Interview

«Toledo fue la única ciudad templaria de España»

Posted on Updated on

morales-k8xH--620x349@abc

El joven investigador y escritor José Manuel Morales (Córdoba, 1981) ha acudido este jueves a Toledo con su tercer ensayo sobre temas históricos y de misterio debajo del brazo. En esta ocasión, se sumerge en la historia del Orden del Temple con su libro «Templarios: Claves ocultas en catedrales góticas, vírgenes negras y la búsqueda del Santo Grial en España» (Ediciones Luciérnaga). Una obra que ha presentado en la Biblioteca de Castilla-La Mancha junto al también investigador y colaborador de Cuarto Milenio Luis Rodríguez Bausá y Juan Luis Alonso, autor de la web leyendasdetoledo.com.

-Los templarios es uno de los temas más manidos de la historiografía. ¿Qué aporta de novedoso su libro?

-Aunque a mí me encargaron un ensayo, «Templarios» no es un estudio de investigación al uso, ya que hay muchas obras sobre este tema y la época medieval. Yo me he alejado del libro clásico y ofrezco al lector, tanto al que se acerca a esta temática por primera vez como al docto en la materia, una aventura y un viaje en primera persona por las iglesias y fortalezas con huellas templarias, todo ello de forma novelada, aunque no deja de ser un ensayo.

-¿Por qué cree que los templarios tienen tanto poder de atracción entre los lectores y el público en general?

-Por un lado, porque creo que todos los seres humanos tenemos simpatía por las minorías perseguidas. En el caso de los templarios, fue una organización que creció de manera meteórica, luego fueron perseguidos de forma injusta y tuvieron un final muy romántico. Además, a esta orden se la ha relacionado siempre con los temas más fascinantes del medievo, como los últimos caballeros medievales, la construcción de las catedrales góticas, las vírgenes negras o reliquias como el Arca de la Alianza, el Santo Grial y la Mesa del rey Salomón.

-¿Qué hay de cierto en muchos de los mitos y leyendas que se asocian a esta orden?

-Yo soy de los que opina que toda leyenda tiene un poso de realidad. Para la investigación de la Orden del Temple, aunque gran parte de la documentación no se conserva, ha habido que rellenar las lagunas históricas echando mano a las leyendas, siempre separando el grano de la paja, pero está claro que cuando el río suena agua lleva.

-¿Y cuál es el misterio de su fulgurante ascenso y de su no menos repentina disolución y persecución?

-Quizá, lo más llamativo sería pensar que encontraron el Arca de la Alianza y relacionar la eclosión del arte gótico -surgido alrededor de 1130- con el ascenso de los templarios y, cuando la Orden del Temple es disuelta, este estilo artístico desaparece. Por eso, la hipótesis que yo lanzo en el libro es que encontraron este valioso objeto que les hizo poderosos a ojos del Papa, de monarcas y nobles, además de permitirles el acceso a cierta información para aplicar la geometría sagrada a los templos que ellos mismos financiaron.

-Francia es quizá el país donde las huellas templarias son más claras. Pero, en su expansión, llegaron hasta España. ¿Qué les trajo hasta aquí?

-Los templarios vinieron por dos motivos. Por un lado, su razón fundacional era proteger a los peregrinos que acudían a Jerusalén y, en el caso de España, este papel lo desempeñaron en torno al Camino de Santiago. Y, por otro lado, fue importante su labor en la Cruzada contra los territorios musulmanes en la Península Ibérica, como en el caso de la batalla de las Navas de Tolosa en 1212 o en la conquista del valle del Guadalquivir bajo el amparo del rey Fernando III El Santo.

-Toledo tuvo un gran papel para ellos. ¿Por qué?

-Toledo es uno de los lugares de la Península Ibérica con más huellas de la presencia de la Orden del Temple. Además, tiene una peculiaridad, ya que las encomiendas templarias habitualmente se situaban alejadas de las ciudades, pero Toledo fue la única ciudad con presencia templaria de España por así decir.

in ABC.es

M. CEBRIÁN Toledo

Finding [Thule and] the Holy Grail in Iceland

Posted on

78o25774

No this isn´t the title of a rather outlandish novel by Dan Brown, this is the goal of a Italian mathematician and explorer Giancarlo Gianazza. He believes that he has found hidden clues in the Divine Comedy by Dante which has led him to Kjölur in the Icelandic highlands where heand his team think they are close to discover something called the “Holy Grail” on a lonely hill, called of all things “Nipple hill,” right in the middle of nowhere. This is apparently the culmination of a 13 yearlong project, which has both involved research in the field in the Icelandic highlands and mathematical analysis of Dante´s text. You find this a bit unbelievable and outlandish? Well, we must admit we are sceptical as well!

In any case, documenting the project are Italian independent filmmakers Sofia E. Rovati and Alex Sykulak who have a project on Kickstarter called Finding Thule so they can film the final excavation and complete their documentary with a planned release date of September 2016. They have already spent a year and a half on the project and judging from their trailer on Kickstarter they have some really cool material already. When this is written they are more than halfway to reach their goal of collecting 24 thousand pounds. We found all of this intriguing and they agreed to be interviewed.

How did it come about that you started to follow Mr. Gianazza project and documenting it?

I’ve heard about Giancarlo for the first time a very long time ago through my father. His story has always exercised a very powerful fascination on me. However, it was only last year when I finally took the step that I had long dreamed of. I joined the expedition with the idea of sharing this story and making it more accessible to the people.

Mr. Gianazza’s research is extremely complicated and it has been carried out over a 10-year period. My film focuses on the scientific aspect of the research, documenting step by step the last stages of this journey to Iceland. But it also leaves space for us to get to know the men behind this quest, discovering the inner journey that each of them had to go through. I believe that every story is a journey, and the purpose of a journey is to find out something more about your inner self. This is how the idea of making a film about Mr. Gianazza and his team really came about.

Forgive us for being a bit sceptical, do you think he is actually on to something in his quest?

I think it’s good to be sceptic, it makes you look at things in a much more critical way. This is how my filming started too. It is only along the way, when this journey turned into something else, something more personal and real that I started to believe in this man and his quest. What is fascinating about his research is that Gianazza doesn’t know what exactly he is looking for. He can only draw assumptions based on the historical circumstances in which Dante writes his masterpiece, hence the connection with the Templars. By following clues that he finds in the Divine Comedy, translating poetry into geographical coordinates, Gianazza got hold of a map to the unknown. The destination will only be revealed once he finally gets there.

In answer to your question, I believe Giancarlo is definitely on to something, perhaps something that is invisible to most of people who have lost the ability to dream.

You mention on your Kickstarter page that you came to Iceland in 2014. Was that your first trip here?

Yes, hopefully the first of a long series.

What challenges did you face when filming in the Icelandic highlands?

The weather was definitely the biggest challenge. Iceland it’s windy and cold and this can be very impious when it comes to filming.

Is it something that you particularly like or dislike about Iceland?

It’s like being on another dimension, the landscape reminds me of a primordial land untouched by man and inhabited by dinosaurs.

Driving up to the Kjölur highlands was one of the best experiences I have ever had. Up there everything is quiet and peaceful, you can almost hear yourself thinking. It’s very therapeutic.

What advice would you give to people that are traveling to Iceland for the first time?

Go there, buy a map, rent a car and explore.

Editors Note

There have been Facebook comments about off-road driving. We at Stuck in Iceland hate unlicensed and illegal off road driving which often can leave permanent marks or damage to fragile nature for decades or longer.  Sofia Rovati responds to the comments:

It’s good that you mention [off road driving] as I believe this should be applied everywhere and not just in Iceland. We should take example from your country as is the main reason why the nature of your land is still so beautiful in comparison to many other places with the same potential.

Because we are following a government approved expedition we have the permit of traveling of road with them. Like indians and without leaving more than one same trace

I’ll promise not to ruin but to preserve!

Eis o jardim de Klingsor e o Castelo do Santo Graal

Posted on Updated on

10010_22

Em pleno dia de Pentecostes acompanhámos o autor e ensaísta Luis de Matos, editor chefe do Templar Globe, numa visita guiada ao Palácio da Pena em Sintra. Terminada a visita pudemos trocar algumas impressões e fazer a entrevista que reproduzimos de seguida.

Templar Globe (TG) – Luis, dia de Pentecostes e visita à Pena. Coincidência?

Luis de Matos (LM) – Diz-me tu.

TG – Falou-se muito das Lendas do Santo Graal. Será por isso?

LM – Não. E sim. Há uma relação entre a Demanda do Santo Graal e o Pentecostes. De facto, a versão da Vulgata inicia-se com a celebração do Pentecostes no reino de Artur, data em que tradicionalmente se lançava tavolado e se armavam cavaleiros. Nesse dias esperavam-se sempre milagres e maravilhas. E o romance começa precisamente com alguns acontecimento que maravilham todos e com a armação de Galaaz, filho de Lancelot. Mas não é por isso que escolhemos a Pena.

TG – Outros motivos?

LM – Sim. Como sabes os meus deveres profissionais afastam-me muitas vezes de Portugal. Sou director de uma empresa na área da Digital Media e Tecnologias da Informação e, embora viva há mais de 30 anos na zona de Sintra, estou mais ou menos entre 1/3 e 2/3 dos dias do ano longe de casa. Poder regressar aos lugares que formaram uma ideia que tenho do mundo – e Sintra é um deles – é um privilégio. Por isso fui desenvolvendo alguns hábitos que tento manter religiosamente. Entre eles está fazer uma espécie de Peregrinação a lugares especiais do nosso país, mais longe de Lisboa, lá pela pausa de Julho. Não sei porquê, mas um mês antes das grandes feiras de videojogos como o Gamescom onde tenho de ir, há sempre ali uma ou duas semanas mais livres. Mantenho o hábito de aproveitar para conhecer melhor Portugal há uns anos. Quase sempre há amigos que acabam por ser arrastados e fazemos uma autêntica comitiva. Outras vezes aproveito para visitar amigos que estão longe e só comunicamos pelo Facebook. Já fiz passeios em estudo nessa época do ano a Braga, Lamego, São João de Tarouca, Carrazeda de Ansiães e uma boa parte das Beiras e Trás-os-Montes…

TG – Tu és de lá de cima.

LM – Sim, fiz a escola primária em Mirandela. Conheço bem Bragança, Chaves, Miranda, Mogadouro, Macedo de Cavaleiros… Enfim, estar em Trás-os-Montes é estar em casa. Mas como o meu pai era da zona de Moimenta da Beira, a região de Lamego, Tabuaço, Douro e mesmo Viseu são lugares também enraizados na memória que gosto de revisitar. Durante algum tempo andei por ali todos os anos à procura das memórias das famílias que fundaram a nacionalidade. O Vale do Sousa é muito especial, com uma herança românica única. A cidade do Porto também tem muito que se lhe diga.

TG – És tripeiro…

LM – Sou. Não do ponto de vista futebolístico. Não tenho clube. Mas sou do Bonfim, ali sobre Campanhã onde tinha nascido o Mestre Agostinho [da Silva].

TG – Mas essas visitas são em Julho. Ainda estamos em Maio…

LM – Estou a desviar-me! Outro hábito que tenho é comemorar as Luas Cheias de Carneiro – que coincide com a Páscoa, de Touro e de Gémeos. Não é uma questão astrológica, mas sim tradicional. São três momentos muito particulares no ciclo anual. A última coincide muitas vezes com o Pentecostes. Como tenho responsabilidades em algumas organizações de matriz religiosa, a Páscoa é quase sempre comemorada seguindo a liturgia Cristã. E por ser Chanceler Internacional de uma Ordem de inspiração Templária, o Pentecostes é sempre marcado por algum tipo de actividade. Ora, este ano, devido a uma questão de calendário pessoal, que se definiu muito tarde para Maio e tendo-se dado a feliz coincidência de ter terminado o Curso Livre na Universidade Lusófona sobre Templários e Templarismo há poucas semanas e os meus alunos me terem desafiado para lhes guiar uma visita a Tomar, decidi juntar o útil ao muito agradável e, com eles, com o apoio do Instituto Hermético na divulgação e da OSMTHU, fazer um curto ciclo de visitas como costumo fazer em Maio/Junho.

TG – Então esta não é a primeira.

LM – Não. Começámos em Tomar em Abril, apenas para alunos do Curso. Depois aproveitei então o bom tempo e os Domingos, porque estou sempre em Lisboa ao Domingo e marquei uma visita ao Mosteiro dos Jerónimos, esta ao Palácio da Pena e no próximo Domingo à Quinta da Regaleira, com o Luis Fonseca.

TG – E vai haver mais?

LM – De momento penso que não. Não podemos abusar da paciência das pessoas! Penso em associar-me à festa de São João, que também costumamos fazer em Santa Eufêmea, em Sintra em Junho e talvez mais próximo da tal pausa de Julho (se houver este ano!), logo se vê o que programo. Mas não há mais planos de momento.

10010_23

TG – Qual é a relação destas visitas com a Ordem dos Templários a que pertences.

LM – Como sabes o Templar Globe é o órgão de divulgação principal da Ordem Internacional. Fui eu que o fundei e é um lugar de troca e publicação de informação credível sobre os Templários – antigos e modernos. Ultrapassámos há muito o milhão e meio de visitas. Por isso faz parte integrante do modo de comunicar da Ordem. Em geral, tudo o que eu faço pessoalmente relacionado com o tema Templários tem a cobertura do Templar Globe que o divulga através dos grupos do Facebook e internacionalmente. As Comendadorias de Sintra e de Lisboa são importantes bases de apoio ao estudo e actividades da Ordem. Deste modo, o que eu faço, divulgo ou publico sobre os Templários é coerente com o que a Ordem faz. Não confessional nem prosélito, no sentido em que não uso publicações e visitas para cooptar ninguém para a Ordem. Pelo contrário. Há sempre pessoas que me perguntam sobre como entrar na Ordem e eu recomendo-lhes sempre que visitem o site oficial e escrevam um mail para lá. O tema não é a Ordem em que eu estou e onde me sinto bem e onde gosto de trabalhar, mas sim os Templários como Ordem histórica e ideário já muito preenchido de mitos e lendas. Não é uma questão de aumentar fileiras. Bem pelo contrário! O que faço – isso sim – é usar os eventos, publicações e visitas para procurar entusiasmar os que as procuram, a estudar por si mesmos, pensar por si mesmos e concluir por si mesmos. E isso é instrução vital para quem esteja numa Ordem Templária, moderna ou antiga. Mas é também fundamental para quem não esteja em Ordem nenhuma! Ou seja, as actividades públicas que faço são coerentes com o que defendo sobre o mundo iniciático e, nesse sentido, são apropriadas para membros das Ordens a que pertenço, das Ordens a que não pertenço e dos que não querem ser membros de Ordem ou Religião alguma. Há momentos para tudo na vida. Seria matar o propósito das visitas fechá-las a um ramo da grande família fraternal ou usá-las para cooptar gente. Sei que os membros da Ordem Templária aproveitam as visitas para aprender. Mas não se esgota aí. O Curso Livre da Lusófona é outra coisa bem diferente.

TG – Não está afiliado à Ordem?

LM – Absolutamente não. Enquanto na Ordem a aproximação ao tema Templário é na perspectiva da Cavalaria Espiritual como um modelo de comportamento e estudo pessoal, com os seus temas, paradoxos, meditações, objectivos, desafios e imperativos de compromisso interior e com o próximo, o Curso na Universidade é académico. Explora a história da Cavalaria, na qual os Templários se inserem, todo o contexto religioso e depois a história dos diversos movimentos que se foram inspirando nos Templários desde o século XIV ao século XX.

TG – Qual é a diferença?

LM – No primeiro caso estuda-se a doutrina com o objectivo de adoptar as ideias e integrá-las num modelo de comportamento pessoal como via de relação com o divino. No segundo estudam-se as ideias, a suas evolução, de onde surgem e que impacto tiveram na história, na arte, na religião. No primeiro caso vivem-se os Mitos. No segundo conhecem-se os Mitos, as suas origens, o seu arquétipo e o modo como Mito é usado para impulsionar vontades e acontecimentos, sem necessidade de os viver ou acreditar no seu “nada que é tudo”.

TG – E os alunos do Curso da Universidade Lusófona não têm expectativas diferentes de cada visita?

LM – O tema é o tema. Cada um percepciona-o como entende. Creio que as expectativas não são goradas, porque nas visitas estão todo o tipo de pessoas. Os meus livros têm leitores de todo o género. Não sou um autor para apenas um grupo como muitos dos meus colegas autores. Alguns só são lidos nos círculos Maçónicos. Outros só são lidos nos círculos de Nova Era. Outros só são lidos entre duas paragens em bombas de gasolina. Outros só são lidos por académicos. Outros por leitores que não se filiam em nada. Eu tenho uma base de leitores que abarca todos estes grupos e grupo nenhum. O mesmo se pode dizer dos que vão às minhas visitas ou conferências. Procura não ter uma linguagem “confessional” e proselitista. Não estou a recrutar. Não estou mesmo. Deixem-me em paz. Já tenho muito que fazer. Por isso, ao não ter uma “agenda”, ao não querer promover mais do que o livre pensamento e despertar nos outros a mesma paixão sobres os temas ou lugares que eu mesmo tenho, sem ataduras ou molduras doutrinais, tomo os assuntos de modo que cada um que me ouça ou leia possa tirar o que melhor lhe parecer para a sua busca livre. É seguir as palavras que ouvi ao Mestre Agostinho: “o que importa é gostar do que se faz e ser-se contagioso no entusiasmo”. Por isso, creio que os meus alunos não poderão dizer que lhes tentei impingir doutrinas ou códigos e por isso não creio que as expectativas que tivessem possam ter sido goradas. Espero, isso sim, que os tenha motivado e lerem-me e a deitarem fora os meus livros, trocando-os por coisas ainda melhores.

TG – Mas ao seleccionar um tema como a Demanda do Santo Graal para a Pena já é dar um mote doutrinal.

LM – De modo algum. Foi Strauss que disse “Eis o jardim de Klingsor e o Castelo do Santo Graal” quando esteve em Sintra. Isso acontece porque reconheceu o cenário no qual as óperas de Wagner se desenrolam. Curiosamente Parzival de Wagner é de 1882 e o Palácio da Pena de 1840. Quem inspirou o quê? Quem é percursor do quê? Neste caso o que é evidente é que o mesmo tipo de imaginário que inspirou Wagner tinha já inspirado D. Fernando II.  O facto de ambos terem tido contacto com círculos iniciáticos muito próximos pode ajudar a explicar a coincidência. Mas a associação da Demanda à Pena não é uma questão doutrinal. É uma questão de facto.

10010_25

TG – Então onde é que o Luis traça a linha limite.

LM – Traço a linha limite na interpretação desses factos. Ao fazer uma visita destas procuro dar aos meus companheiros de tarde uma boa história. Como se nos juntássemos à volta de uma fogueira e partilhássemos aventuras. Nas visitas tento não falar só eu. Também quero ouvir e aprender. Estão ali muitos pares de olhos que conseguem ver o que eu não vejo e sabem o que eu não sei. O que já aprendi nestas visitas! Ui! Eu o que posso dar é o referencial que não se encontra logo disponível. Interesso-me por estes assuntos, sempre os mesmos, há tanto tempo que algumas coisas foram ficando consolidadas. Lá diz o ditado “O Diabo sabe tanto, mais por ser velho do que por ser Diabo”. Ao manter sempre a mesma linha, acabo por ir construindo uma mundividência só minha, concreta e definida, consistente. É essa experiência que devo partilhar, poupando tempo a quem me acompanha, para que disponham logo de dados relevantes para que façam a sua mundividência eles mesmos. Saber, por exemplo, que D. Fernando II era maçon ajuda a entender algumas coisas. Mas saber que ele se filiava numa Maçonaria alemã de raiz ligada à antiga Estrita Observância Templária reformada, ajuda a perceber o seu interesse pelo pintor Nicolas Poussin e as particularidades que se encontram nos pratos de Cifka. A interpretação desses elementos já são outros “quinhentos”, por assim dizer. É aí que eu traço a linha. Se me fizerem perguntas sobre a interpretação, não deixarei de responder, sublinhando que é a minha interpretação. Mas o que encorajo é a que cada um procure saber mais. Toca a “googlar” Cifka, Estrita Observância e Nicolas Poussin. Não me perguntem o que quer dizer. Descubram! O mais difícil está feito.

TG – Foi assim no Mosteiro dos Jerónimos?

LM – Claro. Um livro incontornável é “A História Secreta de Portugal” do António Telmo, onde se faz um primeiro exercício de interpretação de muitos dos elementos iconográficos. Mas eu não vou aos Jerónimos explicar António Telmo. Ele é auto-explicativo. Compra-se o livro, lê-se, até se pode fazer a visita com o livro na mão e temos lá o que pensava António Telmo. O que importa é dizer que não foi só António Telmo que pensou os Jerónimos. Importa chamar a atenção para o trabalho sobre o simbolismo do Manuelino do Paulo Pereira, para o célebre programa que a RTP passou da autoria do Manuel J. Gandra e do António Carlos de Carvalho nos idos dos anos 80, para algumas linhas escritas e particularmente os painéis do Rossio do Mestre Lima de Freitas e, já noutro plano, para todo um acervo mais recente de autores como Eduardo Amarante, Paulo Loução, entre muitos outros. Assim sim. Assim já temos uma base para “navegar” os claustros. Há informação de qualidade, há especulação, há teses distintas. É isso que serve o visitante. Serve-lhe saber onde há-de ir procurar para fazer a sua própria visita e a sua construção simbólica sobre os Jerónimos.

TG – Então não se ficou a saber o que o Luis pensa?

LM – O que o Luis pensa é muito útil ao Luis. Mas é pouco útil a quem quer compreender – no sentido bíblico de circunscrever e apreender – por si. Não quero que venham ver-me fazer sapatos, que eu não sou sapateiro. Quero que, ao explicar os sapatos, alguns saiam das visitas a querer ir experimentar fazer um par! Uma vez ou outra, lá vou dando a minha orientação temática, porque o tema está lá e fala-se pouco dele. Por exemplo, um tema fascinante nos Jerónimos é o dos túmulos vazios. Até D. Sebastião lá está! Eu tenho opinião e conto algumas histórias. Mas o essencial é apontar por onde procurar mais informação e pontos de vista inusitados ou inabituais. Acho que é disso que as pessoas mais gostam. Uma história bem contada é um apontador.

TG – E no Palácio da Pena, que temas costumam passar despercebidos?

LM – Muitos. Mesmo muitos. Tal como com os Jerónimos há uma visão mais ou menos consagrada da Pena que ignora muitos detalhes. E é no detalhe que está o tesouro. Sim, Parque e Palácio estão relacionados com a Demanda do Graal. Mas que Demanda? Há várias versões, várias linhas tradicionais. Qual delas? Que elementos estão ali expressos? E que outras correntes são determinantes para a Pena tal como a conhecemos hoje? Passa-se ao lado de quase tudo. Um tema fulcral, por exemplo, é o de saber se havia ali um Convento ou um Mosteiro. Não é tudo a mesma coisa… Outro tema é conhecer a Ordem Hieronimita, o que poderá surpreender os mais desatentos. Outro ainda, sobre o qual nos debruçámos nesta última visita, é o dos vitrais. Os da Capela são de tal modo importantes que foram feitos logo em 1840, ano do início das obras. Fazem, portanto, parte dos planos iniciais e aquilo que neles se expressa será fundamental – no sentido mesmo de fundação. Mas mesmo a colecção de esparsos reunida no Salão Nobre não é aleatória e apresenta bastas razões para uma reflexão cuidada. É mais um apontador pouco referenciado.

10010_24

TG – O que podemos esperar para a Quinta da Regaleira.

LM – Tudo.

TG – Tudo?

LM – Apontadores. O 515 pode ser logo tratado. Basta 1 minuto e está. A questão Maçónica já foi muito bem ponderada pelo José Anes. Mais um par de minutos e fica o apontador. Quase todos os que vão ou já leram, ou podem vir a ler em breve o livro. Outro apontador é o do Manuel Gandra que publicou informação relevante sobre a colecção camoniana de Carvalho Monteiro, agora em Washington. Isso toma mais uns minutos. Noutro plano, naquele espaço não se pode ignorar o trabalho do Victor Adrião, que já estuda a Quinta desde há muitos, muitos anos. Trabalho extenso, documentado e detalhado. Mais um par de minutos. Como é costume não direi nada sobre o autor, mesmo sabendo que não é recíproco! Em menos de 20 minutos os apontadores mais conhecidos estarão dados. Perfeito. Será então hora de por isso tudo numa pastinha, fechar e ver em casa. Porque chegou a hora de, isso sim, fazer o que se deve fazer naquele jardim: passear. Deixar-se levar. Deixar-se encantar. Viver a tarde. Olhar o detalhe, deixar a evocação surgir à superfície do consciente. É um jardim iniciático. Comece-se a iniciação.

Fotos: Sunana Ferreira (c) 2015

Texto: TG (c) 2015

Programa RTP 2 – Visita Guiada – Convento de Cristo

Posted on

tomar4

O claustro principal do convento de Cristo está referenciado na história da arte universal como um dos mais belos exemplares da arquitectura renascentista europeia. Mas este claustro é mais do que um tesouro da arte do renascimento, é a construção que enterra de vez a Idade Média em Portugal e o alinha com o novo humanismo europeu.

Convidado: João Paulo Martins, arquitecto
Visita Guiada é um programa de televisão e de rádio sobre os tesouros do património cultural português. Tesouros com reconhecido valor universal, peças que qualquer país ocidental se orgulharia de integrar no seu património, e pouco conhecidos dos portugueses.

De um cálice de prata com decoração moçárabe e mil anos de idade a um claustro que está referenciado como obra-prima do renascentismo europeu, passando por uma colecção de arte africana classificada como uma das melhores do mundo, a natureza dos objetos, o seu contexto geográfico e o seu tempo histórico variam de episódio para episódio.
Conhecer o Património Cultural português

«Los templarios usaban animales y héroes mitológicos con fin pedagógico»

Posted on Updated on

eunate

Pablo Alonso es concentración en sí mismo y escucha plena de cuanto le transmites. Es licenciado en Historia Medieval por la Universidad de Málaga y desde hace diez años se ha centrado en la investigación de la simbología tradicional deducible de la iconografía bajo imperial romana y medieval. Fue uno de los impulsores de la celebración en Murcia de las actividades en torno a las Tres Culturas. El mundo de lo simbólico y la astronomía son temas que domina perfectamente, si bien su trabajo cotidiano se desarrolla en el Palacio de Justicia de Murcia. Recientemente presentó su último libro: Las estrellas de Eunate, editado por la Sociedad de Estudios Templarios y Medievales de España que servirá de guía para muchos murcianos que realicen el Camino de Santiago.

– ¿Qué es Eunate?

– Es un lugar emblemático en el camino de Santiago, por donde muchos de los murcianos que hayan realizado dicha ruta necesariamente han pasado por él. Eunate es famoso en Europa en el camino de Santiago, y lo es, en primer lugar, por la forma exterior de su construcción: un octógono circundado por una arcada y en segundo lugar porque todo aquel que ha estado allí reconoce haber sentido algo especial. En sí es una ermita dedicada a Santa María de Eunate y está situada en el tramo navarro.

– ¿De qué trata su libro?

– Es una guía simbólica de la portada norte de esa ermita, pues es una portada construida como todo el conjunto de la edificación, en la primera mitad del siglo XII; es decir, en pleno auge de los templarios. Las arcadas se componen de figuras de animales mitológicos y héroes de la mitología clásica que son también constelaciones, estrellas del cielo. De ahí el título de Las estrellas de Eunate.

– ¿Cuál fue la finalidad principal de esta ermita?

– Principalmente era un lugar de sanación, se encuentra en un cruce de muchos caminos. Las sanaciones que allí encontraron los peregrinos están representados por los remedios que se facilitaban para curar diversas enfermedades y ello ha quedado labrado en piedra a través de héroes mitológicos.

– ¿Podría dar algunos ejemplos?

– Por supuesto; por ejemplo el dragón representa la hierba llamada artemisia dracunaculus, popularmente conocida como dragoncillo.

– ¿Qué sentido tiene esta portada tan peculiar?

– Su finalidad última es pedagógica pues trata de aproximar al peregrino a la fe cristiana mediante la inteligencia pues todos los remedios de enfermedades sugeridas en esta portada tienen un trasfondo simbólico de sacrificio; dejándole al buen entendedor que comprenda por sí mismo que toda la historia de la humanidad es una historia de salvación y que grandes sacrificios han salvado al hombre de monstruos y males de todo tipo, siendo el mayor sacrificio de todos el de Cristo en la Cruz.

– ¿Cómo están representados los animales?

– Animales que, como bien le he dicho anteriormente representan la constelación estelar. Todos ellos se encuentran en una posición de perseguidores y perseguidos. Hércules es el gran maltratador del dragón y Perseo es el maltratador de la ballena; y como usted sabe, estos cuatro símbolos se corresponden con constelaciones estelares.

– ¿Podemos localizar algunos de estos símbolos en la catedral de Murcia?

– Murcia durante el siglo XII estuvo bajo ocupación musulmana, mientras que dicha simbología aparece más en el arte románico. Aquí, cuando se cristianiza la construye ya prácticamente con el gótico, precisamente en un momento de mayor persecución a los templarios que se ven obligados a huir a Francia. Si bien la catedral también tiene mucho que decir de este mundo, prefiero silenciarlo.

 

en Laverdad.es

Trotamundos: Caballero templario y extra de cine

Posted on Updated on

SCHUSSS! Por favor, si van a cruzar, háganlo en silencio, que estamos rodando una película». Cuando llegamos a Portomarín nos topamos boquiabiertos con toda la parafernalia del mundo del cine. «¿Preparados, vamos a grabar. Acción!». En la plaza del pueblo están rodando algunas secuencias de un film sobre el camino de Santiago, protagonizado por Fernando Tejero, el famoso actor de la serie televisiva ‘Aquí no hay quien viva’. Según él mismo nos explica, el guión trata sobre «un fotógrafo y una redactora (Malena Alterio) de una revista que intentan desesperadamente entrevistar a un gurú argentino, interpretado por Diego Peretti, que nunca se ha dejado fotografiar. En el argumento de la película, este guía espiritual ayuda a parejas en crisis llevándolas al camino como terapia. Los protagonistas se hacen pasar por un matrimonio mal avenido para conseguir el contacto.

En plena grabación se desata una repentina tormenta que obliga a suspenderla. «¿Aprovechamos esta parada para ir a comer. A las cuatro menos cinco volvemos a rodar!», anuncia por megáfono un ayudante del director, Roberto Santiago, el mismo de ‘El penalti más largo del mundo’. La productora ha preparado un cátering para el equipo en una carpa a la entrada del pueblo. Fernando Tejero prefiere comer un menú del día en una terraza.

Nos confiesa que le ha picado el gusanillo del camino, y que cuando termine la película tiene pensado embarcarse en él. «No sé si entero, porque dicen que es muy duro, pero igual la parte gallega», comenta, muy accesible. «Te sientes pequeñito, los paisajes son apabullantes; el Bierzo, por ejemplo…». El actor tiene los ojos verde claro, y cuidada barba de varios días. Lleva, como todo el equipo, una camiseta verde chillón en la que se lee ‘Un buen camino’, bermudas y chaqueta de gore-tex. La película, que se llamará ‘El final del camino’, se estrenará el año que viene, una vez que termine el duro montaje.

Portomarín se alza imponente encima de un puente sobre el río Miño. En tiempos de Franco, el pueblo fue inundado para construir el embalse de Belesar. Sus habitantes subieron a vivir al enclave reconstruido en 1962. La iglesia fue trasladada piedra a piedra. En las losas aún se aprecian los números con los que fueron marcadas para volver a colocarlas como un puzzle. Son típicos el oruxo, tanto el blanco como el de hierbas y otras variedades… y las tartas de Santiago Ancano, que se fabrican aquí.

El pueblo ha sido tomado por 130 personas, entre técnicos de sonido, cámaras, productores… Antes estuvieron en Cebreiro, y terminarán en Santiago. Varios jóvenes con ‘looks’ imposibles, pelo rasta, camisas floreadas, shorts, gafas de pasta y bandoleras de Louis Vuitton, entre ellos actores famosos, se cruzan con los peregrinos. Con ‘walkis’ en la mano, piden silencio con insistencia a los curiosos que observan la escena. «¿Corten!, ¿grabamos!», se oye una y otra vez.

José Manuel González, un peregrino de Almendralejo que está haciendo el camino estos días, fue captado como extra por un ojeador de la película en Cebreiro. Aparece en alguna escena como lo que es, un caminante que se detiene a observar la iglesia del pueblo. Representa la típica imagen del romero: barba oscura, tez morena, y va cubierto de extraños símbolos. Es templario, «guardián del camino», se autodefine. Su labor consiste en vigilar que no haya ladrones en los albergues y garantizar que se trata bien a los peregrinos. José Manuel lleva en la mochila una espada que pesa tres kilos y medio, aunque la rompió de un golpe contra una piedra. Quienes la vieron entera aseguran que la empuñadura dorada sobresalía de la bolsa. «El camino es ya un comercio, para sacar al peregrino lo que se pueda», critica.

Luce un precioso anillo templario de plata, y vistosos colgantes con la cruz de Jerusalén, del priorato de Sión, sobre una camiseta negra con el símbolo de la dualidad, en dorado. En el gorro ha clavado ‘pins’ alusivos a todos los lugares por los que pasa y se apoya en un bordón con una calabaza seca.

La fiesta del ‘conxuro’

Ha hecho el camino francés y la Vía de la Plata ya tres veces. Salió de Almendralejo hace mes y medio y enlazó con el camino francés en Zamora. En el Casar de Cáceres descubrió a un ladrón ‘in fraganti’ y le aconsejó «que desapareciera». Cuando ocurre esto, los templarios avisan a todos los albergues, que declaran al intruso persona ‘non grata’. «Hay mucha maldad en el camino, nosotros somos como una especie de Policía, defensores del peregrino». Uno de los maestros templarios es Tomás, el hospitalero de Manjarín (León), que pasa todo el año en un refugio en plena montaña sin luz ni agua corriente, y recibe a los peregrinos con té caliente. Hay quien asegura que Tomás ordena caballero al primero que le cae bien.

José Manuel pretende llegar hasta Muxia, en la Costa da Morte, «si me llevan los pies» para ver el mar y lanzar la vara, como ya hizo la primer vez. Allí celebrará la fiesta del ‘conxuro’, en una noche de Luna llena, con una queimada como manda la tradición para «invocar a las meigas, que haberlas haylas». Según su receta, «una vez que hierve el líquido se le prende fuego para rebajar el grado de alcohol y se apaga».

Nada más empezar la etapa de hoy, después de atravesar un bosque rodeado de verdes campas, nos encontramos bajo un puente gigante en plena construcción, sobre una vía de tren, a un ajado peregrino que fuma un cigarro de liar sentado a la sombra. Se llama Pascuale y es francés.

-«¿Va a Santiago?», le preguntamos.

-«No, a Francia. Voy de regreso», contesta con mímica.

-«¿Cuánto tiempo ha tardado?»

-«Tres meses en la ida, y me quedan otros dos de vuelta».

-«¿Qué tal la experiencia?»

-«¿La mía? ¿Catastrofic!», espeta. «Ya no hay peregrinos, está lleno de turistas», observa mientras señala a un grupo que toma fotografías sin ton ni son. Pascuale es uno de los desencantados.

Cuando hemos caminado una hora y media, el cuerpo nos pide un descanso. Tomamos un ‘acuarius’ en una terraza de la Taberna Mercado de la Ferra, donde hay una curiosa máquina tragaperras con bolas infantiles que contienen conchas de peregrinos, claro ejemplo del ‘merchandising’ xacobeo.

Los peregrinos medievales adquirían la concha al llegar a Santiago, como prueba de que habían llegado a la costa gallega, única donde abundaban las vieiras. Hoy en día se ha convertido en un símbolo que los caminantes llevan colgado en sus mochilas con la cruz roja de Santiago grabada en medio. Dicen que no se puede comprar, sino que han de regalártela. La concha es también el símbolo que sirve, junto con la flecha amarilla, para indicar el camino a lo largo de las 29 o 30 etapas, más de 750 kilómetros, desde Roncesvalles hasta Santiago.

En este tramo de Sarria a Portomarín el camino discurre entre robles y bajo la atenta mirada de los curiosos petirrojos. Los peregrinos que han comenzado su andadura en Cebreiro, como nosotros, se resienten de las largas pateadas. Agujetas, dolores lumbares… Es fácil reconocerles, andan como si tuvieran las piernas de madera.

in ideal.es

«Los turistas preguntan por qué la capilla de los Vélez está sin acabar»

Posted on Updated on

Elisa Templado Isasa, de la agenciaCultur Art, es una de los dos guías que diariamente, de lunes a viernes, explica la Catedral de Murcia a propios y extraños, dentro del programa de visitas guiadas que el Cabildo catedralicio ha organizado para poner en valor un tesoro artístico cultural tan importante como la seo murciana. Las visitas duran una hora y se realizan a las 10, 11.30 y 18.30 horas. El precio es de dos euros por persona, en caso de grupos, y de tres euros, para particulares. Salvo los grupos, no es necesario reservar plaza; basta con presentarse en la puerta de San José (junto a la del Perdón o principal) un poco antes de la hora de visita. Utilizan un sistema de auriculares inalámbricos a fin de no perturbar el culto normal.

– ¿Qué respuesta está teniendo la iniciativa de mostrar la Catedral con guías?

– Está viniendo bastante gente. No sólo turistas extranjeros o personas de otras comunidades que veranean en la costa cercana y aprovechan para visitar Murcia. Hay muchos murcianos que vienen porque quieren conocer mejor su Catedral. Desean ampliar detalles que ignoran sobre la fachada o el interior.

– ¿Qué parte de la Catedral gusta más a los visitantes?

– El imafronte es una de las muestras más singulares no sólo del barroco español sino de todo el barroco europeo, tal y como lo atestiguan numerosos especialistas. A través de sus imágenes, como un gran libro, relata la importancia de la Diócesis Apostólica de Cartagena, desde los primeros siglos del cristianismo. También les gusta mucho las capilla de los Vélez y del Junterón. En general, el público se sorprende al encontrar en Murcia una seo tan importante. Realmente es muy desconocida, incluso para personas especializadas.

-¿Qué preguntas suelen hacerle con mayor frecuencia?

– Ahora con la moda de volver a la historia de los Templarios y las novelas sobre las catedrales, como Los Pilares de la Tierra o La Catedral del Mar, la gente intenta averiguar si hay algún misterio o algun pasadizo secreto o leyenda vinculada a cualquiera de las capillas. También preguntan el motivo por el que la capilla de los Vélez está inconclusa.Otra de las cosas que desean ver son los enterramientos de personajes famosos, como el rey Alfonso X o el del embajador Saavedra Fajardo.

– ¿Por qué el primer marqués de los Vélez es enterraron en Velez Blanco, dejando sin terminar la capilla que había iniciado su padre Pedro Chacón?

– Se sintió ofendido porque el rey Carlos V mandó trasladar el corazón del rey Alfonso X el Sabio, que estaba en San Juan de Dios, hasta el altar mayor de la Catedral. Los Vélez, pese a que se habían levantado su capilla, con los derechos de enterramiento, como era habitual, realmente aspiraban a ser enterrados en el lugar que ocupan los restos del rey Sabio. Por eso dejaron sin rematar una pequeña parte de la capilla

– ¿El Coro de la Catedral suscita interés?

– Claro. Sorprende a muchos que esté situado en el centro, provando de perspectiva el altar mayor desde la entrada principal. Y eso es algo que se repite comunmente, porque las catedrales se hacían principalmente para los obispos y canónigos. Por eso se colocan sus sitiales en el lugar más importante.

-¿Hay editada alguna guía interesante de la Catedral de Murcia?

-Sí. Está la del canónigo Faustino Fernández Molina, titulada Visita a la Catedral de Murcia, con abundantes fotografías y amplia documentación.

in laverdad.es