Holy Grail

Excavations expose long-lost palace at mythical birthplace of King Arthur

Posted on Updated on

A DARK Age palace has been discovered, strengthening the likelihood that the legend of King Arthur may be based on a grain of truth.

A DARK Age palace has been uncovered on Cornwall’s windswept coast, strengthening the likelihood that the legend of King Arthur may be based on a grain of truth.

Myth has it that King Arthur will return at the hour of Britain’s greatest need. It could certainly do with some help right now.

Whether or not a new archaeological dig at his supposed birthplace of Tintagel Castle will prompt such a second coming is another matter.

But it may already be adding to the evidence that the myth surrounding the warrior king who, with the knights of his roundtable, struggled to hold back a “Dark Age” from enveloping Britain.

The Dark Age has long since proven to have been not so dark. But the scant records from the time have made pinning down one historical character that best fits the outline of the tale near impossible.

Now, archaeologists have returned to Arthur’s traditional birthplace of Tintagel for the first time since the 1990s. They’ve just completed their first dig in a new five-year excavation.

Last month they sank four trenches into previously unexcavated areas of the ancient island settlement.

What they found may be the remains of a 1500-year-old palace.

BIRTHPLACE OF A LEGEND

Like many prominent British landmarks, Tintagel has long been associated with Arthurian legend.

Like all the others, the evidence has been largely limited to hearsay.

The ruined castle that dominates the Tintagel landscape is believed to be from the Medieval 13th century. This would make it some 700 years younger than the Arthurian tales.

But it’s long been thought that the castle may have itself been built upon the ruins of an older structure.

But it was the discovery of a stone engraved with a name linked to Arthur’s in 1998 that reinvigorated interest in the windswept ruins on Cornwall’s coast.

Archaeologists believe it to have been a foundation/dedication stone dating from the 6th century. It is engraved with the name Artognou.

It’s these ruins that may have been linked to the Arthur of legend.

The tales tell of the seduction — some say by magical means — of the beautiful wife of a local lord by the then King of Britain. The illicit act conceived Arthur.

Mythology goes on to say the young boy was raised as a squire — a knight’s assistant — until fate took its hand and placed the rightful king on his throne.

The first written record of the mystic king comes from a monk named Gildas in the sixth century.

But it was a time where books were scarce and the most common form of transmitting history — and telling tales — was through memorised songs and poetry.

It took two several more centuries before a more detailed account of King Arthur and his actions would be recorded by Geoffrey of Monmouth in 1138AD.

Unwinding his tangle of myth, legend and history has been a challenge for authors and historians ever since.

At the time of Monmouth’s writing, historians believe Tintagel would likely have been little more than a windswept pile of rubble.

So the notion of it being a powerful palace would have had to have been handed down verbally through the generations.

Just like the tale of Arthur himself.

SCRATCHING THE SURFACE

The archaeologists were guided in their efforts by geophysical surveys of the rocky outcrop’s terraces earlier this year.

Among the ultrasound and radar echoes were outlines of what could be up to a dozen buried buildings, one-metre thick walls and winding paths.

The strategically positioned trenches, two on an upper east terrace and two to the south, have all provided a glimpse of the stonework foundations of long-lost buildings.

From the scattering of potsherds and glass, this places the site smack between 400 and 600AD — precisely the time Arthur is supposed to have led his war band against the invading hordes.

None of this proves Arthur existed.

But the new finds add substance to the idea that the site could have produced cultured but strong warriors as well as influential political figures.

It would have been a beacon of lost civilisation in a world of economic chaos and roving, marauding tribes.

Much of the 150 fragments of glass and pottery recovered had been imported from the far reaches of the then collapsing Roman Empire — indicating a place of both great wealth and trade importance.

One piece was the lip of a Turkish-Phocaean red-slip plate or bowl. It was a particularly fine and highly prized ceramic that would likely have held pride of place on the table of nobility.

Original excavation work in the 1930s led archaeologists to believe the cliffside landmark may have once been an Early Christian monastery.

Later work has steadily strengthened the idea that it may have been an important Dark Age fortress, held by the king of Dumnonia who filled the void in Cornwall left when the Romans abandoned Britain in 410AD.

in news.com.au

Advertisements

The Struggle Of King Arthur And Mordred

Posted on Updated on

865856595h65g9659

The story of England’s heroic King Arthur and his arch enemy Mordred has been a popular tale since the medieval era. It has been told and retold and been the subject of paintings and films as well as a succession of books. There are many differences between the narratives. For instance, sometimes Mordred is depicted as Arthur’s illegitimate son from his half-sister, or he might be portrayed as the son of the King of the Orkneys. He is also sometimes described as a member of King Arthur’s court who rebelled against him. However, the conflict between these two warriors and Mordred’s death in battle with Arthur are subjects of general agreement.

From the British Isles the legend of Arthur was carried to the European Continent and later to other English speaking countries around the world. The popularity of the first name Arthur in so many countries can also be traced to the fame of this legendary hero monarch. Today it is going to be hard to find someone educated in one of these lands who has not heard of King Arthur and is also able to name a few other of the characters and places featured. Although parts of the story are so well-known, its history and significance are not so widely appreciated.

The Origins of the Legend

Historians continue to speculate if King Arthur, Mordred and the other scenes and players in the legend have any historical basis. For the most part the story is associated with fifth or sixth century Wales. If a prototype for Arthur did exist he might have been a Celtic chieftain rallying his forces to fight off the Saxon invaders. References have been found to figures that might have been the model for King Arthur in some of the scare writings that survive from the Saxon period in British history, but none of the associations made are conclusive. Two Medieval writers share the responsibility for publicising the tale and incorporating in it many of the elements familiar to us today.

In 1138 Geoffrey of Monmouth wrote a history of the Kings of Britain. Many allege that he drew more on his imagination than on any older records that had come to his notice. Others claim that some of what he wrote corresponds with information in earlier documents that have now come to light. Whatever the authenticity of his facts, Geoffrey introduced his readers to a King Arthur, Queen Guinevere, Merlin the Wizard and of course, King Arthur’s arch enemy Mordred. In this version of the tale King Arthur goes to fight against the Roman Empire in Gaul (France of today). The evil Mordred takes advantage of the opportunity to usurp Arthur’s throne and take Queen Guinevere as his wife. The news reached King Arthur on campaign. He returns to his kingdom and fights a fierce battle with Mordred at a place called Camlann, Mordred is killed but Arthur is mortally wounded.

In the late medieval period Thomas Malory published a revised and comprehensive version of the Arthur stories, entitled “The Death of Arthur” (Le Morte d’Arthur). The publication of this work coincided with the introduction of the printing press. Malory’s work became one of the first books printed in England and standardised many aspects of the Arthur legend, for example, the idea of Arthur and his knights sitting at the Round Table dates from this publication. The bitter enmity between Arthur and Mordred continues to form a key part of the story but in a key change from Geoffrey of Monmouth’s narrative Queen Guinevere remain loyal to King Arthur.

Why have these tales survived the years?

The fact that the reader of this article is likely to be familiar with tales of Arthur and Mordred is a testimony to their enduring power. Yet they are more than simple stories. The Arthur tales have contributed culturally to the shaping of Britain’s identity. Over all these years they continue to serve a useful purpose. People are attracted by the idea that there was once an age when chivalrous knights rode about the British countryside fighting treacherous enemies like Mordred, or even supernatural dragons and other monsters. During World War Two, tales of Arthur’s bravery against the country’s enemies provided a rallying point for resistance to German aggression. Today the interest is probably largely of an escapist nature. Regardless of whether or not there is a basis in history, it seems that tales of Arthur and Mordred still serve a purpose in our hi-tech age.

By: Jane Richardson in newhistorian.com

Hitler’s Hunt for the Holy Grail and the Ghent Altarpiece

Posted on Updated on

ghent

Why did Hitler crave the missing panel in the famous Ghent Altarpiece? Maybe because the Nazi’s paranormal research group thought the masterpiece contained a map to the Holy Grail.

On the night of 10 April 1934, one of the twelve oak panels that comprise Jan van Eyck’s famous painting, Adoration of the Mystic Lamb, was stolen from Saint Bavo Cathedral, in Ghent, Belgium. Often referred to as “The Ghent Altarpiece,” this monumental oil painting is arguably the single most influential painting ever made. It is also the most-frequently stolen, having been burgled, in its entirety or in parts, at least six times—quite a feat, considering that it is the size of a barn door (14 x 11.5 feet) and weighs about two tons. It was the most-desired artwork by the Nazis, including Hitler and his second-in-command, Hermann Göring.

The two Nazi leaders actually raced one another to be the first to steal the altarpiece. The Nazi art theft unit, the ERR, captured it first for Hitler, from its hiding place at Chateau de Pau, in the south of France, where the Belgian government had sent it for safe-keeping. But an emissary from Göring appropriated it for the Luftwaffe head’s massive stolen art collection, which included some seven-thousand masterpieces, displayed at his country estate outside Berlin. Hitler got wind of this, and intercepted the altarpiece, sending it first to Castle Neuschwanstein in Bavaria, where it was restored, and then for storage in a salt mine in the Austrian Alps near Altaussee, where the twelve-thousand most famous stolen artworks from Nazi-occupied Europe were kept in secret, destined to feature in Hitler’s planned “super museum,” which would be the size of a city, and display every important artwork in the world. From the Altaussee salt mine, the Ghent Altarpiece and its fellow captives were ultimately rescued, thanks to the combined efforts of Austrian miners and a pair of Monuments Men, Robert Posey and Lincoln Kirstein, who only learned of the Altaussee hoard thanks to a fortuitous toothache that led them to a former SS officer, an art historian who was in hiding as the war drew to a close. The upcoming George Clooney film, The Monuments Men, dramatizes some of these stories, though taking a great many liberties in the process.

The iconography of The Ghent Altarpiece has long fascinated scholars. The painting was immediately the most famous in Europe, when it was completed in 1432. It was the first major oil painting. Oil had been used to bind pigments to paintings since the Middle Ages, but Jan van Eyck was the first to demonstrate the true potential of oils, which permit far greater subtlety and detail than largely-opaque egg-based tempera paint, which was preferred before The Ghent Altarpiece popularized oils. The altarpiece contains over 100 figures, and is an elaborate pantheon of Catholic mysticism—at its center stands a heavenly field, brimming with uniquely-depicted figures around a sacrificial lamb, representative of Christ (the Adoration of the Mystic Lamb from which the work draws it title). The lamb stands upon an altar and bleeds into a chalice—the Holy Grail.

Hitler so craved the Ghent Altarpiece because it was one of the most famous artworks in history, and it was by a Germanic artist, in the realistic, Northern Renaissance style that Hitler preferred.  It had also been forcibly repatriated to Belgium after the First World War, before which certain panels of the altarpiece had been displayed in Berlin. The Treaty of Versailles mentioned only four works of cultural heritage, foremost among them The Ghent Altarpiece. Hitler wanted to correct the humiliation inflicted on the German people by the Treaty of Versailles, and recapturing the altarpiece would go some way toward that goal.

But there may also have been a more fantastic reason why Hitler wanted this painting above all others. Rumor had it that he was convinced that the painting contained a coded map to lost Catholic treasures, the so-called Arma Christi, or instruments of Christ’s Passion, including the Crown of Thorns, the Holy Grail, and the Spear of Destiny. Hitler believed that the possession of the Arma Christiwould grant their owner supernatural powers. As the tide of the war turned ever more against the Nazis, Hitler cranked up his efforts to seek some supernatural way to bring victory to the Third Reich.

Cue the soundtrack to Indiana Jones and the Last Crusade.

Nazis tried to create super-soldiers, using steroids, in a twisted interpretation of Nietzsche’sübermensch, and they sought to reanimate the dead—coffins of famous Germanic warriors were found hidden in a mine, with plans to bring them back to life at the war’s end.
The idea that the Nazis had teams of researchers hunting for supernatural treasures, religious relics, and entrances to a magical land of telepathic faeries and giants might sound like a bad History Channel documentary, or out-takes from an Indiana Jones movie. But despite the considerable popular interest in all things Nazi-related, and all things supernatural, relatively few people are aware of a very real organization that was the inspiration for the Indiana Jones plots: the Nazi Ahnenerbe, or the Ancestral Heritage Research and Teaching Organization.

The Ahnenerbe (which literally means “Inheritance of the Forefathers”) was a paranormal research group, established by order of SS head Heinrich Himmler on 1 July 1935. It was expanded during the Second World War on direct orders from the Fuhrer. Hitler and other top Nazi leaders’ (Himmler foremost among them) interest in the occult is well and widely documented. The Nazi Party actually began as an occult fraternity, before it morphed into a political party. Himmler’s SS, ostensibly Hitler’s bodyguard but in practice the leading special forces of the Nazi Army, was wholly designed based on occult beliefs. Wewelsburg, the castle headquarters of the SS, was the site of initiation rituals for twelve SS “knights” that was modeled on Arthurian legend. The magical powers of runes were invoked, and the Ahnenerbe logo features rune-style lettering. Psychics and astrologers were employed to attack the enemy and plan tactics based on the alignment of the stars. Nazis tried to create super-soldiers, using steroids, in a twisted interpretation of Nietzsche’s übermensch, and they sought to reanimate the dead—coffins of famous Germanic warriors were found hidden in a mine, with plans to bring them back to life at the war’s end.

The Ahnenerbe sent expeditions all over the world. To Tibet, to search for traces of the original, uncorrupted Aryan race, and for a creature called the Yeti, what we would call the Abominable Snowman. To Ethiopia, in search of the Ark of the Covenant. To the Languedoc, to find the Holy Grail. To steal the Spear of Destiny, which Longinus used to pierce Christ’s side as Christ hung on the cross, and which disappeared from a locked vault in Nurnberg. To Iceland, to find the entrance to a magical land of telepathic giants and faeries called Thule, which Hitler and most of the Nazi brass believed was the place of origin of the Aryans, and was very real. If they could find this entrance, believed to be accessible via a secret code hidden in a Medieval Icelandic saga called The Eddas, then the Nazis might accelerate their Aryan breeding program, and recover the supernatural powers of flight, telepathy and telekinesis that they believed their ancestors in Thule possessed, and which was lost due to inter-breeding with “lesser” races.

As crazy as all this may sound, it was fervently believed by many in the Nazi Party—so much so that huge sums of money were invested into research, along with hundreds of workers and scientists. This pseudo-scientific institute both sought supernatural advantages for the Nazi war effort, but also had a propagandistic agenda, to seek “scientific” evidence to support Nazi beliefs, like Aryan racial superiority.

With all this in mind, it is entirely plausible that Hitler believed that the Ghent Altarpiece contained a coded map to supernatural treasure. After all, the Ahnenerbe was hard at work looking for a secret entrance to the magical land of Thule in the Icelandic saga, The Eddas. Whether such a map is in The Ghent Altarpiece is another matter, one that scholars dismiss out of hand, though it is tempting to interpret the complex, enigmatic iconography and disguised symbolism of van Eyck’s masterpiece in terms more exotic than those in the average art history textbook. But there is also another component to the story that fuels this theory, and it is linked to the 1934 theft of that single panel.

There has never been a convincing explanation for the motivation for the theft of the Righteous Judges panel, referred to as such because it depicts a group of Biblical wise men (while also hiding several portraits, including one of van Eyck). While the man who masterminded the theft of the Judges panel, Arsene Goedertier, is known, he could not have acted alone, and his motivation is uncertain. The panel was ostensibly stolen in order to ransom it back to the bishopric of Saint Bavo—but Goedertier had more money in his bank account than was asked for in the ransom demand. For lack of a clear motive, various theories have arisen, one of which is linked to a Nazi art detective, Heinrich Köhn, who was sent to Ghent to find the stolen Judges panel several years before the Nazis seized the other eleven panels of the altarpiece.

Nazi Propaganda Minister Joseph Goebbels, along with Himmler, conceived of the idea to find the lost Judges panel and give it as a gift to Hitler at the tenth anniversary of his assumption of power in Germany, in 1943. Köhn investigated throughout the city of Ghent, even taking apart portions of the cathedral (for one theory held that the panel had been hidden on-site, never having left Saint Bavo). He found nothing, and was sent to fight in the Eastern Front for his failure. Why would the Nazis wish to locate a single stolen panel? They surely had designs on seizing the entire altarpiece, and did not wish it to be incomplete when they did so. Some have suggested that the coded treasure map leading to the Arma Christiwas missing a key component that was hidden in the Judges panel. In order for the map to bear fruit, that panel was needed. It was stolen in 1934, therefore, to keep it out of Nazi hands, should the nascent Adolf Hitler follow through with his plan to recapture The Ghent Altarpiece and make it the focal point of his super-museum.

While there are plenty of non-supernatural, non-Da Vinci Code-y rationales for Hitler to desire The Ghent Altarpiece above all other objects, it is entirely plausible that Hitler might have believed in the coded treasure map theory. It seems far-fetched to us today, until we consider the other crazy theories that were truly believed by Hitler and his cronies. If The Eddas might contain a code to gain entrance to the magical land of Thule, where Aryan ancestors lived as flying telepathic faeries and giants then, according to Nazi logic, then the world’s most important painting might indeed contain a treasure map leading to the Holy Grail.

in thedailybeast.com

Novo Curso Arcana Templi

Posted on

ArcTbanner010

Inscrições: ihshi@mail.com

O Instituto Gualdim Pais, em colaboração com o IHS-HI e com a Ordo Supremus Militaris Templi Hierosolimitani Universalis (OSMTHU) vai promover mais uma edição do Curso de Instrução do Templo e da Cavalaria Espiritual, a ter lugar no dia 12 de Julho de 2015 em Sintra.

Excepcionalmente o Curso terá a duração de 8h (uma manhã e uma tarde), estando abertas as inscrições para cada uma das datas.

O Curso é composto pela Instrução Preliminar que é dada a todos os que ingressam na Ordem do Templo (OSMTHU), a qual aborda múltiplos temas relacionados com a histórica Ordem do Templo, bem como com a Cavalaria Espiritual como Via Iniciática, explorando a sua expressão Cristã reconhecida nos Templários, assim como na Ordem de Cristo, entre outras, bem como a sua história e sobrevivências até aos dias de hoje em múltiplos ramos.

O Curso faz ainda uma introdução ao que é a Instrução de Cavalaria, explanando os seus valores teológicos e iniciáticos, recorrendo a textos canónicos e documentos das diversas épocas.

Está sujeito a inscrição e todos os que o completarem são reconhecidos pela Ordem como aptos a propor-se para instrução mais adiantada e filiação na Festa de São Miguel, em Setembro de 2015.

Desde 2009 que não é possível filiar-se a este ramo da Ordem sem completar o Curso de Instrução preliminar, o qual é dado em ambiente restrito.

Após o Curso, a Ordem irá fechar de novo as suas portas até oportunidade futura que se venha a justificar.

Sobre o Ramo OSMTHU da Ordem do Templo

A Ordem Soberana e Militar do Templo de Jerusalém Universal é descendente da Ordem retomada por Fabré Palaprat em 1804, o qual trabalhou sob as Ordens de Napoleão, com o Chanceler da Ordem (e do Império), Cambaceres. Parlaprat foi igualmente Patriarca da Igreja Joanita, após ter sido ordenado Bispo na sucessão apostólica pelo Bispo Machaud. Ao longo do século XIX e século XX a Ordem teve uma história conturbada, essencialmente centrada em França e na Suiça. Após a morte de Parlaprat em 1838 a Ordem é dirigida por um Conselho de Regência. Em 1934 é eleito Regente Emile Vandenberg. Nessa época a Europa viva tempos difíceis e com o início da Segunda Guerra, os arquivos da Ordem foram colocados sob a guarda de um diplomata destacado na Bélgica. Quando a guerra acabou o Regente Vandenberg viu-se envolvido num acidente fatal e a continuidade da regência da Ordem foi assumida sem eleição pelo diplomata que havia guardado os arquivos anos antes. Os diversos Priorados tiveram reacções distintas a esta atitude não protocolar e, desde essa época vários se declararam autónomos da nova regência auto-proclamada. De 1945 em diante nasceu um ramo da OSMTH que não reconheceu durante décadas nenhuma autoridade a não ser as autoridades nacionais devidamente eleitas e cuja proveniência de Cavalaria pudesse ser verificada. Já na década de 80 constituiu-se uma Federação Internacional com o objectivo de preparar a eleição livre e universal de um Grão Mestre internacional. Este facto deu-se em 1999, tendo o espanhol Fernando de Toro-Garland sido eleito em sufrágio verificado por auditores externos à Ordem e proclamado em Santiago de Compostela. Pelo seu carácter internacional, o Conselho Magistral, órgão executivo internacional, decidiu acrescentar “Universalis” à designação da Ordem de modo a distinguir melhor dos outros ramos. Seguiu-se o Grão Mestre Antonio Paris, de Itália, para o período 2004-2009, que entretanto se retirou por motivos de saúde. Desde essa data o Conselho Magistral, liderado por Portugal, tem feito a gestão operacional e de instrução da Ordem sempre dentro de portas, de modo discreto e recatado que os tempos recomendam.

A OSMTHU não reclama ser descendente directa dos Templários históricos. Contudo reclama ter uma transmissão de Cavalaria Espiritual autêntica, aliada a uma expressão reservada da Ordenação Apostólica sob a autoridade espiritual de um Patriarca. Estes factos, em conjunto, bem como a sua história e tradição, colocam-na como uma real Ordem de Cavalaria Iniciática que se inspira nos valores e na história singular da Ordem do Templo para instruir e guiar os seus membros nos dias de hoje.

A Ordem procura não ter uma acção visível que possa ser confundida com expressões apócrifas dos Templários históricos, tão correntes nos dias de hoje. Tão pouco procura protagonizar uma restauração da Ordem original ou reclamar da Igreja de Roma qualquer tipo de perdão ou restauração anacrónica. Deste modo refugia a sua acção num pomo interior e só episodicamente aparece em público. Mudando-se os tempos poderão mudar-se os métodos.

Mais informações em Templar Globe: templars.wordpress.com

ou

templarsosmthu.wordpress.com

O Curso

O Curso terá lugar no dia 12 de Julho. Inicia-se pelas 10h e termina pelas 19h, com uma pausa de 1h30 para almoço livre. Será ministrado nas instalações do Instituto IHS em Sintra e, além da matéria própria do tema, terá uma sessão de perguntas e respostas e esclarecimento de dúvidas.

As inscrições são RIGOROSAMENTE LIMITADAS.

PREÇO

25 € para inscrições individuais

40 € para casais

Os membros da Ordem, sócios do Instituto Hermético, alunos do Curso “Templários e Templarismos” da Universidade Lusófona, bem como todos os que já fizeram o Curso em datas anteriores e desejam repeti-lo, terão uma redução no preço. Assim, o custo nestes casos será de 10 € para inscrições individuais e 15 € para casais.

Casos Especiais

Tendo em conta a situação económica actual, o Instituto e a OSMTHU decidiram disponibilizar uma inscrição a preço especial para Estudantes, desempregados e maiores de 65 anos. Se é o seu caso, refira esse facto no seu contacto.

Inscrições

As inscrições podem ser feitas para o email ihshi@mail.com, dando o nome, um email de contacto e a categoria de sócio ou não-sócio, inscrição individual ou casal. As inscrições serão tratadas por ordem de chegada.

Não esquecer: ihshi@mail.com

Finding [Thule and] the Holy Grail in Iceland

Posted on

78o25774

No this isn´t the title of a rather outlandish novel by Dan Brown, this is the goal of a Italian mathematician and explorer Giancarlo Gianazza. He believes that he has found hidden clues in the Divine Comedy by Dante which has led him to Kjölur in the Icelandic highlands where heand his team think they are close to discover something called the “Holy Grail” on a lonely hill, called of all things “Nipple hill,” right in the middle of nowhere. This is apparently the culmination of a 13 yearlong project, which has both involved research in the field in the Icelandic highlands and mathematical analysis of Dante´s text. You find this a bit unbelievable and outlandish? Well, we must admit we are sceptical as well!

In any case, documenting the project are Italian independent filmmakers Sofia E. Rovati and Alex Sykulak who have a project on Kickstarter called Finding Thule so they can film the final excavation and complete their documentary with a planned release date of September 2016. They have already spent a year and a half on the project and judging from their trailer on Kickstarter they have some really cool material already. When this is written they are more than halfway to reach their goal of collecting 24 thousand pounds. We found all of this intriguing and they agreed to be interviewed.

How did it come about that you started to follow Mr. Gianazza project and documenting it?

I’ve heard about Giancarlo for the first time a very long time ago through my father. His story has always exercised a very powerful fascination on me. However, it was only last year when I finally took the step that I had long dreamed of. I joined the expedition with the idea of sharing this story and making it more accessible to the people.

Mr. Gianazza’s research is extremely complicated and it has been carried out over a 10-year period. My film focuses on the scientific aspect of the research, documenting step by step the last stages of this journey to Iceland. But it also leaves space for us to get to know the men behind this quest, discovering the inner journey that each of them had to go through. I believe that every story is a journey, and the purpose of a journey is to find out something more about your inner self. This is how the idea of making a film about Mr. Gianazza and his team really came about.

Forgive us for being a bit sceptical, do you think he is actually on to something in his quest?

I think it’s good to be sceptic, it makes you look at things in a much more critical way. This is how my filming started too. It is only along the way, when this journey turned into something else, something more personal and real that I started to believe in this man and his quest. What is fascinating about his research is that Gianazza doesn’t know what exactly he is looking for. He can only draw assumptions based on the historical circumstances in which Dante writes his masterpiece, hence the connection with the Templars. By following clues that he finds in the Divine Comedy, translating poetry into geographical coordinates, Gianazza got hold of a map to the unknown. The destination will only be revealed once he finally gets there.

In answer to your question, I believe Giancarlo is definitely on to something, perhaps something that is invisible to most of people who have lost the ability to dream.

You mention on your Kickstarter page that you came to Iceland in 2014. Was that your first trip here?

Yes, hopefully the first of a long series.

What challenges did you face when filming in the Icelandic highlands?

The weather was definitely the biggest challenge. Iceland it’s windy and cold and this can be very impious when it comes to filming.

Is it something that you particularly like or dislike about Iceland?

It’s like being on another dimension, the landscape reminds me of a primordial land untouched by man and inhabited by dinosaurs.

Driving up to the Kjölur highlands was one of the best experiences I have ever had. Up there everything is quiet and peaceful, you can almost hear yourself thinking. It’s very therapeutic.

What advice would you give to people that are traveling to Iceland for the first time?

Go there, buy a map, rent a car and explore.

Editors Note

There have been Facebook comments about off-road driving. We at Stuck in Iceland hate unlicensed and illegal off road driving which often can leave permanent marks or damage to fragile nature for decades or longer.  Sofia Rovati responds to the comments:

It’s good that you mention [off road driving] as I believe this should be applied everywhere and not just in Iceland. We should take example from your country as is the main reason why the nature of your land is still so beautiful in comparison to many other places with the same potential.

Because we are following a government approved expedition we have the permit of traveling of road with them. Like indians and without leaving more than one same trace

I’ll promise not to ruin but to preserve!

Eis o jardim de Klingsor e o Castelo do Santo Graal

Posted on Updated on

10010_22

Em pleno dia de Pentecostes acompanhámos o autor e ensaísta Luis de Matos, editor chefe do Templar Globe, numa visita guiada ao Palácio da Pena em Sintra. Terminada a visita pudemos trocar algumas impressões e fazer a entrevista que reproduzimos de seguida.

Templar Globe (TG) – Luis, dia de Pentecostes e visita à Pena. Coincidência?

Luis de Matos (LM) – Diz-me tu.

TG – Falou-se muito das Lendas do Santo Graal. Será por isso?

LM – Não. E sim. Há uma relação entre a Demanda do Santo Graal e o Pentecostes. De facto, a versão da Vulgata inicia-se com a celebração do Pentecostes no reino de Artur, data em que tradicionalmente se lançava tavolado e se armavam cavaleiros. Nesse dias esperavam-se sempre milagres e maravilhas. E o romance começa precisamente com alguns acontecimento que maravilham todos e com a armação de Galaaz, filho de Lancelot. Mas não é por isso que escolhemos a Pena.

TG – Outros motivos?

LM – Sim. Como sabes os meus deveres profissionais afastam-me muitas vezes de Portugal. Sou director de uma empresa na área da Digital Media e Tecnologias da Informação e, embora viva há mais de 30 anos na zona de Sintra, estou mais ou menos entre 1/3 e 2/3 dos dias do ano longe de casa. Poder regressar aos lugares que formaram uma ideia que tenho do mundo – e Sintra é um deles – é um privilégio. Por isso fui desenvolvendo alguns hábitos que tento manter religiosamente. Entre eles está fazer uma espécie de Peregrinação a lugares especiais do nosso país, mais longe de Lisboa, lá pela pausa de Julho. Não sei porquê, mas um mês antes das grandes feiras de videojogos como o Gamescom onde tenho de ir, há sempre ali uma ou duas semanas mais livres. Mantenho o hábito de aproveitar para conhecer melhor Portugal há uns anos. Quase sempre há amigos que acabam por ser arrastados e fazemos uma autêntica comitiva. Outras vezes aproveito para visitar amigos que estão longe e só comunicamos pelo Facebook. Já fiz passeios em estudo nessa época do ano a Braga, Lamego, São João de Tarouca, Carrazeda de Ansiães e uma boa parte das Beiras e Trás-os-Montes…

TG – Tu és de lá de cima.

LM – Sim, fiz a escola primária em Mirandela. Conheço bem Bragança, Chaves, Miranda, Mogadouro, Macedo de Cavaleiros… Enfim, estar em Trás-os-Montes é estar em casa. Mas como o meu pai era da zona de Moimenta da Beira, a região de Lamego, Tabuaço, Douro e mesmo Viseu são lugares também enraizados na memória que gosto de revisitar. Durante algum tempo andei por ali todos os anos à procura das memórias das famílias que fundaram a nacionalidade. O Vale do Sousa é muito especial, com uma herança românica única. A cidade do Porto também tem muito que se lhe diga.

TG – És tripeiro…

LM – Sou. Não do ponto de vista futebolístico. Não tenho clube. Mas sou do Bonfim, ali sobre Campanhã onde tinha nascido o Mestre Agostinho [da Silva].

TG – Mas essas visitas são em Julho. Ainda estamos em Maio…

LM – Estou a desviar-me! Outro hábito que tenho é comemorar as Luas Cheias de Carneiro – que coincide com a Páscoa, de Touro e de Gémeos. Não é uma questão astrológica, mas sim tradicional. São três momentos muito particulares no ciclo anual. A última coincide muitas vezes com o Pentecostes. Como tenho responsabilidades em algumas organizações de matriz religiosa, a Páscoa é quase sempre comemorada seguindo a liturgia Cristã. E por ser Chanceler Internacional de uma Ordem de inspiração Templária, o Pentecostes é sempre marcado por algum tipo de actividade. Ora, este ano, devido a uma questão de calendário pessoal, que se definiu muito tarde para Maio e tendo-se dado a feliz coincidência de ter terminado o Curso Livre na Universidade Lusófona sobre Templários e Templarismo há poucas semanas e os meus alunos me terem desafiado para lhes guiar uma visita a Tomar, decidi juntar o útil ao muito agradável e, com eles, com o apoio do Instituto Hermético na divulgação e da OSMTHU, fazer um curto ciclo de visitas como costumo fazer em Maio/Junho.

TG – Então esta não é a primeira.

LM – Não. Começámos em Tomar em Abril, apenas para alunos do Curso. Depois aproveitei então o bom tempo e os Domingos, porque estou sempre em Lisboa ao Domingo e marquei uma visita ao Mosteiro dos Jerónimos, esta ao Palácio da Pena e no próximo Domingo à Quinta da Regaleira, com o Luis Fonseca.

TG – E vai haver mais?

LM – De momento penso que não. Não podemos abusar da paciência das pessoas! Penso em associar-me à festa de São João, que também costumamos fazer em Santa Eufêmea, em Sintra em Junho e talvez mais próximo da tal pausa de Julho (se houver este ano!), logo se vê o que programo. Mas não há mais planos de momento.

10010_23

TG – Qual é a relação destas visitas com a Ordem dos Templários a que pertences.

LM – Como sabes o Templar Globe é o órgão de divulgação principal da Ordem Internacional. Fui eu que o fundei e é um lugar de troca e publicação de informação credível sobre os Templários – antigos e modernos. Ultrapassámos há muito o milhão e meio de visitas. Por isso faz parte integrante do modo de comunicar da Ordem. Em geral, tudo o que eu faço pessoalmente relacionado com o tema Templários tem a cobertura do Templar Globe que o divulga através dos grupos do Facebook e internacionalmente. As Comendadorias de Sintra e de Lisboa são importantes bases de apoio ao estudo e actividades da Ordem. Deste modo, o que eu faço, divulgo ou publico sobre os Templários é coerente com o que a Ordem faz. Não confessional nem prosélito, no sentido em que não uso publicações e visitas para cooptar ninguém para a Ordem. Pelo contrário. Há sempre pessoas que me perguntam sobre como entrar na Ordem e eu recomendo-lhes sempre que visitem o site oficial e escrevam um mail para lá. O tema não é a Ordem em que eu estou e onde me sinto bem e onde gosto de trabalhar, mas sim os Templários como Ordem histórica e ideário já muito preenchido de mitos e lendas. Não é uma questão de aumentar fileiras. Bem pelo contrário! O que faço – isso sim – é usar os eventos, publicações e visitas para procurar entusiasmar os que as procuram, a estudar por si mesmos, pensar por si mesmos e concluir por si mesmos. E isso é instrução vital para quem esteja numa Ordem Templária, moderna ou antiga. Mas é também fundamental para quem não esteja em Ordem nenhuma! Ou seja, as actividades públicas que faço são coerentes com o que defendo sobre o mundo iniciático e, nesse sentido, são apropriadas para membros das Ordens a que pertenço, das Ordens a que não pertenço e dos que não querem ser membros de Ordem ou Religião alguma. Há momentos para tudo na vida. Seria matar o propósito das visitas fechá-las a um ramo da grande família fraternal ou usá-las para cooptar gente. Sei que os membros da Ordem Templária aproveitam as visitas para aprender. Mas não se esgota aí. O Curso Livre da Lusófona é outra coisa bem diferente.

TG – Não está afiliado à Ordem?

LM – Absolutamente não. Enquanto na Ordem a aproximação ao tema Templário é na perspectiva da Cavalaria Espiritual como um modelo de comportamento e estudo pessoal, com os seus temas, paradoxos, meditações, objectivos, desafios e imperativos de compromisso interior e com o próximo, o Curso na Universidade é académico. Explora a história da Cavalaria, na qual os Templários se inserem, todo o contexto religioso e depois a história dos diversos movimentos que se foram inspirando nos Templários desde o século XIV ao século XX.

TG – Qual é a diferença?

LM – No primeiro caso estuda-se a doutrina com o objectivo de adoptar as ideias e integrá-las num modelo de comportamento pessoal como via de relação com o divino. No segundo estudam-se as ideias, a suas evolução, de onde surgem e que impacto tiveram na história, na arte, na religião. No primeiro caso vivem-se os Mitos. No segundo conhecem-se os Mitos, as suas origens, o seu arquétipo e o modo como Mito é usado para impulsionar vontades e acontecimentos, sem necessidade de os viver ou acreditar no seu “nada que é tudo”.

TG – E os alunos do Curso da Universidade Lusófona não têm expectativas diferentes de cada visita?

LM – O tema é o tema. Cada um percepciona-o como entende. Creio que as expectativas não são goradas, porque nas visitas estão todo o tipo de pessoas. Os meus livros têm leitores de todo o género. Não sou um autor para apenas um grupo como muitos dos meus colegas autores. Alguns só são lidos nos círculos Maçónicos. Outros só são lidos nos círculos de Nova Era. Outros só são lidos entre duas paragens em bombas de gasolina. Outros só são lidos por académicos. Outros por leitores que não se filiam em nada. Eu tenho uma base de leitores que abarca todos estes grupos e grupo nenhum. O mesmo se pode dizer dos que vão às minhas visitas ou conferências. Procura não ter uma linguagem “confessional” e proselitista. Não estou a recrutar. Não estou mesmo. Deixem-me em paz. Já tenho muito que fazer. Por isso, ao não ter uma “agenda”, ao não querer promover mais do que o livre pensamento e despertar nos outros a mesma paixão sobres os temas ou lugares que eu mesmo tenho, sem ataduras ou molduras doutrinais, tomo os assuntos de modo que cada um que me ouça ou leia possa tirar o que melhor lhe parecer para a sua busca livre. É seguir as palavras que ouvi ao Mestre Agostinho: “o que importa é gostar do que se faz e ser-se contagioso no entusiasmo”. Por isso, creio que os meus alunos não poderão dizer que lhes tentei impingir doutrinas ou códigos e por isso não creio que as expectativas que tivessem possam ter sido goradas. Espero, isso sim, que os tenha motivado e lerem-me e a deitarem fora os meus livros, trocando-os por coisas ainda melhores.

TG – Mas ao seleccionar um tema como a Demanda do Santo Graal para a Pena já é dar um mote doutrinal.

LM – De modo algum. Foi Strauss que disse “Eis o jardim de Klingsor e o Castelo do Santo Graal” quando esteve em Sintra. Isso acontece porque reconheceu o cenário no qual as óperas de Wagner se desenrolam. Curiosamente Parzival de Wagner é de 1882 e o Palácio da Pena de 1840. Quem inspirou o quê? Quem é percursor do quê? Neste caso o que é evidente é que o mesmo tipo de imaginário que inspirou Wagner tinha já inspirado D. Fernando II.  O facto de ambos terem tido contacto com círculos iniciáticos muito próximos pode ajudar a explicar a coincidência. Mas a associação da Demanda à Pena não é uma questão doutrinal. É uma questão de facto.

10010_25

TG – Então onde é que o Luis traça a linha limite.

LM – Traço a linha limite na interpretação desses factos. Ao fazer uma visita destas procuro dar aos meus companheiros de tarde uma boa história. Como se nos juntássemos à volta de uma fogueira e partilhássemos aventuras. Nas visitas tento não falar só eu. Também quero ouvir e aprender. Estão ali muitos pares de olhos que conseguem ver o que eu não vejo e sabem o que eu não sei. O que já aprendi nestas visitas! Ui! Eu o que posso dar é o referencial que não se encontra logo disponível. Interesso-me por estes assuntos, sempre os mesmos, há tanto tempo que algumas coisas foram ficando consolidadas. Lá diz o ditado “O Diabo sabe tanto, mais por ser velho do que por ser Diabo”. Ao manter sempre a mesma linha, acabo por ir construindo uma mundividência só minha, concreta e definida, consistente. É essa experiência que devo partilhar, poupando tempo a quem me acompanha, para que disponham logo de dados relevantes para que façam a sua mundividência eles mesmos. Saber, por exemplo, que D. Fernando II era maçon ajuda a entender algumas coisas. Mas saber que ele se filiava numa Maçonaria alemã de raiz ligada à antiga Estrita Observância Templária reformada, ajuda a perceber o seu interesse pelo pintor Nicolas Poussin e as particularidades que se encontram nos pratos de Cifka. A interpretação desses elementos já são outros “quinhentos”, por assim dizer. É aí que eu traço a linha. Se me fizerem perguntas sobre a interpretação, não deixarei de responder, sublinhando que é a minha interpretação. Mas o que encorajo é a que cada um procure saber mais. Toca a “googlar” Cifka, Estrita Observância e Nicolas Poussin. Não me perguntem o que quer dizer. Descubram! O mais difícil está feito.

TG – Foi assim no Mosteiro dos Jerónimos?

LM – Claro. Um livro incontornável é “A História Secreta de Portugal” do António Telmo, onde se faz um primeiro exercício de interpretação de muitos dos elementos iconográficos. Mas eu não vou aos Jerónimos explicar António Telmo. Ele é auto-explicativo. Compra-se o livro, lê-se, até se pode fazer a visita com o livro na mão e temos lá o que pensava António Telmo. O que importa é dizer que não foi só António Telmo que pensou os Jerónimos. Importa chamar a atenção para o trabalho sobre o simbolismo do Manuelino do Paulo Pereira, para o célebre programa que a RTP passou da autoria do Manuel J. Gandra e do António Carlos de Carvalho nos idos dos anos 80, para algumas linhas escritas e particularmente os painéis do Rossio do Mestre Lima de Freitas e, já noutro plano, para todo um acervo mais recente de autores como Eduardo Amarante, Paulo Loução, entre muitos outros. Assim sim. Assim já temos uma base para “navegar” os claustros. Há informação de qualidade, há especulação, há teses distintas. É isso que serve o visitante. Serve-lhe saber onde há-de ir procurar para fazer a sua própria visita e a sua construção simbólica sobre os Jerónimos.

TG – Então não se ficou a saber o que o Luis pensa?

LM – O que o Luis pensa é muito útil ao Luis. Mas é pouco útil a quem quer compreender – no sentido bíblico de circunscrever e apreender – por si. Não quero que venham ver-me fazer sapatos, que eu não sou sapateiro. Quero que, ao explicar os sapatos, alguns saiam das visitas a querer ir experimentar fazer um par! Uma vez ou outra, lá vou dando a minha orientação temática, porque o tema está lá e fala-se pouco dele. Por exemplo, um tema fascinante nos Jerónimos é o dos túmulos vazios. Até D. Sebastião lá está! Eu tenho opinião e conto algumas histórias. Mas o essencial é apontar por onde procurar mais informação e pontos de vista inusitados ou inabituais. Acho que é disso que as pessoas mais gostam. Uma história bem contada é um apontador.

TG – E no Palácio da Pena, que temas costumam passar despercebidos?

LM – Muitos. Mesmo muitos. Tal como com os Jerónimos há uma visão mais ou menos consagrada da Pena que ignora muitos detalhes. E é no detalhe que está o tesouro. Sim, Parque e Palácio estão relacionados com a Demanda do Graal. Mas que Demanda? Há várias versões, várias linhas tradicionais. Qual delas? Que elementos estão ali expressos? E que outras correntes são determinantes para a Pena tal como a conhecemos hoje? Passa-se ao lado de quase tudo. Um tema fulcral, por exemplo, é o de saber se havia ali um Convento ou um Mosteiro. Não é tudo a mesma coisa… Outro tema é conhecer a Ordem Hieronimita, o que poderá surpreender os mais desatentos. Outro ainda, sobre o qual nos debruçámos nesta última visita, é o dos vitrais. Os da Capela são de tal modo importantes que foram feitos logo em 1840, ano do início das obras. Fazem, portanto, parte dos planos iniciais e aquilo que neles se expressa será fundamental – no sentido mesmo de fundação. Mas mesmo a colecção de esparsos reunida no Salão Nobre não é aleatória e apresenta bastas razões para uma reflexão cuidada. É mais um apontador pouco referenciado.

10010_24

TG – O que podemos esperar para a Quinta da Regaleira.

LM – Tudo.

TG – Tudo?

LM – Apontadores. O 515 pode ser logo tratado. Basta 1 minuto e está. A questão Maçónica já foi muito bem ponderada pelo José Anes. Mais um par de minutos e fica o apontador. Quase todos os que vão ou já leram, ou podem vir a ler em breve o livro. Outro apontador é o do Manuel Gandra que publicou informação relevante sobre a colecção camoniana de Carvalho Monteiro, agora em Washington. Isso toma mais uns minutos. Noutro plano, naquele espaço não se pode ignorar o trabalho do Victor Adrião, que já estuda a Quinta desde há muitos, muitos anos. Trabalho extenso, documentado e detalhado. Mais um par de minutos. Como é costume não direi nada sobre o autor, mesmo sabendo que não é recíproco! Em menos de 20 minutos os apontadores mais conhecidos estarão dados. Perfeito. Será então hora de por isso tudo numa pastinha, fechar e ver em casa. Porque chegou a hora de, isso sim, fazer o que se deve fazer naquele jardim: passear. Deixar-se levar. Deixar-se encantar. Viver a tarde. Olhar o detalhe, deixar a evocação surgir à superfície do consciente. É um jardim iniciático. Comece-se a iniciação.

Fotos: Sunana Ferreira (c) 2015

Texto: TG (c) 2015

Aula Livre – Visita ao Palácio da Pena em Sintra

Posted on Updated on

pena2015 O Palácio da Pena ergue-se sobre uma rocha escarpada, que é o segundo ponto mais alto da Serra de Sintra. Localiza-se na zona oriental do Parque da Pena, que é necessário percorrer para se chegar à íngreme rampa que o Barão de Eschwege construiu para se aceder à edificação acastelada. O Palácio propriamente dito é constituído por duas alas: o antigo convento manuelino da Ordem de São Jerónimo e a ala edificada no século XIX por D. Fernando II. Estas alas estão rodeadas por uma terceira estrutura arquitetónica, em que se fantasia um imaginário castelo de caminhos de ronda com merlões e ameias, torres de vigia, um túnel de acesso e até uma ponte levadiça.

Em 1838 o rei D. Fernando II adquiriu o antigo convento de monges Jerónimos de Nossa Senhora da Pena, que tinha sido erguido no topo da Serra de Sintra em 1511 pelo rei D. Manuel I e se encontrava devoluto desde 1834 com a extinção das ordens religiosas. O convento compunha-se do claustro e dependências, da capela, sacristia e torre sineira, que constituem hoje o núcleo norte do Palácio da Pena, ou Palácio Velho.

É um dos mais importantes legados do Portugal simbólico. A propósito do antigo Mosteiro da Pena, do Rei Artista D. Fernando II e da recriação arquitectónica e paisagística da mítica Ilha Secreta dos heróis e da Floresta que cerca o Castelo Inacessível do Santo Graal, iremos conhecer melhor mitos e lendas que enquadram o programa simbólico e o lançam, com força e vigor, em direcção ao futuro. Ao Portugal que falta cumprir, nas palavras de Fernando Pessoa.

A visita terá lugar no dia 24 de Maio, iniciando-se pelas 14h30 e terminando 19.00h, sendo guiada por Luis de Matos (ver: universatil.wordpress.com).

As inscrições são limitadas e devem estar concluídas até dois dias antes da visita por imposições logísticas do próprio Palácio.

A visita tem um custo de 10€ por pessoa + entrada no monumento* (ver preços de admissão ao monumento em: parquesdesintra.pt)

Inscrições prévias: ihshi@mail.com

* para alunos do Curso Livre Templários e Templarismo da Universidade Lusófona, bem como membros da OSMTHU a visita é gratuita e apenas devem pagar a entrada no monumento, contudo DEVEM INSCREVER-SE de modo a garantir a participação.