Akademy

Zagreb taken over by the Templars

Posted on Updated on

Anyone taking a stroll down Zagreb’s main plaza last Saturday afternoon, could think the city was being invaded by Templars. Indeed a large number of knights and dames in full uniform, white mantles flying in the wind like peace flags, paraded on their way to the Cathedral where the Rector was expecting the group.

This was not an ordinary event. The Grand Priory of Croatia, headed by Prior Vinko Lizec, had a very busy day planned. After a long evening on Friday where the Magisterial Council of the Order, presided by Master Antonio Paris from Italy and headed by Chancellor Luis de Matos from Portugal, discussed current Templar cooperation efforts and the new projects being launched in 2019, every delegation was pleased to gather at the lobby of the Dubrovnik Hotel on Saturday morning.

The scholar explains some of the events of Croatia Templar history to Dame Patricia (Spain) and Prior Leif Pedersen (Denmark)

Prior Leslie Payne (England) and Dame Susana Ferreira (Portugal)

The first point of call was the headquarters of the Croatian Priory, where an exhibition on the Templar history of the country was guided by historians of the National History Academy. There were maps signaling, for the first time, the many Templar possessions in Slavonia (ancient name of the Province), alongside photographic reproductions of many of the original documents, some presented to the public for the first time. The scientific quality of the work undertaken is unquestionable. The Order is proud of this work.

Some of the manuscripts and documents reproduced in the exhibition

The delegations were then taken to the Church of Saint John the Baptist an 18th century building that stands on the site of the last templar church in Zagreb. The Master lead the ceremony in which he installed Fr+ José Miguel Salazar as Prior of Spain and Fr+ Angelo Nappo as Grand Prior of Italy, confirming Fr+ Vinko Lisec as Grand Prior of Croatia of the OSMTHU. The beautiful pipe organ was masterfully played by an invited musician and a choir sang an inspiring arrangement of the “Non Nobis” hymn by Simon Rattle that left everyone in the church in a state of elevated admiration.

A comprehensive and delicious meal preempted the Conference in the afternoon. The invited delegations presented their salutations. Hosted by the Grand Priory of Croatia and the Magisterial Council of the OSMTHU, present were the Grand Priory of Portugal, the Grand Priory of Spain, the Grand Priory of Italy, the Grand Priory of Slovakia of the OSMTH – Regency, the Grand Priory of England and Wales, the Grand Priory of Denmark and the Grand Priory of Croatia of the OSMTJ, with a special message from Regent Fr+ Nicolas Haimovici Hastier.

Master Paris, Prior Lisec and Chancellor Matos underlined the need for cooperation between all Templar groups, highlighting some of the most important events in the last year. The Chancellor also said that one year ago this convergence was impossible and that, looking to the horizon, all Templar lineages meet in one point, inviting everyone to work on a convergence of efforts right now instead of just hopping for the infinite to come to us instead. Finally he presented the Templar Corps as a genuine structure that can show the leadership and service needed to set service standards to the Order worldwide.

The group then was conducted to the Catedral of Zagreb, parading in full dress. The only exception was Dame Patrícia Oyarzun, Private Secretary to the Master and Chancellor Matos, because Dame Patrícia had difficulties to walk uphill and Fr+ Matos is an opportunist and doesn’t like to walk!

Chancellor Matos accompanies Dame Patrícia in the Taxi, in full dress. The driver insisted in taking the picture 

In the Cathedral the large group was received by the Rector and entered the temple, that was filled with people, in silence and taken to seats reserved for the ordained. The celebratory mass was very moving. Not only the cathedral is a beautifully preserved and in places very well restored 12th century Gothic building, but the liturgy was also tastefully interwoven with musical moments, with traditional vocals and modern instrumental sounds. Beautiful Kyrie. When the group was lead in a ceremonial procession to the plaza in front of the Cathedral, the sun was setting and the hearts were filled.

The event concluded with a Gala Dinner, during which a treaty was signed between the Magisterial Council of the OSMTHU and the International Templar Confederation – Saint Bernard de Clairvaux, that joins over 30 Templar organizations in charity projects based on the Church of San Rocco of Rome managed by the Templars of San Rocco.

Signature of the Protocole with Fr+ Renato Parlato, on the upper left, representing the Confederation

Yes, that day the Templars took over Zagreb. For two days of intense work, fun, relaxation and cultural discussions, brother and sisters from all over Europe were able to forget their different origins, traditions and lineages and live the true brotherhood of Templar ideals.

Next stop: South America and Rome before the end of the year. Do follow us!

Templar Interpretation Center opens in Portugal

Posted on Updated on

In the close vicinity of the Templar city of Tomar, Portugal, one of the most evocative Templar Castles in the world can be found: Almourol. Situated in a small island in the middle of the Tagus river, overseeing both margins and guarding secret Templar routes from all enemies, Almourol is the subject of legend.

In late 2018 the Municipality of Vila Nova da Barquinha opened right in the center of the village, the new Centro de Interpretação Templária (Templar Interpretation Center), a place where the Templar Order and its continuation in the Order of Christ (of Discoveries fame) is celebrated with dedicated exhibitions, conferences, a comprehensive library and multimedia displays available to the public to explore.

The Center had the major backing, apart from the Municipality and the Portuguese Army that currently has jurisdiction over the Almourol castle, of researcher, philosopher and historian Prof. Manuel J. Gandra, the most respected authority in Templar studies in Portugal – not only because of his strong academic background, but also because he has been the most prolific and consistent author on the theme in the last 25 years. The Center and Prof. Gandra’s work have been fully endorsed by the OSMTHU, that plans to promote a few cultural events in 2019 and 2020 and associate the Order to this beacon of Templar history that merits the attention and collaboration of the Templar world.

The Templar Globe is preparing an interview with Prof. Gandra about the TIC. Meanwhile, please take a look at a video about this remarkable place.

JORNADAS TEMPLÁRIAS PARA O CONHECIMENTO ECUMÉNICO

Posted on Updated on

As “Jornadas Templárias para o Conhecimento Ecuménico” decorreram nos passados dias 13, 14 e 15 de Abril/2018, em Lagos, no Algarve.

 

As Jornadas constituíram-se de um “Trivium”:

A – Integrando um conjunto de actividades, constituindo-se de uma “Feira de Cultura Regional”, com área expositiva da Ordem dos Templários, feira-do-livro, artesanato, doçaria regional e conventual; que decorreu no Armazém Regimental nos dias 13, 14 e 15.

B – Assim como, no dia 14, sábado, realizaram-se as Jornadas do Conhecimento propriamente ditas, no Auditório do Edifício da Câmara Municipal – Lagos Séc.XXI, entre as 09:30 e as 18:30, com um conjunto de palestras, por Dignitários convidados, que abordaram o tema proposto na perspectiva da corrente doutrinária, filosófica, sociológica, espiritual ou religiosa que professada por cada um dos ilustres convidados.

Cada prelecção durou até 40 minutos, em que o orador respectivo expôs a sua comunicação dentro do Tema escolhido para este Ano – Esperança e Caridade. As comunicações não foram sujeitas a período de perguntas nem a contraditório, procurando-se a construção de um Conhecimento Ecuménico, pelo reconhecimento e aceitação da diferença, a partilha de realidades, a abertura pelo entendimento a diferentes Verdades.

A abertura dos trabalhos decorreu com uma actuação musical, pelo Grupo Coral de Lagos, com trechos medievais dos Séc. XIV e XV.

As Jornadas Templárias tiveram entrada livre a Toda a Comunidade e Organizações. Todos foram muito bem-vindos.

A Organização esteve a cargo da Comenda de Laccobriga e contou com o alto-patrocínio da OSMTHU – Priorado Ibérico da Ordem do Templo, o apoio da Associação Lagoriente – Al-Gharb, da Associação Grupo Coral de Lagos, do Exército Português, da Junta de Freguesia de São Gonçalo de Lagos e da Câmara Municipal de Lagos, assim como o apoio de diversas Organizações da Sociedade Civil nacional.

Objectiva-se a elaboração de um resumo das comunicações das Jornadas, bem como a elaboração da Acta das Jornadas Templárias, com o objectivo final de publicação deste conhecimento e a divulgação do mesmo junto de diversos Organismos da Sociedade, assim como a sua difusão dentro da Ordem do Templo.

Foram convidados oradores representantes de Confissões Religiosas, de Instituições étnicas e convidados da sociedade civil, nomeadamente:

Igreja Católica Romana, Maçonaria Regular, Judaismo, Peregrinos de Santiago, Entidades de Solidariedade Social, Templários e Investigadores Académicos.

Considerando-se que este é um tema central, quer no ternário das virtudes teologais: Fé, Esperança e Caridade; quer na constelação mítica e histórica da identidade portuguesa; eis então o motivo primeiro da escolha do tema para esta primeira edição das Jornadas Templárias para o Conhecimento Ecuménico. Pelo que a Comenda de Laccobriga da OSMTHU deseja, desta forma, poder inculcar a semente em Todos aqueles que, durante este dia, buscaram o conhecimento ecuménico, a aceitação e a partilha, caminhando para um mundo melhor, mais fraterno, de paz, em que os valores crísticos sejam a bandeira que possamos elevar bem alto.

C – No dia 15, domingo, pela manhã, decorreu uma cerimónia solene, interna à Ordem mas aberta a todos os Irmãos de todos os Ramos Templários; chamamento que, de forma fraternal, teve eco e que, nesta celebração eucarística da Igreja Joanita Templária, a Egrégora saiu reforçada, os Irmãos preencheram os seus corações e cumprimos  mais uma etapa deste Caminho para a missão a que nos haviam incumbido.

Arrolamos aqui também, outra trindade, entre o Infante Henrique de Sagres, el-Rei Dom Sebastião e a Rainha Santa Isabel de Portugal. Ainda que vindos por caminhos diferentes, encontrar-se-iam ao centro, fundindo, num só, dois aspectos complementares da espiritualidade portuguesa. Pelo caminho de Sebastião vinha a esperança no resgate  espiritual e temporal do povo português. Pelo de Isabel, a universalidade do amor, aspecto central no impulso da dádiva e da caridade. Teríamos, então, a Esperança e a Caridade. E, de Henrique, o Navegador, temos esta bela terra de Laccobriga, capital de antanho do Reino do Algarve, sede deste caminho para Ocidente em busca do Oriente, herdeira do entreposto marítimo na demanda da Jerusalém.

Resta-nos, agradecendo a participação de todos, a Todos convidar e vincular para as segundas Jornadas Templárias para o Conhecimento Ecuménico, a realizar em 2019, em Lagos. Juntai-vos a Nós neste desígnio que a Todos nos envolve.

No nobis Domini, no nobis, sed Nomini Tuo da Glóriam

A Todos Vós, meus irmãos, Boas Jornadas.

 

PROGRAMA ::

 

+ Dr Luis de Matos, Prior Geral do Priorado Ibérico O::S::M::T::H::U::

+ Prof. Manuel Gandra, Apresentação do Livro: Alquimia

+ Dr Joaquim Jorge, Presidente da AMAYUR – Ayurveda

+ Dr Jaime Ramos, Presidente da Fundação A.D.F.P.

+ Pe José Manuel, Pároco da Praia-da-Luz

+ Drª Isabel Quirino, Psicóloga, Peregrina dos Cam. de Santiago

+ Ms Susana Karina, Tese Mestrado – Memórias de Santiago

+ Prof. Manuel Gandra, Filósofo, Investigador e Autor

+ Dr Luis Fonseca, Deputado Mestre em Portugal do G:.P:.R:.D:.H:.

Scientist Finally Read the Oldest Biblical Text Ever Found

Posted on Updated on

The charred lump of scroll sat in an archaeologist’s office, impossible to read without destroying it – until now.

Scientists have finally been able to read the oldest biblical text ever found.

The 2,000-year-old scroll has been in the hands of archaeologists for decades. But it hasn’t been possible to read it, since it was too dangerous to open the charred and brittle scroll.

Scientists have now been able to read it, using special imaging technology that can look into what’s inside. And it has found what was in there: the earliest evidence of a biblical text in its standardised form.

The passages, which come from the Book of Leviticus, show the first physical evidence of a long-held belief that the Hebrew Bible that’s in use today has is more than 2,000 years old.

The discovery was announced in an article in Science Advances written by researchers from Kentucky and Jerusalem. It described how the researchers used a tool called “virtual unwrapping”, which provides a 3D digital analysis of an X-ray scan.

By using that, it was the first time that researchers have been able to read an ancient scroll without actually opening it.

“You can’t imagine the joy in the lab,” said Pnina Shor of the Israel Antiquities Authority, who participated in the study.

The digital technology, funded by Google and the U.S. National Science Foundation, is slated to be released to the public as open source software by the end of next year.

Researchers hope to use the technology to peek inside other ancient documents too fragile to unwrap, like some of the Dead Sea Scrolls and papyrus scrolls carbonized in the Mt. Vesuvius volcano eruption in 79 CE. Researchers believe the technology could also be applied to the fields of forensics, intelligence, and antiquities conservation.

The biblical scroll examined in the study was first discovered by archaeologists in 1970 at Ein Gedi, the site of an ancient Jewish community near the Dead Sea. Inside the ancient synagogue’s ark, archaeologists found lumps of scroll fragments.

The synagogue was destroyed in an ancient fire, charring the scrolls. The dry climate of the area kept them preserved, but when archaeologists touched them, the scrolls would begin to disintegrate. So the charred logs were shelved for nearly half a century, with no one knowing what was written inside.

Last year, Yosef Porath, the archaeologist who excavated at Ein Gedi in 1970, walked into the Israel Antiquities Authority’s Dead Sea Scrolls preservation lab in Jerusalem with boxes of the charcoal chunks. The lab has been creating hi-resolution images of the Dead Sea Scrolls, the earliest copies of biblical texts ever discovered, and he asked researchers to scan the burned scrolls.

“I looked at him and said, ‘you must be joking,”‘ said Shor, who heads the lab.

She agreed, and a number of burned scrolls were scanned using X-ray-based micro-computed tomography, a 3D version of the CT scans hospitals use to create images of internal body parts. The images were then sent to William Brent Seales, a researcher in the computer science department of the University of Kentucky. Only one of the scrolls could be deciphered.

Using the “virtual unwrapping” technology, he and his team painstakingly captured the three-dimensional shape of the scroll’s layers, using a digital triangulated surface mesh to make a virtual rendering of the parts they suspected contained text. They then searched for pixels that could signify ink made with a dense material like iron or lead. The researchers then used computer modeling to virtually flatten the scroll, to be able to read a few columns of text inside.

“Not only were you seeing writing, but it was readable,” said Seales. “At that point we were absolutely jubilant.”

The researchers say it is the first time a biblical scroll has been discovered in an ancient synagogue’s holy ark, where it would have been stored for prayers, and not in desert caves like the Dead Sea Scrolls.

The discovery holds great significance for scholars’ understanding of the development of the Hebrew Bible, researchers say.

In ancient times, many versions of the Hebrew Bible circulated. The Dead Sea Scrolls, dating to as early as the 3rd century B.C., featured versions of the text that are radically different than today’s Hebrew Bible.

Scholars have believed the Hebrew Bible in its standard form first came about some 2,000 years ago, but never had physical proof, until now, according to the study. Previously the oldest known fragments of the modern biblical text dated back to the 8th century.

The text discovered in the charred Ein Gedi scroll is “100 percent identical” to the version of the Book of Leviticus that has been in use for centuries, said Dead Sea Scroll scholar Emmanuel Tov from the Hebrew University of Jerusalem, who participated in the study.

“This is quite amazing for us,” he said. “In 2,000 years, this text has not changed.”

Noam Mizrahi, a Dead Sea Scrolls expert at Tel Aviv University who did not participate in the study, called it a “very, very nice find.” He said the imaging technology holds great potential for more readings of unopened Dead Sea Scrolls.

“It’s not only what was found, but the promise of what else it can uncover, which is what will turn this into an exciting discovery,” Mizrahi said.

Additional reporting by Associated Press

Novo Curso Arcana Templi

Posted on

ArcTbanner010

Inscrições: ihshi@mail.com

O Instituto Gualdim Pais, em colaboração com o IHS-HI e com a Ordo Supremus Militaris Templi Hierosolimitani Universalis (OSMTHU) vai promover mais uma edição do Curso de Instrução do Templo e da Cavalaria Espiritual, a ter lugar no dia 12 de Julho de 2015 em Sintra.

Excepcionalmente o Curso terá a duração de 8h (uma manhã e uma tarde), estando abertas as inscrições para cada uma das datas.

O Curso é composto pela Instrução Preliminar que é dada a todos os que ingressam na Ordem do Templo (OSMTHU), a qual aborda múltiplos temas relacionados com a histórica Ordem do Templo, bem como com a Cavalaria Espiritual como Via Iniciática, explorando a sua expressão Cristã reconhecida nos Templários, assim como na Ordem de Cristo, entre outras, bem como a sua história e sobrevivências até aos dias de hoje em múltiplos ramos.

O Curso faz ainda uma introdução ao que é a Instrução de Cavalaria, explanando os seus valores teológicos e iniciáticos, recorrendo a textos canónicos e documentos das diversas épocas.

Está sujeito a inscrição e todos os que o completarem são reconhecidos pela Ordem como aptos a propor-se para instrução mais adiantada e filiação na Festa de São Miguel, em Setembro de 2015.

Desde 2009 que não é possível filiar-se a este ramo da Ordem sem completar o Curso de Instrução preliminar, o qual é dado em ambiente restrito.

Após o Curso, a Ordem irá fechar de novo as suas portas até oportunidade futura que se venha a justificar.

Sobre o Ramo OSMTHU da Ordem do Templo

A Ordem Soberana e Militar do Templo de Jerusalém Universal é descendente da Ordem retomada por Fabré Palaprat em 1804, o qual trabalhou sob as Ordens de Napoleão, com o Chanceler da Ordem (e do Império), Cambaceres. Parlaprat foi igualmente Patriarca da Igreja Joanita, após ter sido ordenado Bispo na sucessão apostólica pelo Bispo Machaud. Ao longo do século XIX e século XX a Ordem teve uma história conturbada, essencialmente centrada em França e na Suiça. Após a morte de Parlaprat em 1838 a Ordem é dirigida por um Conselho de Regência. Em 1934 é eleito Regente Emile Vandenberg. Nessa época a Europa viva tempos difíceis e com o início da Segunda Guerra, os arquivos da Ordem foram colocados sob a guarda de um diplomata destacado na Bélgica. Quando a guerra acabou o Regente Vandenberg viu-se envolvido num acidente fatal e a continuidade da regência da Ordem foi assumida sem eleição pelo diplomata que havia guardado os arquivos anos antes. Os diversos Priorados tiveram reacções distintas a esta atitude não protocolar e, desde essa época vários se declararam autónomos da nova regência auto-proclamada. De 1945 em diante nasceu um ramo da OSMTH que não reconheceu durante décadas nenhuma autoridade a não ser as autoridades nacionais devidamente eleitas e cuja proveniência de Cavalaria pudesse ser verificada. Já na década de 80 constituiu-se uma Federação Internacional com o objectivo de preparar a eleição livre e universal de um Grão Mestre internacional. Este facto deu-se em 1999, tendo o espanhol Fernando de Toro-Garland sido eleito em sufrágio verificado por auditores externos à Ordem e proclamado em Santiago de Compostela. Pelo seu carácter internacional, o Conselho Magistral, órgão executivo internacional, decidiu acrescentar “Universalis” à designação da Ordem de modo a distinguir melhor dos outros ramos. Seguiu-se o Grão Mestre Antonio Paris, de Itália, para o período 2004-2009, que entretanto se retirou por motivos de saúde. Desde essa data o Conselho Magistral, liderado por Portugal, tem feito a gestão operacional e de instrução da Ordem sempre dentro de portas, de modo discreto e recatado que os tempos recomendam.

A OSMTHU não reclama ser descendente directa dos Templários históricos. Contudo reclama ter uma transmissão de Cavalaria Espiritual autêntica, aliada a uma expressão reservada da Ordenação Apostólica sob a autoridade espiritual de um Patriarca. Estes factos, em conjunto, bem como a sua história e tradição, colocam-na como uma real Ordem de Cavalaria Iniciática que se inspira nos valores e na história singular da Ordem do Templo para instruir e guiar os seus membros nos dias de hoje.

A Ordem procura não ter uma acção visível que possa ser confundida com expressões apócrifas dos Templários históricos, tão correntes nos dias de hoje. Tão pouco procura protagonizar uma restauração da Ordem original ou reclamar da Igreja de Roma qualquer tipo de perdão ou restauração anacrónica. Deste modo refugia a sua acção num pomo interior e só episodicamente aparece em público. Mudando-se os tempos poderão mudar-se os métodos.

Mais informações em Templar Globe: templars.wordpress.com

ou

templarsosmthu.wordpress.com

O Curso

O Curso terá lugar no dia 12 de Julho. Inicia-se pelas 10h e termina pelas 19h, com uma pausa de 1h30 para almoço livre. Será ministrado nas instalações do Instituto IHS em Sintra e, além da matéria própria do tema, terá uma sessão de perguntas e respostas e esclarecimento de dúvidas.

As inscrições são RIGOROSAMENTE LIMITADAS.

PREÇO

25 € para inscrições individuais

40 € para casais

Os membros da Ordem, sócios do Instituto Hermético, alunos do Curso “Templários e Templarismos” da Universidade Lusófona, bem como todos os que já fizeram o Curso em datas anteriores e desejam repeti-lo, terão uma redução no preço. Assim, o custo nestes casos será de 10 € para inscrições individuais e 15 € para casais.

Casos Especiais

Tendo em conta a situação económica actual, o Instituto e a OSMTHU decidiram disponibilizar uma inscrição a preço especial para Estudantes, desempregados e maiores de 65 anos. Se é o seu caso, refira esse facto no seu contacto.

Inscrições

As inscrições podem ser feitas para o email ihshi@mail.com, dando o nome, um email de contacto e a categoria de sócio ou não-sócio, inscrição individual ou casal. As inscrições serão tratadas por ordem de chegada.

Não esquecer: ihshi@mail.com

Eis o jardim de Klingsor e o Castelo do Santo Graal

Posted on Updated on

10010_22

Em pleno dia de Pentecostes acompanhámos o autor e ensaísta Luis de Matos, editor chefe do Templar Globe, numa visita guiada ao Palácio da Pena em Sintra. Terminada a visita pudemos trocar algumas impressões e fazer a entrevista que reproduzimos de seguida.

Templar Globe (TG) – Luis, dia de Pentecostes e visita à Pena. Coincidência?

Luis de Matos (LM) – Diz-me tu.

TG – Falou-se muito das Lendas do Santo Graal. Será por isso?

LM – Não. E sim. Há uma relação entre a Demanda do Santo Graal e o Pentecostes. De facto, a versão da Vulgata inicia-se com a celebração do Pentecostes no reino de Artur, data em que tradicionalmente se lançava tavolado e se armavam cavaleiros. Nesse dias esperavam-se sempre milagres e maravilhas. E o romance começa precisamente com alguns acontecimento que maravilham todos e com a armação de Galaaz, filho de Lancelot. Mas não é por isso que escolhemos a Pena.

TG – Outros motivos?

LM – Sim. Como sabes os meus deveres profissionais afastam-me muitas vezes de Portugal. Sou director de uma empresa na área da Digital Media e Tecnologias da Informação e, embora viva há mais de 30 anos na zona de Sintra, estou mais ou menos entre 1/3 e 2/3 dos dias do ano longe de casa. Poder regressar aos lugares que formaram uma ideia que tenho do mundo – e Sintra é um deles – é um privilégio. Por isso fui desenvolvendo alguns hábitos que tento manter religiosamente. Entre eles está fazer uma espécie de Peregrinação a lugares especiais do nosso país, mais longe de Lisboa, lá pela pausa de Julho. Não sei porquê, mas um mês antes das grandes feiras de videojogos como o Gamescom onde tenho de ir, há sempre ali uma ou duas semanas mais livres. Mantenho o hábito de aproveitar para conhecer melhor Portugal há uns anos. Quase sempre há amigos que acabam por ser arrastados e fazemos uma autêntica comitiva. Outras vezes aproveito para visitar amigos que estão longe e só comunicamos pelo Facebook. Já fiz passeios em estudo nessa época do ano a Braga, Lamego, São João de Tarouca, Carrazeda de Ansiães e uma boa parte das Beiras e Trás-os-Montes…

TG – Tu és de lá de cima.

LM – Sim, fiz a escola primária em Mirandela. Conheço bem Bragança, Chaves, Miranda, Mogadouro, Macedo de Cavaleiros… Enfim, estar em Trás-os-Montes é estar em casa. Mas como o meu pai era da zona de Moimenta da Beira, a região de Lamego, Tabuaço, Douro e mesmo Viseu são lugares também enraizados na memória que gosto de revisitar. Durante algum tempo andei por ali todos os anos à procura das memórias das famílias que fundaram a nacionalidade. O Vale do Sousa é muito especial, com uma herança românica única. A cidade do Porto também tem muito que se lhe diga.

TG – És tripeiro…

LM – Sou. Não do ponto de vista futebolístico. Não tenho clube. Mas sou do Bonfim, ali sobre Campanhã onde tinha nascido o Mestre Agostinho [da Silva].

TG – Mas essas visitas são em Julho. Ainda estamos em Maio…

LM – Estou a desviar-me! Outro hábito que tenho é comemorar as Luas Cheias de Carneiro – que coincide com a Páscoa, de Touro e de Gémeos. Não é uma questão astrológica, mas sim tradicional. São três momentos muito particulares no ciclo anual. A última coincide muitas vezes com o Pentecostes. Como tenho responsabilidades em algumas organizações de matriz religiosa, a Páscoa é quase sempre comemorada seguindo a liturgia Cristã. E por ser Chanceler Internacional de uma Ordem de inspiração Templária, o Pentecostes é sempre marcado por algum tipo de actividade. Ora, este ano, devido a uma questão de calendário pessoal, que se definiu muito tarde para Maio e tendo-se dado a feliz coincidência de ter terminado o Curso Livre na Universidade Lusófona sobre Templários e Templarismo há poucas semanas e os meus alunos me terem desafiado para lhes guiar uma visita a Tomar, decidi juntar o útil ao muito agradável e, com eles, com o apoio do Instituto Hermético na divulgação e da OSMTHU, fazer um curto ciclo de visitas como costumo fazer em Maio/Junho.

TG – Então esta não é a primeira.

LM – Não. Começámos em Tomar em Abril, apenas para alunos do Curso. Depois aproveitei então o bom tempo e os Domingos, porque estou sempre em Lisboa ao Domingo e marquei uma visita ao Mosteiro dos Jerónimos, esta ao Palácio da Pena e no próximo Domingo à Quinta da Regaleira, com o Luis Fonseca.

TG – E vai haver mais?

LM – De momento penso que não. Não podemos abusar da paciência das pessoas! Penso em associar-me à festa de São João, que também costumamos fazer em Santa Eufêmea, em Sintra em Junho e talvez mais próximo da tal pausa de Julho (se houver este ano!), logo se vê o que programo. Mas não há mais planos de momento.

10010_23

TG – Qual é a relação destas visitas com a Ordem dos Templários a que pertences.

LM – Como sabes o Templar Globe é o órgão de divulgação principal da Ordem Internacional. Fui eu que o fundei e é um lugar de troca e publicação de informação credível sobre os Templários – antigos e modernos. Ultrapassámos há muito o milhão e meio de visitas. Por isso faz parte integrante do modo de comunicar da Ordem. Em geral, tudo o que eu faço pessoalmente relacionado com o tema Templários tem a cobertura do Templar Globe que o divulga através dos grupos do Facebook e internacionalmente. As Comendadorias de Sintra e de Lisboa são importantes bases de apoio ao estudo e actividades da Ordem. Deste modo, o que eu faço, divulgo ou publico sobre os Templários é coerente com o que a Ordem faz. Não confessional nem prosélito, no sentido em que não uso publicações e visitas para cooptar ninguém para a Ordem. Pelo contrário. Há sempre pessoas que me perguntam sobre como entrar na Ordem e eu recomendo-lhes sempre que visitem o site oficial e escrevam um mail para lá. O tema não é a Ordem em que eu estou e onde me sinto bem e onde gosto de trabalhar, mas sim os Templários como Ordem histórica e ideário já muito preenchido de mitos e lendas. Não é uma questão de aumentar fileiras. Bem pelo contrário! O que faço – isso sim – é usar os eventos, publicações e visitas para procurar entusiasmar os que as procuram, a estudar por si mesmos, pensar por si mesmos e concluir por si mesmos. E isso é instrução vital para quem esteja numa Ordem Templária, moderna ou antiga. Mas é também fundamental para quem não esteja em Ordem nenhuma! Ou seja, as actividades públicas que faço são coerentes com o que defendo sobre o mundo iniciático e, nesse sentido, são apropriadas para membros das Ordens a que pertenço, das Ordens a que não pertenço e dos que não querem ser membros de Ordem ou Religião alguma. Há momentos para tudo na vida. Seria matar o propósito das visitas fechá-las a um ramo da grande família fraternal ou usá-las para cooptar gente. Sei que os membros da Ordem Templária aproveitam as visitas para aprender. Mas não se esgota aí. O Curso Livre da Lusófona é outra coisa bem diferente.

TG – Não está afiliado à Ordem?

LM – Absolutamente não. Enquanto na Ordem a aproximação ao tema Templário é na perspectiva da Cavalaria Espiritual como um modelo de comportamento e estudo pessoal, com os seus temas, paradoxos, meditações, objectivos, desafios e imperativos de compromisso interior e com o próximo, o Curso na Universidade é académico. Explora a história da Cavalaria, na qual os Templários se inserem, todo o contexto religioso e depois a história dos diversos movimentos que se foram inspirando nos Templários desde o século XIV ao século XX.

TG – Qual é a diferença?

LM – No primeiro caso estuda-se a doutrina com o objectivo de adoptar as ideias e integrá-las num modelo de comportamento pessoal como via de relação com o divino. No segundo estudam-se as ideias, a suas evolução, de onde surgem e que impacto tiveram na história, na arte, na religião. No primeiro caso vivem-se os Mitos. No segundo conhecem-se os Mitos, as suas origens, o seu arquétipo e o modo como Mito é usado para impulsionar vontades e acontecimentos, sem necessidade de os viver ou acreditar no seu “nada que é tudo”.

TG – E os alunos do Curso da Universidade Lusófona não têm expectativas diferentes de cada visita?

LM – O tema é o tema. Cada um percepciona-o como entende. Creio que as expectativas não são goradas, porque nas visitas estão todo o tipo de pessoas. Os meus livros têm leitores de todo o género. Não sou um autor para apenas um grupo como muitos dos meus colegas autores. Alguns só são lidos nos círculos Maçónicos. Outros só são lidos nos círculos de Nova Era. Outros só são lidos entre duas paragens em bombas de gasolina. Outros só são lidos por académicos. Outros por leitores que não se filiam em nada. Eu tenho uma base de leitores que abarca todos estes grupos e grupo nenhum. O mesmo se pode dizer dos que vão às minhas visitas ou conferências. Procura não ter uma linguagem “confessional” e proselitista. Não estou a recrutar. Não estou mesmo. Deixem-me em paz. Já tenho muito que fazer. Por isso, ao não ter uma “agenda”, ao não querer promover mais do que o livre pensamento e despertar nos outros a mesma paixão sobres os temas ou lugares que eu mesmo tenho, sem ataduras ou molduras doutrinais, tomo os assuntos de modo que cada um que me ouça ou leia possa tirar o que melhor lhe parecer para a sua busca livre. É seguir as palavras que ouvi ao Mestre Agostinho: “o que importa é gostar do que se faz e ser-se contagioso no entusiasmo”. Por isso, creio que os meus alunos não poderão dizer que lhes tentei impingir doutrinas ou códigos e por isso não creio que as expectativas que tivessem possam ter sido goradas. Espero, isso sim, que os tenha motivado e lerem-me e a deitarem fora os meus livros, trocando-os por coisas ainda melhores.

TG – Mas ao seleccionar um tema como a Demanda do Santo Graal para a Pena já é dar um mote doutrinal.

LM – De modo algum. Foi Strauss que disse “Eis o jardim de Klingsor e o Castelo do Santo Graal” quando esteve em Sintra. Isso acontece porque reconheceu o cenário no qual as óperas de Wagner se desenrolam. Curiosamente Parzival de Wagner é de 1882 e o Palácio da Pena de 1840. Quem inspirou o quê? Quem é percursor do quê? Neste caso o que é evidente é que o mesmo tipo de imaginário que inspirou Wagner tinha já inspirado D. Fernando II.  O facto de ambos terem tido contacto com círculos iniciáticos muito próximos pode ajudar a explicar a coincidência. Mas a associação da Demanda à Pena não é uma questão doutrinal. É uma questão de facto.

10010_25

TG – Então onde é que o Luis traça a linha limite.

LM – Traço a linha limite na interpretação desses factos. Ao fazer uma visita destas procuro dar aos meus companheiros de tarde uma boa história. Como se nos juntássemos à volta de uma fogueira e partilhássemos aventuras. Nas visitas tento não falar só eu. Também quero ouvir e aprender. Estão ali muitos pares de olhos que conseguem ver o que eu não vejo e sabem o que eu não sei. O que já aprendi nestas visitas! Ui! Eu o que posso dar é o referencial que não se encontra logo disponível. Interesso-me por estes assuntos, sempre os mesmos, há tanto tempo que algumas coisas foram ficando consolidadas. Lá diz o ditado “O Diabo sabe tanto, mais por ser velho do que por ser Diabo”. Ao manter sempre a mesma linha, acabo por ir construindo uma mundividência só minha, concreta e definida, consistente. É essa experiência que devo partilhar, poupando tempo a quem me acompanha, para que disponham logo de dados relevantes para que façam a sua mundividência eles mesmos. Saber, por exemplo, que D. Fernando II era maçon ajuda a entender algumas coisas. Mas saber que ele se filiava numa Maçonaria alemã de raiz ligada à antiga Estrita Observância Templária reformada, ajuda a perceber o seu interesse pelo pintor Nicolas Poussin e as particularidades que se encontram nos pratos de Cifka. A interpretação desses elementos já são outros “quinhentos”, por assim dizer. É aí que eu traço a linha. Se me fizerem perguntas sobre a interpretação, não deixarei de responder, sublinhando que é a minha interpretação. Mas o que encorajo é a que cada um procure saber mais. Toca a “googlar” Cifka, Estrita Observância e Nicolas Poussin. Não me perguntem o que quer dizer. Descubram! O mais difícil está feito.

TG – Foi assim no Mosteiro dos Jerónimos?

LM – Claro. Um livro incontornável é “A História Secreta de Portugal” do António Telmo, onde se faz um primeiro exercício de interpretação de muitos dos elementos iconográficos. Mas eu não vou aos Jerónimos explicar António Telmo. Ele é auto-explicativo. Compra-se o livro, lê-se, até se pode fazer a visita com o livro na mão e temos lá o que pensava António Telmo. O que importa é dizer que não foi só António Telmo que pensou os Jerónimos. Importa chamar a atenção para o trabalho sobre o simbolismo do Manuelino do Paulo Pereira, para o célebre programa que a RTP passou da autoria do Manuel J. Gandra e do António Carlos de Carvalho nos idos dos anos 80, para algumas linhas escritas e particularmente os painéis do Rossio do Mestre Lima de Freitas e, já noutro plano, para todo um acervo mais recente de autores como Eduardo Amarante, Paulo Loução, entre muitos outros. Assim sim. Assim já temos uma base para “navegar” os claustros. Há informação de qualidade, há especulação, há teses distintas. É isso que serve o visitante. Serve-lhe saber onde há-de ir procurar para fazer a sua própria visita e a sua construção simbólica sobre os Jerónimos.

TG – Então não se ficou a saber o que o Luis pensa?

LM – O que o Luis pensa é muito útil ao Luis. Mas é pouco útil a quem quer compreender – no sentido bíblico de circunscrever e apreender – por si. Não quero que venham ver-me fazer sapatos, que eu não sou sapateiro. Quero que, ao explicar os sapatos, alguns saiam das visitas a querer ir experimentar fazer um par! Uma vez ou outra, lá vou dando a minha orientação temática, porque o tema está lá e fala-se pouco dele. Por exemplo, um tema fascinante nos Jerónimos é o dos túmulos vazios. Até D. Sebastião lá está! Eu tenho opinião e conto algumas histórias. Mas o essencial é apontar por onde procurar mais informação e pontos de vista inusitados ou inabituais. Acho que é disso que as pessoas mais gostam. Uma história bem contada é um apontador.

TG – E no Palácio da Pena, que temas costumam passar despercebidos?

LM – Muitos. Mesmo muitos. Tal como com os Jerónimos há uma visão mais ou menos consagrada da Pena que ignora muitos detalhes. E é no detalhe que está o tesouro. Sim, Parque e Palácio estão relacionados com a Demanda do Graal. Mas que Demanda? Há várias versões, várias linhas tradicionais. Qual delas? Que elementos estão ali expressos? E que outras correntes são determinantes para a Pena tal como a conhecemos hoje? Passa-se ao lado de quase tudo. Um tema fulcral, por exemplo, é o de saber se havia ali um Convento ou um Mosteiro. Não é tudo a mesma coisa… Outro tema é conhecer a Ordem Hieronimita, o que poderá surpreender os mais desatentos. Outro ainda, sobre o qual nos debruçámos nesta última visita, é o dos vitrais. Os da Capela são de tal modo importantes que foram feitos logo em 1840, ano do início das obras. Fazem, portanto, parte dos planos iniciais e aquilo que neles se expressa será fundamental – no sentido mesmo de fundação. Mas mesmo a colecção de esparsos reunida no Salão Nobre não é aleatória e apresenta bastas razões para uma reflexão cuidada. É mais um apontador pouco referenciado.

10010_24

TG – O que podemos esperar para a Quinta da Regaleira.

LM – Tudo.

TG – Tudo?

LM – Apontadores. O 515 pode ser logo tratado. Basta 1 minuto e está. A questão Maçónica já foi muito bem ponderada pelo José Anes. Mais um par de minutos e fica o apontador. Quase todos os que vão ou já leram, ou podem vir a ler em breve o livro. Outro apontador é o do Manuel Gandra que publicou informação relevante sobre a colecção camoniana de Carvalho Monteiro, agora em Washington. Isso toma mais uns minutos. Noutro plano, naquele espaço não se pode ignorar o trabalho do Victor Adrião, que já estuda a Quinta desde há muitos, muitos anos. Trabalho extenso, documentado e detalhado. Mais um par de minutos. Como é costume não direi nada sobre o autor, mesmo sabendo que não é recíproco! Em menos de 20 minutos os apontadores mais conhecidos estarão dados. Perfeito. Será então hora de por isso tudo numa pastinha, fechar e ver em casa. Porque chegou a hora de, isso sim, fazer o que se deve fazer naquele jardim: passear. Deixar-se levar. Deixar-se encantar. Viver a tarde. Olhar o detalhe, deixar a evocação surgir à superfície do consciente. É um jardim iniciático. Comece-se a iniciação.

Fotos: Sunana Ferreira (c) 2015

Texto: TG (c) 2015