em Português

Ciclo de Palestras – A Alma de Portugal

Posted on

No próximo dia 19 de Setembro de 2020 irá realizar-se a primeira de quatro palestras do Ciclo A Alma de Portugal, iniciativa da nossa Ordem em parceria com a Associação Saudade e apoio do Templar Corps. As palestras deste ciclo serão apresentadas por João Pedro Silva, KGOTJ e Preceptor Geral do Grão Priorado de Portugal da OSMTHU.

O ciclo pretende levar os participantes a uma viagem pela história providencial de Portugal, revistando os mitolusismos e mergulhando na sua Teleologia. Será, esperamos, uma excelente oportunidade de partilha e um estudo dos mitos que, escorrendo, fecundaram a nossa realidade, nas palavras de Pessoa. Uma viagem à nossa Patreosofia, conceito extraordinário que nos legou António Quadros.

No cumprimento da parceria firmada com a Associação Saudade, a receita deste evento reverte integralmente para o apoio ao Museu Hermético Português, pelo que a participação de cada um acaba também por ser uma excelente forma de apoiar esta causa.

Inscrição por email enviado para: info.arcana.templi@gmail.com

Ou através da Associação Saudade

Donativo: 15 EUR (por cada sessão) reverte a favor do Museu Hermético Português.

Apresentação em Pdf

 

Alandroal vai recuperar integralmente capela com mais de seiscentos anos

Posted on

O município de Alandroal anunciou hoje o estabelecimento de um protocolo de colaboração com a Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCAlentejo), a Paróquia de Terena, S. Pedro e a Confraria de Nossa Senhora da Boa Nova, entidades proprietária e zeladora da Capela da Boa Nova, do século XIV, que vai permitir a intervenção de conservação, restauro e reabilitação daquele património histórico em três fases sucessivas.

A primeira, com projeto técnico já desenvolvido pela DRCAlentejo e cedido ao município, incide sobre a cobertura e todo o exterior do imóvel. A segunda e terceira, com projetos técnicos a desenvolver pela autarquia, correspondem, respetivamente, ao restauro do interior da capela e aos arranjos exteriores ao monumento.

O protocolo agora assinado será enquadrador de uma candidatura a fundos do PO regional com o objetivo da recuperação integral deste relevante Monumento Nacional, mas o município vai avançar já para a concretização da primeira fase devido à urgência da intervenção, uma vez que já neste ano, realizou, em colaboração com a DRCAlentejo, arranjos de emergência na cobertura que se revelaram insuficientes face à dimensão do problema.

O imóvel, que por estas razões está incluído na Carta de Risco do Património Cultural, é um dos mais relevantes santuários marianos no Alentejo e “apesar das múltiplas dúvidas que se colocam a respeito da (sua) origem, construção e funcionalidade (…) está para além de qualquer dúvida o estatuto desta obra como uma das mais importantes de quantas se realizaram em Portugal durante o século XIV. Com o grande monumento de Flor da Rosa e, parcialmente, com a fase gótica da igreja de Vera Cruz de Marmelar, a Boa Nova integra a tipologia de “igrejas-fortalezas”, categoria histórico-artística que pretende diferenciar entre as construções religiosas fortificadas (como Leça do Balio) e as verdadeiras fortalezas, cuja planimetria, volumetria e espacialidade obedece, em tudo, a pressupostos.”

in tribunaalentejo.pt

III Jornadas Templárias para o Conhecimento Ecuménico em Lagos

Posted on

Decorreram em Lagos no dia 29 de Fevereiro as III Jornadas Templárias, que se vão já impondo como um momento alto no calendário de inciativas da OSMTHU em Portugal.

Organizadas pela Comenda de Laccobriga do Grão Priorado de Portugal, com o apoio da Câmara Municipal de Lagos e da Associação Grupo Coral da mesma cidade, as Jornadas visam ampliar o conhecimento e a cultura dos membros da Ordem e do público em geral, versando temas centrais à compreensão da Ordem do Templo, da Ordem de Cristo e da sua continuada relevância nos dias de hoje.

Desta feita, o desafio lançado aos oradores foi a reflexão sobre “Quinto Império… e a Saudade do Futuro”. Respondeu um conjunto de interessantes palestrantes, muitos já repetentes, recebidos por um número crescente de espectadores, sempre atentos e participativos.

O dia abriu com uma exposição de livros relativos ao tema, muitos da autoria de alguns dos oradores, o que proporcionou agradáveis momentos de diálogo entre autores e leitores, entre autógrafos e perguntas interessadas. De seguida o Grupo Coral de Lagos abrilhantou o evento com algumas peças de canto coral de uma encantadora beleza.

De seguida a Vereadora da Cultura da Câmara de Lagos, Drª Sara Coelho, procedeu à abertura das Jornadas com palavras que bem ilustram o apoio das entidades oficiais a todas as iniciativa culturais de relevo no Concelho, referindo o interesse do Município numa continuidade da já sólida colaboração com a Ordem.

O primeiro orador foi o Preceptor Geral do Grão Priorado de Portugal, responsável pelo programa de estudos e coordenação das acções de formação interna nos diversos graus. Tomando o tema de frente, fez uma recolha metódica das diversas fontes do mito do Quinto Império, desde as sucessões das Idades nos textos sagrados orientais, passando pelo Antigo Testamento, não esquecendo Joaquim de Fiora, Vieira, Pessoa e Agostinho da Silva. O seu texto pode ser consultado aqui.

Impossibilitado de estar presente, o empresário e antigo modelo Tó Romano, disponibilizou alguma literatura e um vídeo relativo ao seu projecto EVADREAM. Nascido em Lisboa e formado em Arquitectura em Belas Artes no início dos anos 80, Tó Romano ganhou reconhecimento pelo trajecto que fez na moda e que o levou a ser um dos primeiros modelos portugueses a trabalhar internacionalmente. Em 1989 fundou com a sua mulher Mi Romano a agência de modelos Central Models, que ainda hoje ambos dirigem e cujos modelos têm cada vez mais sucesso a nível mundial.

O vídeo, de 2015, mostra uma preocupação e uma ideia que antecipa esse Portugal do Quinto Império. Desde essa apresentação, o número de cidades que aderiram à proclamação “Vamos Florir Portugal” tem aumentado e é já um caso sério digno de case study.

Após um curto intervalo foi a vez da intervenção de Virgílio Alves, representante da recém-criada Associação Mar e Saudade, cujo trabalho notável se consubstancia, entre outras vertentes, no já inaugurado Museu Hermético Português, cito em terras de Almourol, em Vila Nova da Barquinha e único no seu género. Os propósitos da Mar e Saudade foram expostos e fez-se uma visita guiada pelo website, explorando-se alguns dos recursos já disponíveis. Na impossibilidade absoluta de estar presente, o seu fundador Manuel J. Gandra, que tem apoiado e participado nas Jornadas Templárias de Lagos desde a primeira edição, enviou o vídeo “Do Ser, do Estar e da Saudade”, que disponibilizamos de seguida.

A sessão da manhã encerrou com a intervenção do Prof. Fernando Casqueira que, na sua qualidade de Grande Preceptor da Grande Loja Soberana de Portugal, abordou, entre outros, o tema da perda do Império e da influência internacional como percursor da vertente de desencanto e desesperança da Saudade, traçando um périplo de uma rara erudição por todo o século XIX e XX, até desembocar na rememoração dos mitos por António Quadros, Dalila Pereira da Costa, Lima de Freitas e Agostinho da Silva. Terminou ainda abordando ao de leve os mitemas mais marcantes das questões ligadas ao Quinto Império, concordando com os oradores da manhã e antecipando uma tarde animada.

Após pausa para o almoço, a sessão da tarde foi aberta pelo conhecido autor e Professor Eduardo Amarante, fundador das Edições Apeiron, em cuja extensa obra a temática do Quinto Império e dos Templários tem tido lugar de destaque. Na sua comunicação discorreu acerca das origens da religião do Quinto Império, das dinastias de Borgonha e Avis e suas ligações, do Preste João bem como toda a problemática da Saudade. A sua comunicação pode ser lida aqui.

Seguiu-se a intervenção de Luis Natal Marques, Grande Conselheiro da Ordem Rosacruz AMORC em Portugal, que escolheu um tema pouco tratado, mas de grande interesse: “O Riso e as Religiões”. De facto, sendo uma das manifestações do Paráclito o brotar de uma incontrolável alegria, que se expande em riso e gozo, frequentemente designado por deleite, o papel do riso e da alegria é muitas vezes subalternizado nas religiões do Ocidente. Com muito humor e numa cativante apresentação, o orador soube prender o público e proporcionou a mais original e inesperada intervenção da tarde, que mereceu justos rasgados elogios pelos presentes.

Seguiu-se a apresentação do Rito Português por João Pestana Dias, Grão Mestre da Grande Loja Soberana de Portugal. Inserido no contexto do movimento da Nova Maçonaria Portuguesa assumido pela Soberana no último par de anos, o Rito Português teve a sua origem na Grande Loja Legal de Portugal/GLRP em 2015 tendo florescido desde então em outras Obediências, mantendo sempre a continuidade iniciática e proveniência maçónica, dando destaque à portugalidade e à exploração simbólica das fontes literárias e artísticas que se fundam no ideal do Quinto Império.

Explicando que o Rito Português é o Rito oficial da Grande Loja Soberana, João Pestana Dias foi expondo alguma da história e da especificidade litúrgica, desenvolvida tendo como matriz o Rito Escocês Antigo e Aceite. Foi de marcado interesse a memória descritiva dos símbolos adoptados (a cruz decorrente do estudo do quadrado e do octógono, com os seus cabos marítimos e inspiração nos traçados da Ordem de Cristo, os diversos paramentos de cada grau, os paramentos de Venerável Mestre e Grande Oficial, etc.).

Encerrou os trabalhos do dia Mons. Luis Fonseca, Tau Christophorus de Lusignan, Capelão do Conselho Magistral da OSMTHU e Bispo da Old Templar Church, que abordou o tema do “Quinto Império… e Saudade do Futuro” numa perspectiva muito directa e pedagógica, sempre com a preocupação de se fazer escutar como uma voz da Ordem e de falar em nome desta, devidamente credenciado para tal.

Por esse facto, evitou cuidadosamente discorrer sobre os assuntos abordados até esse ponto, procurando em alternativa entrar no mais profundo do tema pela intermédio da meditação activa e da contemplação. Assim, seleccionou algumas peças musicais que pudessem ilustrar por via dos sentidos o que as palavras não alcançam, elevando de forma palpável o entendimento da plateia, tocando uma corda especial no coração de todos. Segui-se quase uma hora de intervenções espontâneas dos presentes que, com muita elevação e gosto, prolongaram ainda mais a profunda impressão deixada pelo orador.

Apesar do memento ser irrepetível, deixamos aqui o texto de base que foi lido, o qual contém os links para os vídeos apresentados.

As III Jornadas deviam ser encerradas com uma apresentação pelo Grão Prior Geral do Grão Priorado de Portugal, Luis de Matos. Contudo, este, dirigindo-se à assembleia explicou que tinha ocorrido o mesmo que já se passara em outras ocasiões em relação ao Luis Fonseca. Sem se terem falado na preparação dos seus trabalhos, estes acabaram por ser tão irmãos nas referências e conteúdos que – disse o Grão Prior – na sua apresentação havia um vídeo com um fado cujo autor era o mesmo da apresentação de Luis Fonseca – o poeta e guitarra clássica Jorge Fernando – exactamente com o mesmo lineup musical: Filipe Larsen no baixo acústico e Custódio Castelo na Guitarra Portuguesa… A única diferença era a voz, em que despontava Jorge Fernando e numa outra peça, Mariza. Dada a coincidência inesperada e o efeito obtido pela apresentação de Luis Fonseca, o Grão Prior rematou dizendo: “Uso da minha prerrogativa de me remeter ao silêncio; convido-vos todos a regressar a casa também em silêncio e ainda com os ecos do que aqui ouviram no coração.”

Em resumo, está de parabéns a Comenda de Laccobriga do Grão Priorado de Portugal da OSMTHU bem com o seu Comendador Victor Varela Martins e todos os membros e família que o ajudaram a levar a cabo este duro trabalho, apreciado por todos. Torna-se já uma tradição nesta época do ano rumar a sul e desfrutar da amizade fraternal entre Cavaleiros e Damas, mas também entre um número cada vez maior de convidados, amigos e público. Mais uma vez se trabalhou de forma ecuménica, intergrupal, mostrando que a colaboração com outras Ordens, movimentos culturais e tradicionais, pesquisadores e autores, é possível e profundamente transformador.

Em 2021 as IV Jornadas serão uma realidade.

Atentos aos tempos.

I International Conference of the Temple, Spiritual Chivalry and Templarism in Almourol available in video (full lenght, all conferences and visits, 9h30m)

Posted on

The Municipality of Vila Nova da Barquinha just released the full 9h30m of video that documents the full I International Conference of the Temple, Spiritual Chivalry and Templarism that took place  in Almourol, Portugal in October, where the milestone Protocol of Almourol was signed.

The I Conference was the first International Event organized by the CITA (here and here), an Interpretation Center for the Order of the Temple and the Order of Christ that complements the world famous Templar Castle of Almourol.

During the Event the OSMTHU and the OSMTJ, represented respectively by Master Antonio Paris and Regent Nicholas Haimovici-Hastier,  signed a Protocol with the Municipality, declaring the CITA and Almourol as an International Place of Templar Cultural Interest. Both branches of the Order also committed to the development of the library and archive available at the CITA and the organization of three yearly Conferences where members of the Order, the academic community, researchers and the general public can come together and celebrate the Templar heritage (here).

Short clip of how the collaboration came to be:

PROGRAM OF THE I CONFERENCE

The released videos extensively document the Guided Tours and the Conferences that took place along three days in October 2019. A large part of the content is in English. The footage will be edited shortly in order to make the conferences more accessible and subtitle in English those that are only available in Portuguese.

The present uncut release is, however, very useful for all those who were not able to attend and want to have access to all the discussions and groundbreaking research presented. Reviewing the videos will also provide almple reason not to miss the II International Conference to be held in Almourol in October 2020. (more info: osmthu@mail.com)

THE VIDEOS (Parts 1, 2 and 3)

VN Barquinha celebra protocolo com ordens templárias que vai tornar CITA no “mais importante repositório mundial sobre a Ordem do Templo”

Posted on Updated on

O Município de Vila Nova da Barquinha celebrou um protocolo com duas ordens templárias – a Ordo Supremus Militaris Templi Hierosolimitani Universalis (OSMTHU) e a Ordre Sovereign et Militaiire du Temple de Jerusalem (OSMTJ) – a fim de declarar o município e o Centro de Interpretação Templário de Almourol (CITA) como Lugar Internacional de Interesse Cultural Templário.

A proposta de celebração de protocolo veio a reunião de Câmara no dia 9 de outubro e mereceu parecer positivo do executivo.

A vereadora Marina Honório explica que a iniciativa resulta da associação da OSMTHU e da OSMTJ e pretende também que Vila Nova da Barquinha seja sede de “um evento anual do tipo Congresso Internacional e recomendação de destino de acervos bibliográficos e objetos que possam enriquecer o CITA como referência internacional incontornável sobre a Ordem do Templo e suas influências culturais em todas as épocas”.

Como sinal de arranque desta colaboração, Fernando Freire explicou que ambos os ramos da Ordem aprovaram já diversas iniciativas que têm como objetivo encorajar colecionadores, arquivos e donos de bibliotecas a fazer doações e a tornar o CITA até 2021 no “mais importante, completo e extensivo repositório e acervo bibliográfico mundial sobre a Ordem do Templo”.

Da parte da OSMTHU, uma das iniciativas passa pela negociação da passagem do Arquivo do Templo, constituída por múltipla documentação original relativa à Chancelaria Internacional e ao Secretariado da Aliança Federativa Internacional desde 1988, bem como objetos e arquivo diverso, sob empréstimo à localidade de Sória, Espanha desde 2007, para o CITA em Vila Nova da Barquinha.

Outra das iniciativas a ser tomada pela OSMTHU é designar o CITA como a “instituição à guarda do qual será entregue a atualização do Arquivo da Ordem, composto pela documentação oficial produzida pela Chancelaria Internacional anualmente” bem como da “adição de peças documentais históricas, acervos bibliográficos e objetos de interesse arqueológico, académico ou museológicos que a esta possam ser doados”.

A OSMTHU vai também [convidar a Grão Priorado de Toledo da OSMTH a] oferecer uma réplica forjada, segundo as regras tradicionais, da espada do cruzado Godofredo Bulhões, símbolo do contexto histórico que proporcionou o surgimento da Ordem do Templo.

Já a OSMTJ contribuirá com o depósito de uma coleção bibliográfica temática de relevo bem como um extenso arquivo documental sobre a atividade da Ordem na última metade do século XX.

Para além das iniciativas em termos de Arquivo e Biblioteca, o protocolo prevê também trocas culturais, através do empréstimo e exposição de peças específicas.

Por fim, esta colaboração pretende também a realização de uma Conferência Internacional. Um “evento anual de âmbito internacional a decorrer em 2020, 2021 e 2022”, conforme explicou o presidente da Câmara de VN Barquinha, Fernando Freire.

O local escolhido para o evento anual será o CITA, cuja organização, programação e promoção será responsabilidade das duas ordens envolvidas no protocolo.

Recorde-se que o Centro de Interpretação Templário de Almourol foi aberto ao público em novembro de 2018 e é um centro pioneiro no que respeita à Ordem do Templo em Portugal, dotado de um conjunto relevante de recursos que incluem um espaço para exposições, auditório e biblioteca temática.

Por Ana Rita Cristóvão, antenalivre.pt

Especialistas mundiais em “Templarismo” em Vila Nova da Barquinha

Posted on

“Ordem do Templo – Cavalaria Espiritual – Templarismo” é o tema da iniciativa que irá reunir, entre 11 e 13 de outubro de 2019, no Centro de Interpretação Templário de Almourol, Vila Nova da Barquinha, os maiores especialistas mundiais nesta temática, com oradores oriundos de França, Itália, Estados Unidos e Portugal.

António Paris (Mestre da OSMTHU, Itália), Barbara Frale (Arquivo do Vaticano), Nicolas Haimovici (Regente da OSMTJ, França), John von Blauch (Estados Unidos), Luís de Matos, Manuel J. Gandra, Ernesto Jana e Nuno Villamariz Oliveira (Portugal) são alguns dos oradores já confirmados.

Durante o evento terá lugar a inauguração da nova exposição temporária do Centro de Interpretação Templário de Almourol – “Santoral e liturgia templárias à roda do ano” – assim como a apresentação do respetivo catálogo. O acontecimento ficará também marcado pela assinatura de Protocolos de Cooperação e Parceria com o CITA e receção da réplica da espada de Godofredo de Bouillon.

Do programa fazem parte visitas ao Castelo de Almourol (Vila Nova da Barquinha) e ao Convento de Cristo (Tomar), bem como momentos musicais.

As inscrições tem um custo de 15€ (com oferta de catálogo), são obrigatórias e limitadas. O contacto para obter mais informações e inscrições é o telefone +351 249720358.

Por 

Templários e Templarismo em São Brás de Alportel

Posted on Updated on

Ação cultural aberta à Comunidade e todos os interessados na filosofia, cultura, espiritualidade, história, esoterismo e mística Templária medieval e contemporânea.

Entrada livre

Organização: Comenda de Laccobriga / Apoio especial: Câmara Municipal de São
Brás de Alportel

VN Barquinha | Império do Espírito Santo está presente em 12 dos 13 concelhos da região

Posted on

Manuel J. Gandra, o curador da exposição “O Império do Divino Espírito Santo no Médio Tejo”, fez algumas revelações inéditas sobre as suas investigações acerca do tema, durante a inauguração no Centro de Interpretação Templário Almourol (CITA), de Vila Nova da Barquinha, no dia 9 de junho.

O investigador revelou que 12 dos 13 concelhos da região do Médio Tejo “estão repletos de memórias do Império do Espírito Santo”. Excluiu apenas o Entroncamento por ser um concelho recente.

Para Manuel Gandra, a exposição sobre o Espírito Santo agora inaugurada “aparentemente é alheia à temática Templária”, mas “na realidade o tema Templário e a exposição são duas faces da mesma moeda”.

Na conferência de apresentação do catálogo que antecedeu a inauguração da exposição, o investigador sublinhou que “os Templários tinham objetivos materiais mas também espirituais que passavam pela criação de uma humanidade fraterna”.

“Este território, que era sobretudo Templário, tinha já essa componente espiritual presente mas tornou-se mais evidente quando entrou na história a Ordem de Cristo e adotou para si o Império do Espírito Santo”, explicou Manuel Gandra.

Já na exposição, que ocupa um dos corredores do CITA, os visitantes puderam apreciar medalhas, imagens, cartazes, livros antigos, entre uma série de objetos e documentos relacionados com o tema. Da região há referências a festas do Divino Espírito Santo em Sardoal, Alcanena e Meia Via, mas o destaque vai para a Festa dos Tabuleiros de Tomar.

Três das vitrinas estão preenchidas com objetos relativos ao culto do Divino Espírito Santo nos Açores, no Brasil e na América do Norte.

Manuel Gandra dispõe de muito mais peças sobre o tema mas dada a limitação de espaço teve de ser feita uma seleção criteriosa. No ar ficou a perspetiva de uma outra exposição.

Depois de agradecer a “colaboração inexcedível” de Manuel Gandra na exposição, o presidente da Câmara de Vila Nova da Barquinha falou do “projeto arrojado” do CITA numa lógica de identidade do território transversal a todo o Médio Tejo.

Fernando Freire recordou que existem no concelho dois castelos templários: Almourol e Zêzere, sendo que deste último há apenas alguns vestígios.

“Já está feito o levantamento de uma muralha medieval que se encontra a nascente”, e “gostaríamos de, no próximo ano, fazer escavações arqueológicas no local”, anunciou o autarca.

Referiu-se ainda à existência de um cais Templário junto ao rio Zêzere, levando o edil a acreditar que foi ali “que se iniciaram os descobrimentos portugueses”.

Também para Manuel Gandra “a expansão marítima portuguesa começou a partir do Zêzere e de Almourol, portanto, do que é hoje Vila Nova da Barquinha”. Foi o Comendador de Almourol Frei Gonçalo Velho quem descobriu as Ilhas de Santa Maria e de S. Miguel (Açores) que inicialmente se chamavam Almourol e Cardiga, segundo o investigador.

E terá sido desta região do Médio Tejo e nessa altura que o culto ao Divino Espírito Santo chegou aos Açores e depois às Américas.

A exposição “O Império do Divino Espírito Santo no Médio Tejo” vai estar patente até ao final do ano podendo ser visitada de segunda a sexta-feira das 9h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30 e aos sábados, domingos e feriados, das 10h00 às 13h00 e das 15h00 às 18h00.

in mediotejo.net por José Gaio


Por Rádio Hertz


IMPÉRIO DO DIVINO ESPÍRITO SANTO – VILA NOVA DA BARQUINHA 2019

Grão Priorado de Portugal – 25 anos

Posted on Updated on

A 27 de Março de 2019 comemoraram-se os 25 anos de actividade ininterrupta do Grão Priorado de Portugal da OSMTHU. Efectivamente, a memória ficou marcada por aquela apresentação em Montemor-o-Novo, no Convento de São Domingos, em que o Priorado se apresentou ao público, na Lua Cheia de Carneiro, após um ano de silencioso trabalho como grupo sob a orientação da Ordem no Brasil.

Nesse mesmo dia, o núcleo inicial dirigiu-se a Tomar onde, por absoluta fortuna, lhe foi facultado o acesso privado e fechado do Castelo de Almourol onde, ao por do sol, se iniciou a primeira cerimónia de armação do Priorado, que durou até bem entrada a madrugada sob uma abóbada celeste mais cintilante aquela noite, apesar da lua fulgurante que iluminava o pátio de armas como se fosse dia.

Fr+ Rui B e Luis de Matos (Prior) em Siguenza, Espanha, 1994

Muitos anos e muitas coisas acontecerem desde 1994. Não é este o memento de fazer historiografia de um grupo tão diminuto no contexto da linhagem de Fabré-Palaprat. Eu não sabia, ao ligar-me ao Grão Mestre Victor Franco, para responder à sua busca de encontro à fonte de Cavalaria que o tinha iniciado, iniciava eu uma demanda que me levaria a alguns dos locais e personagens fundamentais dos novos movimentos Templários na Europa e no mundo. Em busca dos que iniciaram Franco, passámos por Lyon, Paris, Londres, Roma, Santiago de Compostela e tantos outros lugares. No final não encontrámos os neo-Templários. Não. A seu devido tempo encontrámos a Ordem. Um dia essa história e todas as suas peripécias serão contadas. Ou talvez não seja necessário. Depressa percebi que o silêncio é o manto que melhor aconchega o Cavaleiro.

Luis de Matos

Prior do Priorado Geral de Portugal

Chanceler internacional da OSMTHU

O grupo dos 11 fundadores originais. Em memória de Fr+ Ilídio Henrique de Sousa; Fr+ Paulo Alexandre (Rebis) e Fr+ António Barcelos; Tomar 1994

Fr+ Luis de Matos (Prior) e Fr+ Victor Franco (Grão Mestre da OCMCT) em viagem a Lyon, em demanda do grupo original, 1995

Fr+ Luis de Matos (Prior) em visita ao Grão Priorado de Itália, com Fr+ António Paris (Prior e mais tarde Mestre da Ordem) no Mosteiro de Farfa di Sabina, Itália, 1997

Fr+ Luis de Matos (Prior) com D+ Patrícia Oyarzun (mais tarde Private Secretary to the Master) e Fr+ Fernando de Toro-Garland (Prior de Espanha e mais tarde Mestre), Castelo de Sant’Angelo, Roma, 1997

Cerimónia de tomada de posse de Fr+ Fernando de Toro-Garland como Mestre; da esquerda para a direita: Fr+ Nicolas Haimovici Hastier, Grande Comandante do ramo OSMTJ; Fr+ Giuseppe Bagnai, Prior de Itália; irmão sem identificação; Fr+ Luis de Matos, Prior de Portugal e Chanceler Internacional; Fr+ MacPhearson, Prior da Escócia; Fr+ Fernando de Toro-Garland, Mestre da Ordem ramo OSMTHU; Alcalá de Henares, Espanha, 1999

Comemorações da Batalha de Ourique e Homenagem a Afonso Henriques; Cerimónia conjunta entre a OSMTHU e a Ordem de São Miguel da Ala; presentes nas fotos, entre outros: Fr+ António Paris (Prior de Itália, mais tarde Mestre da Ordem); Fr+ Luis de Matos, Prior de Portugal e Chanceler Internacional; SAR D. Duarte de Bragança; Fr+ Fernando de Toro-Garland, Mestre da Ordem; Fr+ Nuno da Camara Pereira, Presidente da Mesa Mestral e Grande Comendador da Ordem de São Miguel da Ala; Ourique, Portugal, 2004

Malogrado Prior de Portugal, Fr+ Luis Barros com irmãos portugueses em visita aos Priorados de Inglaterra e de Itália; Londres e Roma, 2006

Entrevista à revista FOCUS, Lisboa 2008

Renovação da Carta Patente em 2010

Comemoração dos 25 anos do Priorado de Portugal da OSMTHU, Visita ao Convento de Cristo em Tomar, Tomar, Portugal, 2019

 

Castro Marim – Comemoração dos 700 anos da fundação da Ordem de Cristo

Posted on

Comemorar os 700 anos da Ordem de Cristo é uma alegria sem medida. Não é relembrar um momento no passado, é antes reafirmar um propósito e uma esperança no futuro.

Quero assim agradecer em meu nome, em nome da Ordem Soberana e Militar do Templo de Jerusalém Universal, como seu Chanceler internacional e Prior em Portugal, o convite da Câmara Municipal de Castro Marim – a que respondemos com entusiasmo – bem como a presença e colaboração dos muitos amigos, Irmãs e Irmãs e simples turistas que passavam e vieram saber de que tratava a agitação.

Gostaria de destacar, pelo conteúdo e qualidade, a intervenção do principal autor Português na temática Templária e da Portuguesia, Manuel J. Gandra, que destacou algumas das passagens mais reveladoras e até intrigantes da Bula de criação da Ordem de Cristo, em que se deixa clara a continuidade da do Templo, assunto sobre o qual muitos escrevem, mas poucos de facto concretizam.

Destaco igualmente o apoio permanente e verdadeira militância espiritual das Comendas do nosso Priorado e dos seus membros individualmente, que se viram desta vez apoiados pela visita de Irmãos e Irmãs de outros ramos da Ordem, quer do Algarve, quer mesmo de Espanha, num exemplo de cooperação e convívio fraternal até há pouco tempo inaudito, numa época em que tão facilmente caímos no erro de dividir o mundo em “nós” e “eles”. A todos o nosso agradecimento e aos visitantes, a certeza de que este foi o início de muitos projectos em que com eles contamos.

Sublinho o desempenho exemplar do nosso corpo litúrgico, liderado pelo Comendador de Lisboa e Bispo da Old Templar Church, apoiado nesta ocasião pelo Comendador de Laccobriga, pelos Grandes Oficias Preceptor e Hospitaleiro e demais Irmãos e Irmãs, que ficarão anónimos. Sabemos quem são, sentimos no profundo do coração o efeito do vosso trabalho.

Finalmente, terminando como comecei, sabendo bem o que custa organizar, gerir e montar um evento desta natureza num dos lugares maiores da nossa história, destaco o profissionalismo, o carinho e a paciência como a Câmara Municipal de Castro Marim nos recebeu, Agradeço ao Presidente Francisco Amaral, à sua Vice-Presidente Filomena Pascoal Sintra pela insuperável simpatia e atenção bem como a toda a equipa camarária, cujo esforço e dedicação não passou despercebido. Bem hajam.

Para o ano há que reavivar a memória. Castro Marim e a Ordem de Cristo são património de todos nós, todo o ano, Há que não o esquecer. Possamos ser dignos de tal herança.

Luis de Matos
Prior Geral
osmthu.org

Retiro de Outono 2018 – Tempo de Estudo e Festa

Posted on

Nos passados dias 23 e 24 de Novembro o Priorado de Portugal reuniu em Arraiolos os seus Comendadores, Cavaleiros e Damas e levou a cabo o Retiro de Outono de 2018 dedicado à formação inicial dos graus de Cavalaria.

A festa começou na realidade no dia 22 com um jantar organizado pelos Noviços da Comenda de Lisboa – Chagas, numa Sessão Solene de Encerramento de Instrução de Noviços, que decorreu em Lisboa e serviu de oportunidade para falar em ambiente de festa de todos os assuntos que não cabem numa reunião litúrgica normal. Como era de esperar, o convívio prolongou-se na noite, mesmo sem a presença do Comendador, Fr+ Luis Fonseca, retido em casa por uma febre inoportuna.

Tratou-se de uma digna preparação para o Retiro que se aproximava no dia seguinte em Arraiolos.

Foto: “As melhoras Comendador Fonseca!”

Sob os auspícios da Comenda de Arraiolos, o dia 23 iniciou-se com o jantar de convívio, a que se seguiu um debate sobre o Parsival na versão de Chretien de Troyes e o contexto histórico da elaboração deste romance seminal, relacionando-o nomeadamente com a Ordem de Cister e a Ordem do Templo, sem deixar de olhar à simultaneidade do surgimento da nação Portucalense. O debate foi longo e frutuoso. Com o trabalho ao redor dos capítulos iniciais do Persival, os segredos da Cavalaria forma-se revelando e a capa que cobre o conto como um véu foi dando lugar à visão clara das coisas.

No dia seguinte o grupo cresceu mais um pouco com a chegada do Grão Prior e de mais Comendadores, Damas e Cavaleiros e passou-se a um ambiente de sala de aula. Com recurso a apresentações visuais, mas igualmente ao imprescindível quadro para desenhar esquematicamente os assuntos que se iam desenrolando, o Prior de Portugal, Fr+ Luis de Matos e o Comendador de Lisboa, Fr+ Luis Fonseca – já mais recuperado dos últimos dias de febre – abordaram todos os fundamentos iniciáticos da Cavalaria Espiritual, integrando-os na história da tradicional Ordem do Templo, enquadrando-os com elementos da História de Portugal e das suas tradições e lendas, sempre com o Parsival e a Demanda do Santo Graal como pano de fundo.

Entre outros assuntos, esclareceu-se o fundamento teológico da Cavalaria, como mediadora entre os princípios iniciais expressos nas qualidades do Paraíso Perdido e o mundo real onde encontramos a injustiça e a falta de compaixão como regra; o fundamento simbólico da Cavalaria, com os diversos elementos de base geométrica, matemática e metafísica que compõem a ciência cavaleiresca e as regras com que esta procura decifrar o Universo, a posição do Homem e a sua relação com os outros seres e o Criador; terminando com o fundamento iniciático, de cariz mais interior e íntimo, mas verdadeiranente redentor e reintegrador.

Pela tarde do dia 24 juntaram-se os Noviços e Escudeiros que viriam a ser recebidos ou elevados na Ordem durante a celebração do Capítulo após o Banquete. Fizeram-se as apresentações, alguns Irmãos tomaram a palavra para contextualizar cada um dos graus da Ordem, bem como o quadro organizacional da OSMTHU nacional e internacional.

Pelas 20h o grupo foi recebido na Pousada do Convento de Nossa Senhora da Assunção de Arraiolos para um magnífico Banquete, em que se juntaram Cavaleiros, Damas, Escudeiros e Noviços e suas famílias, bem como alguns convidados. Honrou-nos com a sua presença o Grão Prior de Portugal da OSMTH, Fr+ António Andrade e sua esposa.

Foto: Mesa dos Grão Priores, Oficiais e Comendadores

Seguiu-se o Capítulo conjunto, presidido pelo Comendador de Lisboa – Chagas, Fr+ Luis Fonseca, a que se associaram os Comendadores de Sintra, Fr+ Paulo Valente, de Lagos, Fr+ Victor Varela Martins e de Arraiolos, Fr+ Rui Herdadinha, durante o qual se procedeu à recepção de uma Irmã Noviça, bem como à elevação de quatro Irmãos Escudeiros.

Ficam os parabéns e agradecimentos às Comendas que trabalharam em conjunto para a realização deste evento, particularmente aos esforços do Comendador Fr+ Rui Herdadinha que foi um excelente anfitrião.

Podemos precisar de si

Posted on Updated on

A situação dos incêndios tem-se vindo a agravar nos últimos dias. A OSMTHU já acompanhou com atenção e preocupação a tragédia que se abateu em 2017 sobre diversos pontos do país, reclamando vidas e incinerando vastas áreas, em especial na floresta das regiões Templárias do norte do Tejo e no histórico Pinhal de Leiria.

Este ano a Comenda de Lisboa – Colina das Chagas e a Comenda de Laccobriga (Lagos) desencadearam já algumas acções de voluntariado de apoio aos que, no terreno, lutam para extinguir a ameaça. Contudo, o tempo é imprevisível e as lições do passado mostram-nos como tudo pode mudar num par de horas. Pedimos assim aos leitores do Templar Globe especialmente vocacionados para o voluntariado (apoio às populações e forças oficiais na recolha e distribuição de alimentação, água e medicamentos), que entrem em contacto connosco, de modo a melhor podermos coordenar os esforços se a situação se vier a prolongar.

Coordenação: Fr+ Miguel José da Fabiana

Contacto: miguelfabiana@gmail.com

+351.917500402

osmthu.org

Nota importante: Por questões de segurança só são admitidas no teatro de operações organizações de voluntários reconhecidas pela Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC). O voluntariado civil deve terminar na entrega de bens nos quartéis de bombeiros, tal como o organizámos. Deve referir-se que as fotografias de membros da Ordem em pleno teatro de operações se referem a pessoas devidamente treinadas e certificadas no contexto de organizações reconhecidas pela Autoridade, designadamente a Associação de Protecção e Socorro (APROSOC). São desaconselháveis iniciativas individuais desenquadradas, as quais se revestem de um risco inútil. Antes de partir para o terreno, deverão conferir dados com o vosso Comendador.


NA MEDIA

PÚBLICO

JORNAL DE NOTÍCIAS

SIC NOTÍCIAS


ACTUALIZAÇÃO Agosto 7, 22:42

Um novo carro com mantimentos foi enviado para o teatro de operações. O centro de coordenação logística da Ordem está localizado no Quartel de Bombeiros de Portimão. Perguntar por João Pedro Silva.

Amanhã, Agosto 8, o Comendador Victor Varela Martins estará disponível desde a manhã até ao final da tarde a recolher garrafas de água, barras de energia e medicamentos enquanto viaja de Madrid, por Toledo, Talavera de la Reina, Mérida e Badajoz até Évora. Espera encontrar-se com os Comendadores de Sintra e de de Arraiolos em Évora pelas 18:00. Se desejar encontrá-lo pode usar o seu telemóvel: Comendador Victor Varela Martins: +351.93.701.78.36

ACTUALIZAÇÃO Agosto 7, 23:35

Com a chegada ao teatro de operações os primeiros comentários são desoladores:

“Chovem fagulhas em chamas. As bermas da estrada pegam fogo instantaneamente. São centenas de pequenos pontos a arder por todo o lado. Os pontos de fogo são 100 vezes superiores aos meios disponíveis. É um combate desigual. Só resta defender e resistir. Deus nos proteja.”

(…) “Acabámos de dar telemóvel a um pobre desprotegido que mora aqui perto da linha do fogo e não tinha como contactar a família. Ajudar também é isto.” (Fr+ João Pedro Silva, KTJ)

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 06:47

Novo relatório da frente de operações:

“Terminamos a missão em segurança. Passamos a noite a distribuir comida e água. A situação parece mais calma. Do caos às 23h passamos para grande acalmia de madrugada. O vento é muito forte mas as temperaturas caíram drasticamente. Esperemos que não hajam reacendimentos ao longo do dia.” (Fr+ João Pedro Silva, KTJ)

Fr+ João Pedro Silva, KTJ e Irmão Fernando Miranda

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 12:03

Novo relatório da frente de operações:

“Saímos do teatro de operações às 7h convencidos que o problema estava finalmente dominado. Infelizmente já há notícias de reacendimentos intensos e uma nova frente de fogo. É o vento. Está infernal. Porque a temperatura de madrugada rondou os 12 graus e não é por aí. É um pesadelo sem fim. Esta noite assisti a múltiplas ignições espontâneas, do nada, ao mesmo tempo e perto de mim. Parecem pequenos cogumelos de fogo a nascerem sozinhos. Não foi fogo posto. Não foram projeções. O que é eu não sei mas aquilo parece que está vivo. Qualquer teoria que tenhamos sobre esta matéria é pura especulação. Isto é algo inenarrável.” (Fr+ João Pedro Silva, KTJ)

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 12:05

Depois de iniciar a sua viagem em Madrid, o Comendador de Lagos, Victor Varela Martins, chega a Toledo onde recolhe donativos em género coordenado com os nossos amigos do Grupo Sigillum Templi (especial obrigado ao Victor Alfonso Padilla Nieto).

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 12:30

Fr+ Jorge Amador, KTJ partilha fotos do combate às chamas da noite anterior e da manhã deste dia.

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 13:19

O Comendador Paulo Valente de Sintra confirma ter feito a recolha de donativos em género em Elvas.

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 14:30

Os Comendadores Paulo Valente de Sintra e Rui Herdadinha de Arraiolos iniciam as operações de recolha de donativos em género no ponto logístico seleccionado em Évora.

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 18:00

Comendador Victor Varela Martins junta-se à equipa já em Évora para prepara a carga e arrancar em direcção a Portimão.

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 18:43

Incêndio chega a Enxerim, às portas de Silves. O fogo progrediu por vários cerros a partir da Barragem de Odelouca (+30km).

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 20:03

Pedido do Comendador de Lagos:

“Eu e o irmão Rui Herdadinha estamos a caminho dos Bombeiros de Silves com uma carrinha cheia de bens para ajuda aos bombeiros. Algum irmão com disponibilidade para ir ajudar??? Chegaremos pelas 21 e pouco.” (Fr+ Victor Varela Martins, KCTJ)

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 21:50

Chegada ao Quartel de Bombeiros de Silves e descarga.

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 23:02

Entrevista em directo do Comendador de Arraiolos, Rui Herdadinha, à Antena 1.

ACTUALIZAÇÃO Agosto 9, 00:00

A Ordem deseja agradecer a todos os Irmãos e Irmãs que mostraram a sua fibra, imaginando, organizando e colocando no terreno esta curta operação num espaço de tempo record. Salienta-se que todos regressaram a casa a salvo e sem incidentes. O modo como as redes sociais foram accionadas, designadamente os grupos de Facebook da Ordem e dos nossos Irmãos e amigos de todo o mundo, permitiu que todos tivéssemos a oportunidade de participar e contribuir para o êxito, desde a retaguarda ao próprio teatro de operações. Cremos que é um exemplo único e a primeira vez que tal acontece, tanto em extensão como em interacção no mundo Templário contemporâneo, o que vem mostrar mais uma vez como a Ordem continua relevante hoje, se estivermos prontos e disponíveis.

A todos, um agradecimento profundo.

Luis de Matos
Prior Geral de Portugal
Chanceler Internacional da OSMTHU


CRÉDITOS DA OPERAÇÃO*

Coordenação (em vários momentos e frentes):

Fr+ Paulo Valente, KCTJ
Fr+ Victor Varela Martins, KCTJ
Fr+ Rui Herdadinha, KCTJ
Fr+ João Pedro Silva, KTJ
Fr+ Miguel da Fabiana, KTJ

Voluntariado:
D+ Catarina Silva, DTJ
Fr+ Jorge Amador, KTJ
Fr+ Filipe Silva, KTJ
D+ Paula Valente, DTJ
Fr+ Pedro Bernardo, KTJ
Irmã Ana Martins
Irmão Fernando Miranda
Irmão Filipe Beja Simões
Irmão Hugo Guerreiro
Irmão Luís Neto
Irmão Paulo Menegucci
Irmão Tiago Sério
Postulante Carlos Walcher
Postulante Luis Almeida
Arsénio Miguel Condaça Lérias
David Manuel Freitas Chambel
Diogo José Macau Soares
Élsio José Campaniço Leocádio
Emanuel José Semedo Piteira
Fábio Manuel Tavares Mendes
Francisco Manuel Carmo Gemito
José Manuel Da Silva Rosado
Murillo Henrique Vieira da Silva
Miguel Ângelo Barbosa Catambas
Ruben Filipe Letras Vermelho

Contribuições:
Fr+ Luis Fonseca, KCTJ
Fr+ Luis de Matos, KGCTJ
Irmão José Carlos Mateus

Agradecimentos:
A. J. Salvadinha II, Lda.
Agroreparadora lda
Alma de Muralha
Armazem 8
BUSF
Diana Peças Lda
Farmácia Évora
Fr+ Francisco Miguel Fernandez, OSMTH – Toledo
Fresenius Farmaceutica
Hidro Portugal Lda
JB Santana
Land Rover Évora
NautiEvora
Rurambiente
Sagres
Tintas Barbot
UniLubes Lda
Victor Alfonso Padilla Nieto
Fr+ Victor Mayenco
VitalAire Lda