry and Templarism”. Taking place at the Templar Interpretation Center (CITA) in Almourol , Portugal, the International Conference follows the groundbreaking event that joined together in Barquinha experts from all over the world and different branches of the Order in October 2019.

The current COVID19 pandemic has severely disrupted traveling plans and large events. Because of that, it was decided that the Conference will have an opening session on October 13 for a limited number of invited guests, when a new exhibition will be inaugurated in the Interpretation Center, followed the 17 and 18 of October by a mixed online and live event from the auditorium in Barquinha, Portugal.

The full Program will be available soon. If you are interested in attending online (free), please send us an email to conference@templarcorps.org or stay in touch with these pages.

Templar Corps International is launched on Pentecost day 2020

Posted on Updated on

Amidst the impactful effects of the COVID19 pandemic, that prevents all international meetings, the OSMTHU has launched the Templar Corps Platform (templarcorps.org). The initiative has been in development ever since Master Antonio Paris resumed his term in office in 2018, as a technological tool to support international Templar cooperation in real world projects.

Under the motto “Ethics and Service for a new century”, the Templar Corps International (TCI) is a group of men and women with a Templar background, organized locally in units spread across the world, ready to put their energy, passion and intelligence at the service of mankind. Members come from a wide range of Templar Orders in over 20 countries, whose membership to a Templar structure is acknowledged and equivalent rank given. A significant number of members have come to the Templar Corps with no previous Templar connection of any kind – which is not required.

Unlike a traditional Order, vertical and highly hierarchical in nature, the Templar Corps International is an horizontal organization, managed as a network of highly motivated individuals run through nodes that roughly correspond to regional hubs.

These hubs run local projects, cooperate with projects run by other hubs and materialize in the real world, with real people, and real work, the conceptual aims of Spiritual Chivalry as inspired by the Order of the Temple and other traditional spiritual and historical sources.

These projects cover a wide range of traditional areas of interest, all with a Templar focus:

  • Charity, international aid and disaster relief
  • Historical research and publishing, scholarship, learning
  • Traditional crafts, professions and industries, including swordsmith, pottery, wood carving, …
  • Traditional arts, painting, sculpture, music, theater, literature, …
  • Farming, hospitality, pilgrimage support and aid, …
  • Ethical business, trading and technology
  • Entertainment, documentaries, film, digital media, …
  • Tourism, guided tours, spiritual retreats, …
  • Leadership training, self-improvement programs, advisory, …
  • Intellectual Property creation and management, …

A list of supported and affiliated local Projects is available. It includes humanitarian work in Europe, South America and Africa. A Global Forum event is held online monthly, where leading specialists discuss some of the most important issues related to the service Corps.

The Templar Globe welcomes the Templar Corps International to the Templar family of websites. We will be bringing to our readers the latest Corps announcements, events and news.

More information: templarcorps.org

Estremoz – Alentejo’s Historic White City

Posted on Updated on

An appetising aroma of sheep’s cheese and smoked chorizo sausages wafted through the stalls of Estremoz’s famous Saturday market. This weekly extravaganza shows off the best of the Alentejo’s local produce, including olives, chutneys, honey, fruit, vegetables and colourful ceramics. It is also home to a superb ‘flea market’ with stalls offering everything from coin collections to cowbells! The market is held in the Rossio Marquês de Pombal, a vast square at the town’s centre.

Estremoz exudes a real feeling of elegance and wealth, because high-grade white marble has been extensively used in the construction of its churches, civic buildings, streets and squares. So plentiful is the availability of top quality marble from the many quarries in this part of the Alentejo, that Estremoz and the nearby towns of Borba and Vila Viçosa have even used it for the doorsteps of their humblest cottages.

Unseasonal rain and a chill wind cut short our perusal of the flea market so we scuttled away to visit another of Estremoz’s attractions, the celebrated Café Águias d’Ouro (Golden Eagles Café). Built early in the 20th century, this art nouveau coffee house has long been famed for political debate, so we were not surprised to be surrounded by men emotionally discussing the weighty matters of local politics. Here was a café with just the kind of atmosphere one reads about in Portuguese literature.

Next to the Rossio, there is a peaceful municipal garden and the picturesque Lago do Gadanha (Lake of the Scythe), named after its central scythe-wielding statue. Nearby are a couple of splendid churches – the Igreja de São Francisco and the Convento dos Congregados, the latter of which is also home to a museum of sacred art.

As the rain turned even heavier, we decided to cross the square to visit one of Portugal’s national monuments, the Convento das Maltesas. This historic building, once a hospital, has a charming cloister at its centre and houses Estremoz’s ‘Live Science Centre’ (Centro de Ciência Viva). It is a very impressive interactive and educational science museum, where children of all ages can learn about the wonders of our planet. Perfect for stimulating scientific curiosity!

The old city of Estremoz

The ‘Cidade Velha’ (old city), with its palace and castle, stands defiantly on top of the hill overlooking the new town far below. It is reached by following a labyrinth of narrow winding streets and through two sets of impressive medieval walls, the construction of which began in 1261. Estremoz Castle is the town’s classic landmark, built during the 13th century as a defensive fortress. Within this fortification, King Dinis later built a palace where he lived with his wife Isabel of Aragon. Queen Isabel was famously generous to the poor and gained the status of a saint amongst the local population. She even has a tasty almond-flavoured cake, the ‘Bolo Rainha Santa’, in her name.

The castle has an imposing 27m high tower made from white marble, and the palace next door has been converted into a luxurious Pousada. This majestic hotel was our comfortable home during our time in Estremoz and boasts two magnificent lounges and a stately dining room, all containing a fantastic array of period Portuguese furniture. The top of the tower is reached by access through the Pousada and has a wide-ranging view of the Alentejo landscape. There is a chapel to the saintly Queen Isabel behind the palace and her own skillfully carved statue stands in the square close to the base of the tower. However, she does look rather glum!

This same square also gives access to the Igreja de Santa Maria, built between the 16th and 17th centuries, and the fascinating Museu Municipal. Built in the Manueline style, the lovely Santa Maria church has tombstones emblazoned with coats-of-arms of many notable Portuguese families.

The museum has an eclectic display of Alentejana objects on show, from exquisitely carved figures in wood and cork depicting rural activities, to rooms depicting local life in the 19th century. But it is the colourful ‘Bonecos de Estremoz’ that catch the eye! Literally translated as ‘Dolls of Estremoz’, there are 500 of these colourfully-painted figurines made from clay. This original folk art is more than three centuries old and in 2017 was classified by UNESCO as an Intangible Cultural Heritage of Humanity.

We discovered that the restaurant A Cadeia Quinhentista (Old 16th Century Gaol), just behind the Santa Maria Church, had some great examples of the best of Alentejana cuisine. Its menu was stacked with interesting local dishes – from ‘Pézinhos de Coentrada’ (pork’s feet with coriander) to the famous dessert ‘Sericaia’ (egg pudding served with cinnamon and plum syrup).

Elvas and Evoramonte

No visit to this part of the Alentejo would be complete without seeing something of Elvas and Evoramonte. Elvas is a wonderfully preserved fortress town located further east, close to the Spanish border, and justifiably popular with military historians. It was the first line of defence against Spanish invasion and its walls were designed so that no side was left unprotected – resulting in a unique star arrangement of battlements.

Essential for outlasting a protracted siege was a reliable supply of clean water, and this was ensured by construction of a long and impressive aqueduct. Elvas managed to fend off three separate Spanish sieges, only falling in 1808 during the Napoleonic wars. We spent a fascinating day exploring the town’s cobbled streets, churches, the ancient castle and the impressive battlements.

Evoramonte is one of the Alentejo’s lesser-known jewels. This ancient little town to the west of Estremoz has a medieval quarter straddling a ridge 481 metres in height. A good road winds its way to the top and we parked close to its pretty church and immaculately-kept cemetery. The 16th century castle, built in the Italian renaissance style, is perched at the other end of the settlement at the highest point and offers remarkable views.

It was a joy to stroll along the one and only street, deserted on a bitterly cold day, and we just couldn’t resist purchasing a bottle of the local wine at the village gift shop. This became the final part of our simple Alentejo lunch at home the following day – delicious smoked chorizo, tangy sheep’s cheese, olives and wonderful Alentejo bread followed by a tasty ‘Bolo Rainha Santa’. Happy memories!

By Nigel Wright
|| features@algarveresident.com

Nigel Wright and his wife Sue moved to Portugal 13 years ago and live near Guia. They lived and worked in the Far East and Middle East during the 1980s and 90s, and although now retired, still continue to travel and seek out new cultural experiences. His other interests include tennis, gardening and photography.

Evoramonte’s picturesque 16th century castle

Clean water used to be supplied to Elvas by an impressive aqueduct

The colourful ‘Estremoz Bonecos’ are a form of folk art
dating back over three centuries

The castle tower is constructed from white marble

Access to the old city is via one of the medieval gates

The splendid Convento dos Congregados is also home to the museum of sacred art

Estremoz Castle and Pousada are nicely seen from the picturesque Lago de Gadanha

Colourful Alentejo ceramics were on sale

The aroma of chorizo wafted through the market

The delights of the Duero River Valley

Posted on Updated on

There is a part of Spain, within a day’s drive of the Algarve, that you may have never heard of, let alone visited. If I’m right, you have been missing something interesting.

I’m talking about the Duero River valley. If you have driven north through Spain, heading for France or Britain, you have almost certainly driven from Salamanca through Valladolid and on to Burgos and Santander or Bilbao or France. You have driven right across the Duero River just south of Valladolid in the small town of Tordesillas.

The Duero River rises near Soria and runs from east to west through the provinces of Valladolid and Zamora before it forms the Spanish-Portuguese border for a while. When it enters Portugal, it changes its name to become the Douro and splashes on west to Porto and the Atlantic.

We all know the wonderful Douro wines – but you may not be aware of the fact that, in Spain, this river nourishes some very excellent Spanish wines, too.

There are a number of DOs (Denominación de Origen) that depend on the special climactic effects created by the Duero. The best known are the Ribera del Duero (home of Vega Sicilia, which is arguably Spain’s greatest wine) to the east of Valladolid and Rueda to the south of Tordesillas, but excellent, though lesser known, wines are also produced in the DOs of Cigales, north of Valladolid, and in Toro, Zamora and Los Arribes, all in the province of Zamora.

The red wines of Valladolid province are primarily made with the Tempranillo varietal and the whites with Verdejo or, increasingly, Sauvignon Blanc. In Zamora province, Tempranillo (here often called Tinta de Toro or Tinta del Pais) is equally as important but Garnacha and Juan Garcia are gaining in usage. Almost all the wines produced in both provinces are single varietals rather than blends and it is only in the Rueda DO that white wines are produced in quantity.

The Toro wines were so prestigious that King Alfonso IX of Léon conceded privileges for their production in the 12th century and Columbus took Toro wine on his 1492 expedition, because it could survive long journeys due to its structure and body.

A group of us recently wanted to experience the various Duero wines in situ, so we used the harvest festival in Toro (Fiesta de la Vendimia) in mid-October as our excuse to spend a week tasting wines, eating some wonderful Castillian tapas and looking at the scenery and architectural wonders of the area.

Our base was the Hotel Juan II in Toro, overlooking the Duero and right next to the magnificent collegiate church of Santa Maria la Mayor, a really beautiful combination of Romanesque and Gothic architecture that was begun in 1160.

Not far away was the impressive Monasterio de Sancti Spiritus, founded in 1307 and home to a lovely collection of religious art and a beautiful Romanesque cloisters. More interesting, from our point of view, was the beautiful alabaster sarcophagus of Beatriz of Portugal, only child of King Ferdinand I and, in 1383, wife and Queen Consort of King Juan I of Castille.

Our tour took us to the Los Arribes DO, a long, narrow strip of rocky slopes along the eastern banks of the Duero on the Portuguese border (the name “Arribes” derives from the Latin ad ripam, which means “on the banks of”). The terroir is so hardscrabble and dry it is amazing that any wine at all can be grown, but, in fact, we tasted some quite drinkable ones. We also had the opportunity to take a cruise in the international waters of the ”Grand Canyon” of the Arribes del Duero. It was quite spectacular.

On our way back to Toro we stopped in Zamora for a walk around the old town, a look at the cathedral built in the mid-12th century, with its graceful cupola covered with scallop tiling, and an excellent dinner in one of the province’s finest restaurants, El Rincón de Antonio, the tasting menu of which was, of course, complemented by very tasty Rueda white and Toro red wines.

The Toro Fiesta runs over four days, and, during it, the town’s population swells from just under 10,000 to about 30,000, with the influx being almost entirely Spanish tourists.

The townsfolk are dressed in medieval costume and the celebrations are capped by the Gran Torneo de Justas Medieval on Saturday afternoon in the very rustic bullring. This is an hour long pièce de theatre, by four knights-errant and their pages, of (simulated) jousting, sword play and various pranks, all played for laughs to the vast amusement of the crowd. Of course, the knight representing Castille “won”, at the expense of the insipid (and probably drunk) knight representing Portugal and the mean and ugly black knight. Cheers all around.

On a political note, our visit was just after the “referendum” vote in Catalonia, and we were struck by the vibrant nationalist spirit in evidence all around us. There were many Spanish flags displayed prominently – a practice that, until now, had been rather frowned upon as being slightly fascist. It was clear that, while the illegal vote may have been divisive vis-à-vis Catalonia, it had certainly brought the rest of Spain closer together as a nation.

Our drive back home on the Sunday (with a boot full of good Spanish wine) was about 750km, all autoroute, and covered in about six hours – leaving time for a good tapas lunch on the way. Viva España!

By Larry Hampton

The mean and ugly black knight having a sword fight with the good knight (in red) representing Castille during the Gran Torneo Medieval in Toro’s bull ring

The Toro Clock Tower (Torre del Reloj), seen looking down on some of the revellers during Toro’s harvest festival

A view of the lovely cloisters in the Monasterio de Sancti Spiritus in Toro

The alabaster sarcophagus of Beatriz of Portugal in the Monasterio de Sancti Spiritus

The mid-12th century Zamora Cathedral

Ancient wine barrels in the vast cellars of the Menade winery deep underground in La Seca in Rueda

A view of the Duero River, with Portugal on the left and Spain on the right

The beautiful 12th Century Collegiate church of Santa Maria la Mayor in Toro

A typical display of the Spanish flag in the Plaza Mayor of Zafra

I International Conference of the Temple, Spiritual Chivalry and Templarism in Almourol available in video (full lenght, all conferences and visits, 9h30m)

Posted on

The Municipality of Vila Nova da Barquinha just released the full 9h30m of video that documents the full I International Conference of the Temple, Spiritual Chivalry and Templarism that took place  in Almourol, Portugal in October, where the milestone Protocol of Almourol was signed.

The I Conference was the first International Event organized by the CITA (here and here), an Interpretation Center for the Order of the Temple and the Order of Christ that complements the world famous Templar Castle of Almourol.

During the Event the OSMTHU and the OSMTJ, represented respectively by Master Antonio Paris and Regent Nicholas Haimovici-Hastier,  signed a Protocol with the Municipality, declaring the CITA and Almourol as an International Place of Templar Cultural Interest. Both branches of the Order also committed to the development of the library and archive available at the CITA and the organization of three yearly Conferences where members of the Order, the academic community, researchers and the general public can come together and celebrate the Templar heritage (here).

Short clip of how the collaboration came to be:

PROGRAM OF THE I CONFERENCE

The released videos extensively document the Guided Tours and the Conferences that took place along three days in October 2019. A large part of the content is in English. The footage will be edited shortly in order to make the conferences more accessible and subtitle in English those that are only available in Portuguese.

The present uncut release is, however, very useful for all those who were not able to attend and want to have access to all the discussions and groundbreaking research presented. Reviewing the videos will also provide almple reason not to miss the II International Conference to be held in Almourol in October 2020. (more info: osmthu@mail.com)

THE VIDEOS (Parts 1, 2 and 3)

Castro Marim – Comemoração dos 700 anos da fundação da Ordem de Cristo

Posted on

Comemorar os 700 anos da Ordem de Cristo é uma alegria sem medida. Não é relembrar um momento no passado, é antes reafirmar um propósito e uma esperança no futuro.

Quero assim agradecer em meu nome, em nome da Ordem Soberana e Militar do Templo de Jerusalém Universal, como seu Chanceler internacional e Prior em Portugal, o convite da Câmara Municipal de Castro Marim – a que respondemos com entusiasmo – bem como a presença e colaboração dos muitos amigos, Irmãs e Irmãs e simples turistas que passavam e vieram saber de que tratava a agitação.

Gostaria de destacar, pelo conteúdo e qualidade, a intervenção do principal autor Português na temática Templária e da Portuguesia, Manuel J. Gandra, que destacou algumas das passagens mais reveladoras e até intrigantes da Bula de criação da Ordem de Cristo, em que se deixa clara a continuidade da do Templo, assunto sobre o qual muitos escrevem, mas poucos de facto concretizam.

Destaco igualmente o apoio permanente e verdadeira militância espiritual das Comendas do nosso Priorado e dos seus membros individualmente, que se viram desta vez apoiados pela visita de Irmãos e Irmãs de outros ramos da Ordem, quer do Algarve, quer mesmo de Espanha, num exemplo de cooperação e convívio fraternal até há pouco tempo inaudito, numa época em que tão facilmente caímos no erro de dividir o mundo em “nós” e “eles”. A todos o nosso agradecimento e aos visitantes, a certeza de que este foi o início de muitos projectos em que com eles contamos.

Sublinho o desempenho exemplar do nosso corpo litúrgico, liderado pelo Comendador de Lisboa e Bispo da Old Templar Church, apoiado nesta ocasião pelo Comendador de Laccobriga, pelos Grandes Oficias Preceptor e Hospitaleiro e demais Irmãos e Irmãs, que ficarão anónimos. Sabemos quem são, sentimos no profundo do coração o efeito do vosso trabalho.

Finalmente, terminando como comecei, sabendo bem o que custa organizar, gerir e montar um evento desta natureza num dos lugares maiores da nossa história, destaco o profissionalismo, o carinho e a paciência como a Câmara Municipal de Castro Marim nos recebeu, Agradeço ao Presidente Francisco Amaral, à sua Vice-Presidente Filomena Pascoal Sintra pela insuperável simpatia e atenção bem como a toda a equipa camarária, cujo esforço e dedicação não passou despercebido. Bem hajam.

Para o ano há que reavivar a memória. Castro Marim e a Ordem de Cristo são património de todos nós, todo o ano, Há que não o esquecer. Possamos ser dignos de tal herança.

Luis de Matos
Prior Geral
osmthu.org

Abre al público el edificio islámico más completo de Toledo, el Museo Casa del Temple

Posted on

El próximo 30 de agosto abrirá al público el Museo Casa del Temple en Toledo, una nueva oferta turística que sumará riqueza patrimonial y que permitirá conocer un Bien de Interés Cultural considerado la casa islámica más completa que existe hoy en día en la ciudad.

Tal y como publica en su cuenta de Facebook el Museo Casa del Temple, el objetivo es convertir este espacio en un centro cultural, en sala de exposiciones, gastrobar y en lugar de eventos. Además, allí se expondrán un conjunto de piezas arqueológicas aparecidas en la casa, otras piezas de colecciones privadas, así como un 3D con el que entender la edificación en su origen.

La actividad expositiva comenzará con una muestra del artista chileno afincado en España Guillermo Muñoz Vera.

La Casa del Temple en Toledo data de los siglos XI-XII, perteneciendo a esta época la estructura general, típicamente andalusí, sustentada por las bóvedas del sótano y organizada en torno al patio. Diversas fuentes coinciden en señalar que el inmueble fue, en tiempos, propiedad de la Orden de los Templarios, a los que probablemente les donase el edificio Alfonso VIII para recabar su apoyo a las diversas campañas militares del monarca.

Enclavada en pleno Casco Histórico, justo al lado de San Miguel el Alto, sus alfarjes fueron restaurados en 2017 por el Consorcio de la ciudad, entrando a formar parte de las rutas del patrimonio desconocido.

Bien de Interés Cultural con la categoría de monumento desde 2002, el patio interior de la planta baja comunica con las cuatro crujías que definen el inmueble. Lo que vemos a nuestro alrededor son un arco de medio punto decorado con yeserías mudéjares y, ojo, el forjado del techo primitivo, que se supone que es anterior a 1109 y con canes labrados en el interior del patio. Y en uno de sus laterales conserva el alfarje con las tabicas originales. A cada lado de esta entrada, dos arcos de herradura apuntados y decorado con finas yeserías.

Ya en el sótano se encuentra un salón con un zócalo decorado con pinturas y que representan arcos entrecruzados, temas vegetales y una cenefa, todo supuestamente anterior a 1109. A lo que hay su añadir la planta primera y el ático.

in encastillalamancha.es

JORNADAS TEMPLÁRIAS PARA O CONHECIMENTO ECUMÉNICO

Posted on Updated on

As “Jornadas Templárias para o Conhecimento Ecuménico” decorreram nos passados dias 13, 14 e 15 de Abril/2018, em Lagos, no Algarve.

 

As Jornadas constituíram-se de um “Trivium”:

A – Integrando um conjunto de actividades, constituindo-se de uma “Feira de Cultura Regional”, com área expositiva da Ordem dos Templários, feira-do-livro, artesanato, doçaria regional e conventual; que decorreu no Armazém Regimental nos dias 13, 14 e 15.

B – Assim como, no dia 14, sábado, realizaram-se as Jornadas do Conhecimento propriamente ditas, no Auditório do Edifício da Câmara Municipal – Lagos Séc.XXI, entre as 09:30 e as 18:30, com um conjunto de palestras, por Dignitários convidados, que abordaram o tema proposto na perspectiva da corrente doutrinária, filosófica, sociológica, espiritual ou religiosa que professada por cada um dos ilustres convidados.

Cada prelecção durou até 40 minutos, em que o orador respectivo expôs a sua comunicação dentro do Tema escolhido para este Ano – Esperança e Caridade. As comunicações não foram sujeitas a período de perguntas nem a contraditório, procurando-se a construção de um Conhecimento Ecuménico, pelo reconhecimento e aceitação da diferença, a partilha de realidades, a abertura pelo entendimento a diferentes Verdades.

A abertura dos trabalhos decorreu com uma actuação musical, pelo Grupo Coral de Lagos, com trechos medievais dos Séc. XIV e XV.

As Jornadas Templárias tiveram entrada livre a Toda a Comunidade e Organizações. Todos foram muito bem-vindos.

A Organização esteve a cargo da Comenda de Laccobriga e contou com o alto-patrocínio da OSMTHU – Priorado Ibérico da Ordem do Templo, o apoio da Associação Lagoriente – Al-Gharb, da Associação Grupo Coral de Lagos, do Exército Português, da Junta de Freguesia de São Gonçalo de Lagos e da Câmara Municipal de Lagos, assim como o apoio de diversas Organizações da Sociedade Civil nacional.

Objectiva-se a elaboração de um resumo das comunicações das Jornadas, bem como a elaboração da Acta das Jornadas Templárias, com o objectivo final de publicação deste conhecimento e a divulgação do mesmo junto de diversos Organismos da Sociedade, assim como a sua difusão dentro da Ordem do Templo.

Foram convidados oradores representantes de Confissões Religiosas, de Instituições étnicas e convidados da sociedade civil, nomeadamente:

Igreja Católica Romana, Maçonaria Regular, Judaismo, Peregrinos de Santiago, Entidades de Solidariedade Social, Templários e Investigadores Académicos.

Considerando-se que este é um tema central, quer no ternário das virtudes teologais: Fé, Esperança e Caridade; quer na constelação mítica e histórica da identidade portuguesa; eis então o motivo primeiro da escolha do tema para esta primeira edição das Jornadas Templárias para o Conhecimento Ecuménico. Pelo que a Comenda de Laccobriga da OSMTHU deseja, desta forma, poder inculcar a semente em Todos aqueles que, durante este dia, buscaram o conhecimento ecuménico, a aceitação e a partilha, caminhando para um mundo melhor, mais fraterno, de paz, em que os valores crísticos sejam a bandeira que possamos elevar bem alto.

C – No dia 15, domingo, pela manhã, decorreu uma cerimónia solene, interna à Ordem mas aberta a todos os Irmãos de todos os Ramos Templários; chamamento que, de forma fraternal, teve eco e que, nesta celebração eucarística da Igreja Joanita Templária, a Egrégora saiu reforçada, os Irmãos preencheram os seus corações e cumprimos  mais uma etapa deste Caminho para a missão a que nos haviam incumbido.

Arrolamos aqui também, outra trindade, entre o Infante Henrique de Sagres, el-Rei Dom Sebastião e a Rainha Santa Isabel de Portugal. Ainda que vindos por caminhos diferentes, encontrar-se-iam ao centro, fundindo, num só, dois aspectos complementares da espiritualidade portuguesa. Pelo caminho de Sebastião vinha a esperança no resgate  espiritual e temporal do povo português. Pelo de Isabel, a universalidade do amor, aspecto central no impulso da dádiva e da caridade. Teríamos, então, a Esperança e a Caridade. E, de Henrique, o Navegador, temos esta bela terra de Laccobriga, capital de antanho do Reino do Algarve, sede deste caminho para Ocidente em busca do Oriente, herdeira do entreposto marítimo na demanda da Jerusalém.

Resta-nos, agradecendo a participação de todos, a Todos convidar e vincular para as segundas Jornadas Templárias para o Conhecimento Ecuménico, a realizar em 2019, em Lagos. Juntai-vos a Nós neste desígnio que a Todos nos envolve.

No nobis Domini, no nobis, sed Nomini Tuo da Glóriam

A Todos Vós, meus irmãos, Boas Jornadas.

 

PROGRAMA ::

 

+ Dr Luis de Matos, Prior Geral do Priorado Ibérico O::S::M::T::H::U::

+ Prof. Manuel Gandra, Apresentação do Livro: Alquimia

+ Dr Joaquim Jorge, Presidente da AMAYUR – Ayurveda

+ Dr Jaime Ramos, Presidente da Fundação A.D.F.P.

+ Pe José Manuel, Pároco da Praia-da-Luz

+ Drª Isabel Quirino, Psicóloga, Peregrina dos Cam. de Santiago

+ Ms Susana Karina, Tese Mestrado – Memórias de Santiago

+ Prof. Manuel Gandra, Filósofo, Investigador e Autor

+ Dr Luis Fonseca, Deputado Mestre em Portugal do G:.P:.R:.D:.H:.

Almoço de Reis 2018

Posted on

Realizou-se em Sintra o Almoço de Reis do Priorado de Portugal da OSMTHU, evento que abriu as actividades da Ordem para o ano de 2018.

O almoço foi presidido por Luis de Matos, Prior Geral coadjuvado pelos Comendadores de Sintra, Fr+ Paulo Valente KCTJ, Comendador de Lisboa – Colina das Chagas, Fr+ Luis Fonseca KCTJ, in Ecclesia Mons. Tau Christoforus de Lusignan e Comendador do Condado de Arraiolos, Fr+ Rui Herdadinha KCTJ, estando presentes ainda vários irmãos, irmãs, família e convidados.

Como é habitual, além do convívio, da conversa fraterna, da brincadeira costumeira em encontros como o nosso, o Almoço teve um tema sobre o qual se pôde reflectir e fazer alguma instrução de Cavalaria. Sendo dia de Reis, falou-se dos Reis Magos. Contudo, de todas as figuras tradicionais no Presépio, o foco foi colocado o Jumento. De facto, o mais esquecidos dos animais da Natividade tem muito que ensinar. Juntamente com o Bovino (que sublinha a letra B e a força criadora seminal), o Jumento (que sublinha a letra J e a força dócil e suave) expressa a dualidade que venera o Menino na manjedoura. O Jumento não apenas foi fundamental na fuga para o Egipto, como teve ainda um papel central no reconhecimento de Jesus como o Messias (e por isso o Ungido, ou Crestos). De facto, embora a tradição coloque Jesus num cavalo a caminho da Cidade Santa, ao chegar à porta da cidade desmontou e mandou que se buscasse um jumento para que nele montasse antes de entrar na cidade. Era esse o sinal designado por Isaías, que selava a profecia e dava a conhecer o Esperado.

A montada do guerreiro é o cavalo, que nos aparece como sendo branco em muitas histórias. Mas o Sábio apresenta-se num burrico. A dicotomia Cavalo/Jumento é a do Guerreiro/Monge. O clássico de Cervantes “D. Quixote de La Mancha” mostra-nos bem como o idealismo por vezes alucinado de Quixote do alto do seu cavalo Roncinante é equilibrado pela ligação à realidade imediata de Sancho Pança, que, fiel companheiro, como um eco da consciência interior, o segue no seu burrico sem nome.

A discussão e o convívio prolongou-se por muitas horas, com muitas contribuições para a reflexão de muitos dos presentes, sempre inquietos quando estes temas se discutem.

Foi sem surpresa que o nosso grupo foi o último a deixar o Restaurante, já muito próximo das 5:00 da tarde. Um grande obrigado a todos os presentes, pela alegria e boa disposição que trouxeram, e muito particularmente à Irmã Susana Ferreira DTJ que organizou o dia com todo o cuidado e detalhe.

A todos um excelente ano de 2018.


Short English Summary:

The Priory of Portugal celebrated Good Kings Day in a Lunch and debate event in Sintra last Saturday, January 6th 2018. Attending were Fr+ Luis de Matos, Grand Prior General and Chancellor and Interim Master of the OSMTHU, Fr+ Paulo Valente, Commander of Sintra, Fr+ Luis Fonseca, Commander of Lisbon – Chagas Hill and Fr+ Rui Herdadinha, Commander of Arraiolos, as well as numerous brothers and sisters, family and invited guests. The theme of the day was the symbolism o the Donkey in the Nativity scene, the less prominent of all the animals connected with Our Lord, but one of the most interesting in its meaning. With a starting point on the Donkey’s role on the biblical episode of the escape to Egypt and later in the recognition of Jesus as the Messiah when He entered Jerusalem riding a Donkey (as the prophecy had it), the group explored the deep and meaningful role of this animal in the life of Christ. A fulfilling day of joy and fraternal conviviality was closed long after everyone else had left the Restaurant and the group (as always) was the very last to part ways, so interesting and compelling was the discussion. From us all, a wish for a happy and peaceful year of 2018.

CEREMONIA MISTICA EN CONMEMORACION DE LOS 710 AÑOS DEL ARRESTO DE LOS HERMANOS DEL TEMPLE

Posted on

El Priorato General de la Republica de Colombia, en Capitulo Cerrado conmemora el 13 de Octubre los 710 años del arresto de los hermanos Templarios en Francia. Hechos sucedidos un viernes que trasciende en la historia como un suceso catastrófico generado por una corona que se deteriora con el transcurrir de los tiempos bajo circunstancias misteriosas. Hoy día esta fecha es sinónimo de mala suerte para muchos supersticiosos que quizás nunca han conocido la real historia de los acontecimientos.

Hoy 13 de octubre de 2017, para nosotros los templarios, es una fecha trascendental que al transcurrir 710 años traemos a la memoria el principio del fin de la Orden en toda Francia con el arresto de nuestros Hermanos, a causa de la orden de un rey pretencioso, ambicioso y sin escrúpulos, acompañado de un Papa sometido, cobarde y de bajo talante cristiano. Con los atropellos propios de una tiranía.

Con este arresto de los hermanos del Temple, sometidos a toda clase de calumnias, vejámenes, torturas e inmolados en hogueras, bajo el imperio de los tribunales de la inquisición, siempre mantuvieron con fortaleza, su cabeza en alto, jamás las torturas ni el fuego de las hogueras lograron conseguir destruir al Temple y mucho menos al corazón de un Templario.

Años más tarde en el año 1312 Clemente V, en el Concilio de Vienne, dictó la Bula VOX IN EXCELSO, entre sus apartes importantes estaba la orden de la desaparición de la Orden y la excomunión de todos sus miembros que la integraban. No obstante hoy día ya es de público conocimiento que la Orden fu suspendida por una Bula que nunca vio la luz hasta nuestras generaciones recientes…

El Priorato General de la Republica de Colombia, con un nuevo aire de generación de vida y prolongación del legado de la Orden, celebra de igual manera en esta fecha especial, el nacimiento de nuestra Encomienda José María Emirto de Lima y Sintiago, la cual fue constituida un 13 de octubre de 2007 A.S., en el Valle Barranquilla, en donde celebramos una década de trabajos constantes atendiendo en ceremonia mística realizada bajo los rigores de la tradición Caballeresca la conmemoración del arresto de nuestros hermanos mártires.

En desarrollo del Capítulo Cerrado en las instalaciones de nuestra Encomienda, en el valle de Barranquilla, oficiada por nuestro Prior General para la Republica de Colombia Fr.+ Francesco Bruno Cavalli Papa CGCT de la OSMTHU y asistido por el Senescal Fr.+ Ricardo Sandoval Barros CGOT, el Canciller Fr.+ Manuel Antonio Ricaurte Flórez CGOT, los Caballeros Oficiales Templarios Fr.+ Jorge Arturo Escobar Lafuente y Fr.+ Juan Carlos Galvis Herrera, el Sargento Mayor Templario Giuliano Cavalli Gaitán y el Sargento Templario S.+ Jaime Gómez Rueda.

Se unen a la cadena mística por la conmemoración de los 710 años del arresto en un viernes 13 de octubre todas las encomiendas y bailías del Priorato de Colombia en cadena de unión con todos los Prioratos en Hermandad de la OSMTHU.

 

Por:

Fr.+ Francesco Cavalli, Prior General.                               Fr.+ Manuel Ricaurte, Canciller.

Confraria do Bodo

Posted on Updated on

pombal

Pombal, topónimo que deu o título a um estadista tão admirado como contestado, Sebastião José de Carvalho e Mello, é terra de história grande ligada aos templários e à fixação de fronteiras na reconquista cristã pelos cavaleiros do Templo. Terá sido o Mestre Templário Gualdim Pais, recém-chegado do Oriente, que numa das primeiras iniciativas da sua acção mandou erigir o castelo de Pombal com o intuito de dar continuidade a uma linha de castelos que defendesse o território conquistado aos mouros. Com 900 anos de história, o Castelo de Pombal conta, por isso, um pouco da história nacional e absorve o cariz do Mestre Gualdim Pais que neste edifício aplicou o vanguardismo da arquitectura militar da época.

Num concelho rico em paisagem e em história, surge como força aglutinadora a festa do Bodo, assumida como elemento central na identidade dos pombalenses. Esta festa de tão importante que é foi o motivo que levou à constituição da Confraria do Bodo. Por ser tempo e espaço de encontro entre os naturais de Pombal, mas também subsidiária da tradição antiga, esta confraria quis assim associar-se à  história e à cultura de uma festa que se faz de vontades individuais e colectivas e da sua relação com o divino. Por isso, é preciso, primeiro, explicar devidamente a origem das Festas do Bodo.

Sendo esta uma história bonita onde a dádiva, sempre a dádiva, é a forma de retribuir a graça da divindade é também o resultado do entrecruzar da história, de protagonistas que deram um pouco de si à localidade e transformaram a sua paisagem cultural. Amplamente ligado à devoção e à crença na divindade, a Festa do Bodo de Pombal traduz na sua essência a vontade do povo em agradecer o feito divino dividindo, repartindo, partilhando o bolo, pão de trigo com farinha não levedada.

Conta-se que, em certo ano, uma praga de gafanhotos e lagartas invadiu as searas e os campos, as casas e os quintais e até os vasos utilizados pelas mulheres para transportar a água obrigando a que a água fosse coada antes de utilizada. Logo o povo decidiu realizar uma procissão da Igreja de São Pedro até à Capela de Nossa Senhora de Jerusalém invocando protecção. Após missa e promessa de grande festa caso a calamidade passasse, desapareceram os bichos infestantes e o povo deu graças pelo milagre. No ano seguinte, uma senhora de nome Maria Fogaça chamou a si a organização das festas prometidas e com todo o aparato realizou festas de acordo com a graça recebida no ano anterior. É, então, que se dá novo milagre. Por forma a agradecer a benesse divina, são feitos dois enormes bolos cujo destino é a partilha pelo povo. No entanto, quando estes estão prestes a ser colocados no forno um deles cai torto e é num ímpeto de coragem e devoção que um dos presentes, invocando Nossa Senhora de Jerusalém, entra dentro do forno endireita o bolo e sai ileso. De novo, o povo reclama milagre e vê no bolo o símbolo da divindade que quer dar graças a quem nele confia. Nascem, assim, as festas do Bodo, do pão doce que se partilha em sinal da graça divina.

Numa festa que vai além da lenda encontram-se relações com práticas das festividades do Espírito Santo. De facto, de acordo com a obra Arte de Furtar, atribuída a Padre António Vieira, «Na vila de Pombal, perto de Leiria, há um forno em que todos os anos se cose uma grande fogaça para a festa do Espírito Santo; e entra um homem nele, quando mais quente para acomodar a fogaça e se detém dentro quanto tempo é necessário, sem padecer lesão alguma do fogo que, cosendo o pão, não cose o homem». Esta festa é, por isso, o resultado da vontade de muitos protagonistas, do contributo que cada um deles deu a um acontecimento que respira as vicissitudes culturais, as mentalidades e a idiossincrasia que atravessaram aquele lugar.

Herdeira deste passado onde a lenda se cruza com a história num território onde a diversidade é o denominador comum, Pombal vê surgir a Confraria do Bodo como reconhecimento da importância destas festas na unidade do concelho. Constituída, em 2005, por pombalenses que se encontravam por ocasião das Festas do Bodo, esta Confraria encontrou a sua vocação, quer na importância das festas enquanto momento de reunião e de partilha à mesa, quer na importância do património natural, edificado e cultural de um concelho que se espraia do maciço calcário da Serra de Sicó até ao encontro com o Atlântico, na Praia do Osso da Baleia.

Num território geograficamente tão diverso, também a gastronomia é diversa e abrange produtos como o Queijo do Rabaçal, o azeite, o mel, o cabrito, a morcela de arroz, o arroz na versão malandrinho que a espécie carolino permite, os doces conventuais do Convento do Louriçal, as cavacas e os beijinhos de Pombal, enfim, tudo o que um concelho que vai da serra até ao mar pode oferecer. É, sobretudo, a diversidade à mesa de um concelho que não se esgota numa só realidade.

Trajados de azul, estes confrades defendem o património cultural das Festas do Bodo. No entanto, fazem-no no entendimento de que, quase sempre, a gastronomia é acompanhada de um rico património cultural imaterial que faz com que o acto de se alimentar não seja apenas uma satisfação de uma necessidade física, mas seja, igualmente, um acto cultural. Tal é verdade com toda a pujança por terras de Pombal onde a presença de tantas e importantes personalidades, que definiram o que hoje é Portugal, deram também o seu contributo para a súmula de tradições que caracterizam as Festas do Bodo. Uma festa que é uma linha de continuidade no tempo que vai juntando quem por ali nasceu ou passou. Uma festa que junta os confrades e os faz exaltar a partilha do bodo na convicção de que na dádiva se agradece o alimento que é de todos e para todos.

in sol.pt por Olga Cavaleiro

Igreja fundada pelos Templários reabre em Santarém

Posted on Updated on

santarem

Após dois anos de obras, Igreja de Santa Maria da Alcáçova abre as portas para mostrar as suas três naves, capela-mor profunda e um órgão com 640 tubos, datado do início do século XIX.

Fundada em 1154 por iniciativa de um mestre templário, a Igreja de Santa Maria da Alcáçova, capela do primeiro Paço Real de Santarém, vai reabrir no sábado depois de décadas de abandono e graças a recentes obras de restauro.

O templo não apresenta qualquer vestígio da sua traça original, uma circunstância já sublinhada em meados do século XIX por Almeida Garrett, no livro “Viagens na Minha Terra”.

O restauro da igreja, cuja estrutura actual resulta da campanha realizada entre 1715 e 1724 por iniciativa do Conde de Unhão, deixou a descoberto detalhes das intervenções realizadas nos séculos XVI (como o arco do altar) e XIX (o cadeiral da Capela-Mor, a decoração e o órgão), mas também um capitel romano existente numa das colunas que separam as naves.

Eva Raquel Neves, da Comissão Diocesana para os Bens Culturais da Igreja, disse à agência Lusa que durante muitos anos a igreja serviu de arrecadação, sendo a informação relativa ao último cónego-mor datada de Outubro de 1904, altura em que a diocese pediu a extinção definitiva da Real Colegiada de Santa Maria da Alcáçova (criada em finais do século XII), dada a existência de um único cónego já octogenário.

Composta por três naves e capela-mor profunda, em abóbada de berço com caixotões de cantaria, o interior da igreja é revestido a pintura decorativa de tons vermelhos e amarelos, com relevos de grinaldas (que remete para uma decoração mais civil do que religiosa), tendo na base azulejos dos finais do século XVIII com temática alusiva às litanias (oração em ladainha) de Nossa Senhora.

O órgão que se encontra no coro-alto da igreja (o sétimo a ser restaurado no centro histórico de Santarém), com 640 tubos, está datado entre 1820 e 1822, tendo sido construído por António Joaquim Peres Fontanes, um trabalho português coincidente com a prática musical da época e que será tocado no sábado pelo organista Rui Paiva, durante a inauguração presidida pelo secretário de Estado da Cultura.

A obra de requalificação, iniciada em 2013 e agora concluída, resultou de uma parceria entre a Diocese de Santarém e a Direcção Regional de Cultura de Lisboa e Vale do Tejo (que deu lugar à Direcção-Geral do Património Cultural) e da candidatura a fundos comunitários, que financiou metade do custo global da intervenção (da ordem dos 210 mil euros).

De fora da intervenção ficou a sacristia, cujo tecto, datado de 1637 e exibindo as armas do Conde de Unhão, a Diocese quer ainda tentar recuperar, disse Eva Neves.

A tela existente na capela-mor (de Cyrillo Machado, século XIX) mostra D. Afonso Henriques a entregar o Eclesiástico de Santarém ao procurador dos Templários (um “prémio” pela participação da Ordem na conquista de Santarém, em 1147, que veio a ser contestado pelo bispo de Lisboa, obrigando o rei a anular a doação em 1159).

A igreja, que acolheu uma das Colegiadas mais importantes do país, com cerca de 20 cónegos, terá sido fundada em 1154 pelo mestre templário Hugo Martins e tido por construtor o frade Pedro Arnaldo, segundo a inscrição colocada sobre a porta principal.

Classificada em 1984 como imóvel de interesse público, foi ainda alvo de uma campanha nos anos 90 do século XX, que deu origem a alguns trabalhos arqueológicos.

A igreja situa-se junto ao actual Jardim da Porta do Sol, que preserva parte das muralhas de Santarém, e paredes meias com a Casa-Museu Passos Canavarro, que foi a residência de Passos Manuel, onde pernoitou Almeida Garrett na visita que lhe fez no verão de 1843 e que deu origem às “Viagens na Minha Terra”, onde deixou uma descrição demolidora do que encontrou naquela que fora “a quase catedral da primeira vila do reino”.

in rr.sapo.pt

Priorato de Colombia – Celebracion de Juan Bautista

Posted on Updated on

SAM_0387a

La Celebración del Nacimiento de Juan el Bautista a Capítulo Cerrado de la Encomienda Emirto De Lima & Sintiago con sede en el Valle de Barranquilla es precedida por el Gran Prior General de la República de Colombia Francesco Cavalli durante el Solsticio de Verano bajo los Augustos Misterios en la dualidad del Jano: el Joven y  el Viejo, el uno Lampiño y el otro Barbado, el que mira al futuro y el otro al pasado; Jano – Janvier, da inicio al año tras el renacimiento del Sol en el Solsticio de Invierno; Joan, atraviesa los tiempos y los mitos de orígenes diversos de la dualidad de los dos Caballeros Templarios sobre el mismo corcel; Jano bifronte, como dos veces Juan, el Bautista y el Evangelista, el Solsticio de Verano y el Solsticio de Invierno, Santos casi gemelos; Jano del Pasado y Jano del Porvenir; Juan el Precursor y Juan el que debe regresar con la venida del Cristo.

El simbolismo de la muerte del Cristo en el Gólgota – Monte de la Caravela de Adam. “El cráneo evoca en las tradiciones iniciáticas la caverna que ilumina el ojo del mundo. El túmulo yermo, el Calvario, el Gólgota es ‘Cráneo’ y llevará la señal de la redención”

Juan el Bautista, el precursor y anunciador del Cristo, simbolizado de alguna manera en el Abraxas – Secretum Templi, sello usado por la Orden; Referenciado en la simbología Crística como el Cordero – Agnus Dei, manifestándose explícitamente como “Yo soy el garante del Cordero” e integrándose fundamentalmente a la vieja tradición del Culto de las Cabezas Cortadas, Juan y Jesús – el Cristo – símiles en el Tiempo – “Yo soy aquel que es igual que yo” – Solsticio del Agua y del Fuego.

Jano o Juan el Bautista en el plano Simbólico, son de relevante consideración para el Inner Temple que como en Ilo tempore en la Noche de los Tiempos hasta nuestros días se mantiene representado…

 

Fr.+++

Manuel Ricaurte F.

Canciller

PGRC – OSMTHU

Aula Livre – Quinta da Regaleira

Posted on

regaleira2015

A Quinta da Regaleira e os seus Jardins Iniciáticos e Palácio, está situada na encosta da Serra de Sintra e a escassa distância do Centro Histórico. O seu construtor, Carvalho Monteiro, pelo traço do arquitecto italiano Luigi Manini, deu à quinta de 4 hectares, o palácio, rodeado de luxuriantes jardins, lagos, grutas e construções enigmáticas, lugares estes que ocultam significados alquímicos, como os evocados pela Maçonaria, Templários e Rosa-cruz. Modelou o espaço em traçados mistos, que evocam a arquitectura românica, gótica, renascentista e manuelina.

Homem de grande cultura clássica, Carvalho Monteiro era dono de uma excepcional colecção camoniana. A mitologia greco-romana, as visões infernais de Dante e os ecos de um passado distante de misticismo e deslumbre acompanham o visitante que queira decifrar os mistérios de jardins e cavernas, num viagem ao interior da alma.

A visita terá lugar no dia 31 de Maio, iniciando-se pelas 14h30 e terminando 19.00h, sendo guiada por Luis de Matos e Luis Fonseca* (ver: universatil.wordpress.com).

As inscrições são limitadas e devem estar concluídas até dois dias antes da visita por imposições logísticas da própria Quinta.

A visita tem um custo de 10€ por pessoa + entrada no monumento** (ver preços de admissão ao monumento em: regaleira.pt)

Inscrições prévias: ihshi@mail.com

* Luis de Matos é autor, entre outros de “A Maçonaria Desvendada – Reconquitar a Tradição”, “Quero Saber – Alquimia” e “Breve Memória sobre a Ordem do Templo e Portugal”; Luis Fonseca é autor de, entre outros, de “Perit ut Vivat” e “A Doutrina Cristã Esotérica”.

** para alunos do Curso Livre Templários e Templarismo da Universidade Lusófona, bem como membros da OSMTHU a visita é gratuita e apenas devem pagar a entrada no monumento, contudo DEVEM INSCREVER-SE de modo a garantir a participação.