em Português

Grão Priorado de Portugal – 25 anos

Posted on Updated on

A 27 de Março de 2019 comemoraram-se os 25 anos de actividade ininterrupta do Grão Priorado de Portugal da OSMTHU. Efectivamente, a memória ficou marcada por aquela apresentação em Montemor-o-Novo, no Convento de São Domingos, em que o Priorado se apresentou ao público, na Lua Cheia de Carneiro, após um ano de silencioso trabalho como grupo sob a orientação da Ordem no Brasil.

Nesse mesmo dia, o núcleo inicial dirigiu-se a Tomar onde, por absoluta fortuna, lhe foi facultado o acesso privado e fechado do Castelo de Almourol onde, ao por do sol, se iniciou a primeira cerimónia de armação do Priorado, que durou até bem entrada a madrugada sob uma abóbada celeste mais cintilante aquela noite, apesar da lua fulgurante que iluminava o pátio de armas como se fosse dia.

Fr+ Rui B e Luis de Matos (Prior) em Siguenza, Espanha, 1994

Muitos anos e muitas coisas acontecerem desde 1994. Não é este o memento de fazer historiografia de um grupo tão diminuto no contexto da linhagem de Fabré-Palaprat. Eu não sabia, ao ligar-me ao Grão Mestre Victor Franco, para responder à sua busca de encontro à fonte de Cavalaria que o tinha iniciado, iniciava eu uma demanda que me levaria a alguns dos locais e personagens fundamentais dos novos movimentos Templários na Europa e no mundo. Em busca dos que iniciaram Franco, passámos por Lyon, Paris, Londres, Roma, Santiago de Compostela e tantos outros lugares. No final não encontrámos os neo-Templários. Não. A seu devido tempo encontrámos a Ordem. Um dia essa história e todas as suas peripécias serão contadas. Ou talvez não seja necessário. Depressa percebi que o silêncio é o manto que melhor aconchega o Cavaleiro.

Luis de Matos

Prior do Priorado Geral de Portugal

Chanceler internacional da OSMTHU

O grupo dos 11 fundadores originais. Em memória de Fr+ Ilídio Henrique de Sousa; Fr+ Paulo Alexandre (Rebis) e Fr+ António Barcelos; Tomar 1994

Fr+ Luis de Matos (Prior) e Fr+ Victor Franco (Grão Mestre da OCMCT) em viagem a Lyon, em demanda do grupo original, 1995

Fr+ Luis de Matos (Prior) em visita ao Grão Priorado de Itália, com Fr+ António Paris (Prior e mais tarde Mestre da Ordem) no Mosteiro de Farfa di Sabina, Itália, 1997

Fr+ Luis de Matos (Prior) com D+ Patrícia Oyarzun (mais tarde Private Secretary to the Master) e Fr+ Fernando de Toro-Garland (Prior de Espanha e mais tarde Mestre), Castelo de Sant’Angelo, Roma, 1997

Cerimónia de tomada de posse de Fr+ Fernando de Toro-Garland como Mestre; da esquerda para a direita: Fr+ Nicolas Haimovici Hastier, Grande Comandante do ramo OSMTJ; Fr+ Giuseppe Bagnai, Prior de Itália; irmão sem identificação; Fr+ Luis de Matos, Prior de Portugal e Chanceler Internacional; Fr+ MacPhearson, Prior da Escócia; Fr+ Fernando de Toro-Garland, Mestre da Ordem ramo OSMTHU; Alcalá de Henares, Espanha, 1999

Comemorações da Batalha de Ourique e Homenagem a Afonso Henriques; Cerimónia conjunta entre a OSMTHU e a Ordem de São Miguel da Ala; presentes nas fotos, entre outros: Fr+ António Paris (Prior de Itália, mais tarde Mestre da Ordem); Fr+ Luis de Matos, Prior de Portugal e Chanceler Internacional; SAR D. Duarte de Bragança; Fr+ Fernando de Toro-Garland, Mestre da Ordem; Fr+ Nuno da Camara Pereira, Presidente da Mesa Mestral e Grande Comendador da Ordem de São Miguel da Ala; Ourique, Portugal, 2004

Malogrado Prior de Portugal, Fr+ Luis Barros com irmãos portugueses em visita aos Priorados de Inglaterra e de Itália; Londres e Roma, 2006

Entrevista à revista FOCUS, Lisboa 2008

Renovação da Carta Patente em 2010

Comemoração dos 25 anos do Priorado de Portugal da OSMTHU, Visita ao Convento de Cristo em Tomar, Tomar, Portugal, 2019

 

Castro Marim – Comemoração dos 700 anos da fundação da Ordem de Cristo

Posted on

Comemorar os 700 anos da Ordem de Cristo é uma alegria sem medida. Não é relembrar um momento no passado, é antes reafirmar um propósito e uma esperança no futuro.

Quero assim agradecer em meu nome, em nome da Ordem Soberana e Militar do Templo de Jerusalém Universal, como seu Chanceler internacional e Prior em Portugal, o convite da Câmara Municipal de Castro Marim – a que respondemos com entusiasmo – bem como a presença e colaboração dos muitos amigos, Irmãs e Irmãs e simples turistas que passavam e vieram saber de que tratava a agitação.

Gostaria de destacar, pelo conteúdo e qualidade, a intervenção do principal autor Português na temática Templária e da Portuguesia, Manuel J. Gandra, que destacou algumas das passagens mais reveladoras e até intrigantes da Bula de criação da Ordem de Cristo, em que se deixa clara a continuidade da do Templo, assunto sobre o qual muitos escrevem, mas poucos de facto concretizam.

Destaco igualmente o apoio permanente e verdadeira militância espiritual das Comendas do nosso Priorado e dos seus membros individualmente, que se viram desta vez apoiados pela visita de Irmãos e Irmãs de outros ramos da Ordem, quer do Algarve, quer mesmo de Espanha, num exemplo de cooperação e convívio fraternal até há pouco tempo inaudito, numa época em que tão facilmente caímos no erro de dividir o mundo em “nós” e “eles”. A todos o nosso agradecimento e aos visitantes, a certeza de que este foi o início de muitos projectos em que com eles contamos.

Sublinho o desempenho exemplar do nosso corpo litúrgico, liderado pelo Comendador de Lisboa e Bispo da Old Templar Church, apoiado nesta ocasião pelo Comendador de Laccobriga, pelos Grandes Oficias Preceptor e Hospitaleiro e demais Irmãos e Irmãs, que ficarão anónimos. Sabemos quem são, sentimos no profundo do coração o efeito do vosso trabalho.

Finalmente, terminando como comecei, sabendo bem o que custa organizar, gerir e montar um evento desta natureza num dos lugares maiores da nossa história, destaco o profissionalismo, o carinho e a paciência como a Câmara Municipal de Castro Marim nos recebeu, Agradeço ao Presidente Francisco Amaral, à sua Vice-Presidente Filomena Pascoal Sintra pela insuperável simpatia e atenção bem como a toda a equipa camarária, cujo esforço e dedicação não passou despercebido. Bem hajam.

Para o ano há que reavivar a memória. Castro Marim e a Ordem de Cristo são património de todos nós, todo o ano, Há que não o esquecer. Possamos ser dignos de tal herança.

Luis de Matos
Prior Geral
osmthu.org

Retiro de Outono 2018 – Tempo de Estudo e Festa

Posted on

Nos passados dias 23 e 24 de Novembro o Priorado de Portugal reuniu em Arraiolos os seus Comendadores, Cavaleiros e Damas e levou a cabo o Retiro de Outono de 2018 dedicado à formação inicial dos graus de Cavalaria.

A festa começou na realidade no dia 22 com um jantar organizado pelos Noviços da Comenda de Lisboa – Chagas, numa Sessão Solene de Encerramento de Instrução de Noviços, que decorreu em Lisboa e serviu de oportunidade para falar em ambiente de festa de todos os assuntos que não cabem numa reunião litúrgica normal. Como era de esperar, o convívio prolongou-se na noite, mesmo sem a presença do Comendador, Fr+ Luis Fonseca, retido em casa por uma febre inoportuna.

Tratou-se de uma digna preparação para o Retiro que se aproximava no dia seguinte em Arraiolos.

Foto: “As melhoras Comendador Fonseca!”

Sob os auspícios da Comenda de Arraiolos, o dia 23 iniciou-se com o jantar de convívio, a que se seguiu um debate sobre o Parsival na versão de Chretien de Troyes e o contexto histórico da elaboração deste romance seminal, relacionando-o nomeadamente com a Ordem de Cister e a Ordem do Templo, sem deixar de olhar à simultaneidade do surgimento da nação Portucalense. O debate foi longo e frutuoso. Com o trabalho ao redor dos capítulos iniciais do Persival, os segredos da Cavalaria forma-se revelando e a capa que cobre o conto como um véu foi dando lugar à visão clara das coisas.

No dia seguinte o grupo cresceu mais um pouco com a chegada do Grão Prior e de mais Comendadores, Damas e Cavaleiros e passou-se a um ambiente de sala de aula. Com recurso a apresentações visuais, mas igualmente ao imprescindível quadro para desenhar esquematicamente os assuntos que se iam desenrolando, o Prior de Portugal, Fr+ Luis de Matos e o Comendador de Lisboa, Fr+ Luis Fonseca – já mais recuperado dos últimos dias de febre – abordaram todos os fundamentos iniciáticos da Cavalaria Espiritual, integrando-os na história da tradicional Ordem do Templo, enquadrando-os com elementos da História de Portugal e das suas tradições e lendas, sempre com o Parsival e a Demanda do Santo Graal como pano de fundo.

Entre outros assuntos, esclareceu-se o fundamento teológico da Cavalaria, como mediadora entre os princípios iniciais expressos nas qualidades do Paraíso Perdido e o mundo real onde encontramos a injustiça e a falta de compaixão como regra; o fundamento simbólico da Cavalaria, com os diversos elementos de base geométrica, matemática e metafísica que compõem a ciência cavaleiresca e as regras com que esta procura decifrar o Universo, a posição do Homem e a sua relação com os outros seres e o Criador; terminando com o fundamento iniciático, de cariz mais interior e íntimo, mas verdadeiranente redentor e reintegrador.

Pela tarde do dia 24 juntaram-se os Noviços e Escudeiros que viriam a ser recebidos ou elevados na Ordem durante a celebração do Capítulo após o Banquete. Fizeram-se as apresentações, alguns Irmãos tomaram a palavra para contextualizar cada um dos graus da Ordem, bem como o quadro organizacional da OSMTHU nacional e internacional.

Pelas 20h o grupo foi recebido na Pousada do Convento de Nossa Senhora da Assunção de Arraiolos para um magnífico Banquete, em que se juntaram Cavaleiros, Damas, Escudeiros e Noviços e suas famílias, bem como alguns convidados. Honrou-nos com a sua presença o Grão Prior de Portugal da OSMTH, Fr+ António Andrade e sua esposa.

Foto: Mesa dos Grão Priores, Oficiais e Comendadores

Seguiu-se o Capítulo conjunto, presidido pelo Comendador de Lisboa – Chagas, Fr+ Luis Fonseca, a que se associaram os Comendadores de Sintra, Fr+ Paulo Valente, de Lagos, Fr+ Victor Varela Martins e de Arraiolos, Fr+ Rui Herdadinha, durante o qual se procedeu à recepção de uma Irmã Noviça, bem como à elevação de quatro Irmãos Escudeiros.

Ficam os parabéns e agradecimentos às Comendas que trabalharam em conjunto para a realização deste evento, particularmente aos esforços do Comendador Fr+ Rui Herdadinha que foi um excelente anfitrião.

Podemos precisar de si

Posted on Updated on

A situação dos incêndios tem-se vindo a agravar nos últimos dias. A OSMTHU já acompanhou com atenção e preocupação a tragédia que se abateu em 2017 sobre diversos pontos do país, reclamando vidas e incinerando vastas áreas, em especial na floresta das regiões Templárias do norte do Tejo e no histórico Pinhal de Leiria.

Este ano a Comenda de Lisboa – Colina das Chagas e a Comenda de Laccobriga (Lagos) desencadearam já algumas acções de voluntariado de apoio aos que, no terreno, lutam para extinguir a ameaça. Contudo, o tempo é imprevisível e as lições do passado mostram-nos como tudo pode mudar num par de horas. Pedimos assim aos leitores do Templar Globe especialmente vocacionados para o voluntariado (apoio às populações e forças oficiais na recolha e distribuição de alimentação, água e medicamentos), que entrem em contacto connosco, de modo a melhor podermos coordenar os esforços se a situação se vier a prolongar.

Coordenação: Fr+ Miguel José da Fabiana

Contacto: miguelfabiana@gmail.com

+351.917500402

osmthu.org

Nota importante: Por questões de segurança só são admitidas no teatro de operações organizações de voluntários reconhecidas pela Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC). O voluntariado civil deve terminar na entrega de bens nos quartéis de bombeiros, tal como o organizámos. Deve referir-se que as fotografias de membros da Ordem em pleno teatro de operações se referem a pessoas devidamente treinadas e certificadas no contexto de organizações reconhecidas pela Autoridade, designadamente a Associação de Protecção e Socorro (APROSOC). São desaconselháveis iniciativas individuais desenquadradas, as quais se revestem de um risco inútil. Antes de partir para o terreno, deverão conferir dados com o vosso Comendador.


NA MEDIA

PÚBLICO

JORNAL DE NOTÍCIAS

SIC NOTÍCIAS


ACTUALIZAÇÃO Agosto 7, 22:42

Um novo carro com mantimentos foi enviado para o teatro de operações. O centro de coordenação logística da Ordem está localizado no Quartel de Bombeiros de Portimão. Perguntar por João Pedro Silva.

Amanhã, Agosto 8, o Comendador Victor Varela Martins estará disponível desde a manhã até ao final da tarde a recolher garrafas de água, barras de energia e medicamentos enquanto viaja de Madrid, por Toledo, Talavera de la Reina, Mérida e Badajoz até Évora. Espera encontrar-se com os Comendadores de Sintra e de de Arraiolos em Évora pelas 18:00. Se desejar encontrá-lo pode usar o seu telemóvel: Comendador Victor Varela Martins: +351.93.701.78.36

ACTUALIZAÇÃO Agosto 7, 23:35

Com a chegada ao teatro de operações os primeiros comentários são desoladores:

“Chovem fagulhas em chamas. As bermas da estrada pegam fogo instantaneamente. São centenas de pequenos pontos a arder por todo o lado. Os pontos de fogo são 100 vezes superiores aos meios disponíveis. É um combate desigual. Só resta defender e resistir. Deus nos proteja.”

(…) “Acabámos de dar telemóvel a um pobre desprotegido que mora aqui perto da linha do fogo e não tinha como contactar a família. Ajudar também é isto.” (Fr+ João Pedro Silva, KTJ)

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 06:47

Novo relatório da frente de operações:

“Terminamos a missão em segurança. Passamos a noite a distribuir comida e água. A situação parece mais calma. Do caos às 23h passamos para grande acalmia de madrugada. O vento é muito forte mas as temperaturas caíram drasticamente. Esperemos que não hajam reacendimentos ao longo do dia.” (Fr+ João Pedro Silva, KTJ)

Fr+ João Pedro Silva, KTJ e Irmão Fernando Miranda

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 12:03

Novo relatório da frente de operações:

“Saímos do teatro de operações às 7h convencidos que o problema estava finalmente dominado. Infelizmente já há notícias de reacendimentos intensos e uma nova frente de fogo. É o vento. Está infernal. Porque a temperatura de madrugada rondou os 12 graus e não é por aí. É um pesadelo sem fim. Esta noite assisti a múltiplas ignições espontâneas, do nada, ao mesmo tempo e perto de mim. Parecem pequenos cogumelos de fogo a nascerem sozinhos. Não foi fogo posto. Não foram projeções. O que é eu não sei mas aquilo parece que está vivo. Qualquer teoria que tenhamos sobre esta matéria é pura especulação. Isto é algo inenarrável.” (Fr+ João Pedro Silva, KTJ)

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 12:05

Depois de iniciar a sua viagem em Madrid, o Comendador de Lagos, Victor Varela Martins, chega a Toledo onde recolhe donativos em género coordenado com os nossos amigos do Grupo Sigillum Templi (especial obrigado ao Victor Alfonso Padilla Nieto).

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 12:30

Fr+ Jorge Amador, KTJ partilha fotos do combate às chamas da noite anterior e da manhã deste dia.

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 13:19

O Comendador Paulo Valente de Sintra confirma ter feito a recolha de donativos em género em Elvas.

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 14:30

Os Comendadores Paulo Valente de Sintra e Rui Herdadinha de Arraiolos iniciam as operações de recolha de donativos em género no ponto logístico seleccionado em Évora.

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 18:00

Comendador Victor Varela Martins junta-se à equipa já em Évora para prepara a carga e arrancar em direcção a Portimão.

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 18:43

Incêndio chega a Enxerim, às portas de Silves. O fogo progrediu por vários cerros a partir da Barragem de Odelouca (+30km).

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 20:03

Pedido do Comendador de Lagos:

“Eu e o irmão Rui Herdadinha estamos a caminho dos Bombeiros de Silves com uma carrinha cheia de bens para ajuda aos bombeiros. Algum irmão com disponibilidade para ir ajudar??? Chegaremos pelas 21 e pouco.” (Fr+ Victor Varela Martins, KCTJ)

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 21:50

Chegada ao Quartel de Bombeiros de Silves e descarga.

ACTUALIZAÇÃO Agosto 8, 23:02

Entrevista em directo do Comendador de Arraiolos, Rui Herdadinha, à Antena 1.

ACTUALIZAÇÃO Agosto 9, 00:00

A Ordem deseja agradecer a todos os Irmãos e Irmãs que mostraram a sua fibra, imaginando, organizando e colocando no terreno esta curta operação num espaço de tempo record. Salienta-se que todos regressaram a casa a salvo e sem incidentes. O modo como as redes sociais foram accionadas, designadamente os grupos de Facebook da Ordem e dos nossos Irmãos e amigos de todo o mundo, permitiu que todos tivéssemos a oportunidade de participar e contribuir para o êxito, desde a retaguarda ao próprio teatro de operações. Cremos que é um exemplo único e a primeira vez que tal acontece, tanto em extensão como em interacção no mundo Templário contemporâneo, o que vem mostrar mais uma vez como a Ordem continua relevante hoje, se estivermos prontos e disponíveis.

A todos, um agradecimento profundo.

Luis de Matos
Prior Geral de Portugal
Chanceler Internacional da OSMTHU


CRÉDITOS DA OPERAÇÃO*

Coordenação (em vários momentos e frentes):

Fr+ Paulo Valente, KCTJ
Fr+ Victor Varela Martins, KCTJ
Fr+ Rui Herdadinha, KCTJ
Fr+ João Pedro Silva, KTJ
Fr+ Miguel da Fabiana, KTJ

Voluntariado:
D+ Catarina Silva, DTJ
Fr+ Jorge Amador, KTJ
Fr+ Filipe Silva, KTJ
D+ Paula Valente, DTJ
Fr+ Pedro Bernardo, KTJ
Irmã Ana Martins
Irmão Fernando Miranda
Irmão Filipe Beja Simões
Irmão Hugo Guerreiro
Irmão Luís Neto
Irmão Paulo Menegucci
Irmão Tiago Sério
Postulante Carlos Walcher
Postulante Luis Almeida
Arsénio Miguel Condaça Lérias
David Manuel Freitas Chambel
Diogo José Macau Soares
Élsio José Campaniço Leocádio
Emanuel José Semedo Piteira
Fábio Manuel Tavares Mendes
Francisco Manuel Carmo Gemito
José Manuel Da Silva Rosado
Murillo Henrique Vieira da Silva
Miguel Ângelo Barbosa Catambas
Ruben Filipe Letras Vermelho

Contribuições:
Fr+ Luis Fonseca, KCTJ
Fr+ Luis de Matos, KGCTJ
Irmão José Carlos Mateus

Agradecimentos:
A. J. Salvadinha II, Lda.
Agroreparadora lda
Alma de Muralha
Armazem 8
BUSF
Diana Peças Lda
Farmácia Évora
Fr+ Francisco Miguel Fernandez, OSMTH – Toledo
Fresenius Farmaceutica
Hidro Portugal Lda
JB Santana
Land Rover Évora
NautiEvora
Rurambiente
Sagres
Tintas Barbot
UniLubes Lda
Victor Alfonso Padilla Nieto
Fr+ Victor Mayenco
VitalAire Lda

 

 

 

JORNADAS TEMPLÁRIAS PARA O CONHECIMENTO ECUMÉNICO

Posted on Updated on

As “Jornadas Templárias para o Conhecimento Ecuménico” decorreram nos passados dias 13, 14 e 15 de Abril/2018, em Lagos, no Algarve.

 

As Jornadas constituíram-se de um “Trivium”:

A – Integrando um conjunto de actividades, constituindo-se de uma “Feira de Cultura Regional”, com área expositiva da Ordem dos Templários, feira-do-livro, artesanato, doçaria regional e conventual; que decorreu no Armazém Regimental nos dias 13, 14 e 15.

B – Assim como, no dia 14, sábado, realizaram-se as Jornadas do Conhecimento propriamente ditas, no Auditório do Edifício da Câmara Municipal – Lagos Séc.XXI, entre as 09:30 e as 18:30, com um conjunto de palestras, por Dignitários convidados, que abordaram o tema proposto na perspectiva da corrente doutrinária, filosófica, sociológica, espiritual ou religiosa que professada por cada um dos ilustres convidados.

Cada prelecção durou até 40 minutos, em que o orador respectivo expôs a sua comunicação dentro do Tema escolhido para este Ano – Esperança e Caridade. As comunicações não foram sujeitas a período de perguntas nem a contraditório, procurando-se a construção de um Conhecimento Ecuménico, pelo reconhecimento e aceitação da diferença, a partilha de realidades, a abertura pelo entendimento a diferentes Verdades.

A abertura dos trabalhos decorreu com uma actuação musical, pelo Grupo Coral de Lagos, com trechos medievais dos Séc. XIV e XV.

As Jornadas Templárias tiveram entrada livre a Toda a Comunidade e Organizações. Todos foram muito bem-vindos.

A Organização esteve a cargo da Comenda de Laccobriga e contou com o alto-patrocínio da OSMTHU – Priorado Ibérico da Ordem do Templo, o apoio da Associação Lagoriente – Al-Gharb, da Associação Grupo Coral de Lagos, do Exército Português, da Junta de Freguesia de São Gonçalo de Lagos e da Câmara Municipal de Lagos, assim como o apoio de diversas Organizações da Sociedade Civil nacional.

Objectiva-se a elaboração de um resumo das comunicações das Jornadas, bem como a elaboração da Acta das Jornadas Templárias, com o objectivo final de publicação deste conhecimento e a divulgação do mesmo junto de diversos Organismos da Sociedade, assim como a sua difusão dentro da Ordem do Templo.

Foram convidados oradores representantes de Confissões Religiosas, de Instituições étnicas e convidados da sociedade civil, nomeadamente:

Igreja Católica Romana, Maçonaria Regular, Judaismo, Peregrinos de Santiago, Entidades de Solidariedade Social, Templários e Investigadores Académicos.

Considerando-se que este é um tema central, quer no ternário das virtudes teologais: Fé, Esperança e Caridade; quer na constelação mítica e histórica da identidade portuguesa; eis então o motivo primeiro da escolha do tema para esta primeira edição das Jornadas Templárias para o Conhecimento Ecuménico. Pelo que a Comenda de Laccobriga da OSMTHU deseja, desta forma, poder inculcar a semente em Todos aqueles que, durante este dia, buscaram o conhecimento ecuménico, a aceitação e a partilha, caminhando para um mundo melhor, mais fraterno, de paz, em que os valores crísticos sejam a bandeira que possamos elevar bem alto.

C – No dia 15, domingo, pela manhã, decorreu uma cerimónia solene, interna à Ordem mas aberta a todos os Irmãos de todos os Ramos Templários; chamamento que, de forma fraternal, teve eco e que, nesta celebração eucarística da Igreja Joanita Templária, a Egrégora saiu reforçada, os Irmãos preencheram os seus corações e cumprimos  mais uma etapa deste Caminho para a missão a que nos haviam incumbido.

Arrolamos aqui também, outra trindade, entre o Infante Henrique de Sagres, el-Rei Dom Sebastião e a Rainha Santa Isabel de Portugal. Ainda que vindos por caminhos diferentes, encontrar-se-iam ao centro, fundindo, num só, dois aspectos complementares da espiritualidade portuguesa. Pelo caminho de Sebastião vinha a esperança no resgate  espiritual e temporal do povo português. Pelo de Isabel, a universalidade do amor, aspecto central no impulso da dádiva e da caridade. Teríamos, então, a Esperança e a Caridade. E, de Henrique, o Navegador, temos esta bela terra de Laccobriga, capital de antanho do Reino do Algarve, sede deste caminho para Ocidente em busca do Oriente, herdeira do entreposto marítimo na demanda da Jerusalém.

Resta-nos, agradecendo a participação de todos, a Todos convidar e vincular para as segundas Jornadas Templárias para o Conhecimento Ecuménico, a realizar em 2019, em Lagos. Juntai-vos a Nós neste desígnio que a Todos nos envolve.

No nobis Domini, no nobis, sed Nomini Tuo da Glóriam

A Todos Vós, meus irmãos, Boas Jornadas.

 

PROGRAMA ::

 

+ Dr Luis de Matos, Prior Geral do Priorado Ibérico O::S::M::T::H::U::

+ Prof. Manuel Gandra, Apresentação do Livro: Alquimia

+ Dr Joaquim Jorge, Presidente da AMAYUR – Ayurveda

+ Dr Jaime Ramos, Presidente da Fundação A.D.F.P.

+ Pe José Manuel, Pároco da Praia-da-Luz

+ Drª Isabel Quirino, Psicóloga, Peregrina dos Cam. de Santiago

+ Ms Susana Karina, Tese Mestrado – Memórias de Santiago

+ Prof. Manuel Gandra, Filósofo, Investigador e Autor

+ Dr Luis Fonseca, Deputado Mestre em Portugal do G:.P:.R:.D:.H:.

Almoço de Reis 2018

Posted on

Realizou-se em Sintra o Almoço de Reis do Priorado de Portugal da OSMTHU, evento que abriu as actividades da Ordem para o ano de 2018.

O almoço foi presidido por Luis de Matos, Prior Geral coadjuvado pelos Comendadores de Sintra, Fr+ Paulo Valente KCTJ, Comendador de Lisboa – Colina das Chagas, Fr+ Luis Fonseca KCTJ, in Ecclesia Mons. Tau Christoforus de Lusignan e Comendador do Condado de Arraiolos, Fr+ Rui Herdadinha KCTJ, estando presentes ainda vários irmãos, irmãs, família e convidados.

Como é habitual, além do convívio, da conversa fraterna, da brincadeira costumeira em encontros como o nosso, o Almoço teve um tema sobre o qual se pôde reflectir e fazer alguma instrução de Cavalaria. Sendo dia de Reis, falou-se dos Reis Magos. Contudo, de todas as figuras tradicionais no Presépio, o foco foi colocado o Jumento. De facto, o mais esquecidos dos animais da Natividade tem muito que ensinar. Juntamente com o Bovino (que sublinha a letra B e a força criadora seminal), o Jumento (que sublinha a letra J e a força dócil e suave) expressa a dualidade que venera o Menino na manjedoura. O Jumento não apenas foi fundamental na fuga para o Egipto, como teve ainda um papel central no reconhecimento de Jesus como o Messias (e por isso o Ungido, ou Crestos). De facto, embora a tradição coloque Jesus num cavalo a caminho da Cidade Santa, ao chegar à porta da cidade desmontou e mandou que se buscasse um jumento para que nele montasse antes de entrar na cidade. Era esse o sinal designado por Isaías, que selava a profecia e dava a conhecer o Esperado.

A montada do guerreiro é o cavalo, que nos aparece como sendo branco em muitas histórias. Mas o Sábio apresenta-se num burrico. A dicotomia Cavalo/Jumento é a do Guerreiro/Monge. O clássico de Cervantes “D. Quixote de La Mancha” mostra-nos bem como o idealismo por vezes alucinado de Quixote do alto do seu cavalo Roncinante é equilibrado pela ligação à realidade imediata de Sancho Pança, que, fiel companheiro, como um eco da consciência interior, o segue no seu burrico sem nome.

A discussão e o convívio prolongou-se por muitas horas, com muitas contribuições para a reflexão de muitos dos presentes, sempre inquietos quando estes temas se discutem.

Foi sem surpresa que o nosso grupo foi o último a deixar o Restaurante, já muito próximo das 5:00 da tarde. Um grande obrigado a todos os presentes, pela alegria e boa disposição que trouxeram, e muito particularmente à Irmã Susana Ferreira DTJ que organizou o dia com todo o cuidado e detalhe.

A todos um excelente ano de 2018.


Short English Summary:

The Priory of Portugal celebrated Good Kings Day in a Lunch and debate event in Sintra last Saturday, January 6th 2018. Attending were Fr+ Luis de Matos, Grand Prior General and Chancellor and Interim Master of the OSMTHU, Fr+ Paulo Valente, Commander of Sintra, Fr+ Luis Fonseca, Commander of Lisbon – Chagas Hill and Fr+ Rui Herdadinha, Commander of Arraiolos, as well as numerous brothers and sisters, family and invited guests. The theme of the day was the symbolism o the Donkey in the Nativity scene, the less prominent of all the animals connected with Our Lord, but one of the most interesting in its meaning. With a starting point on the Donkey’s role on the biblical episode of the escape to Egypt and later in the recognition of Jesus as the Messiah when He entered Jerusalem riding a Donkey (as the prophecy had it), the group explored the deep and meaningful role of this animal in the life of Christ. A fulfilling day of joy and fraternal conviviality was closed long after everyone else had left the Restaurant and the group (as always) was the very last to part ways, so interesting and compelling was the discussion. From us all, a wish for a happy and peaceful year of 2018.