Retiro de Outono 2018 – Tempo de Estudo e Festa

Posted on

Nos passados dias 23 e 24 de Novembro o Priorado de Portugal reuniu em Arraiolos os seus Comendadores, Cavaleiros e Damas e levou a cabo o Retiro de Outono de 2018 dedicado à formação inicial dos graus de Cavalaria.

A festa começou na realidade no dia 22 com um jantar organizado pelos Noviços da Comenda de Lisboa – Chagas, numa Sessão Solene de Encerramento de Instrução de Noviços, que decorreu em Lisboa e serviu de oportunidade para falar em ambiente de festa de todos os assuntos que não cabem numa reunião litúrgica normal. Como era de esperar, o convívio prolongou-se na noite, mesmo sem a presença do Comendador, Fr+ Luis Fonseca, retido em casa por uma febre inoportuna.

Tratou-se de uma digna preparação para o Retiro que se aproximava no dia seguinte em Arraiolos.

Foto: “As melhoras Comendador Fonseca!”

Sob os auspícios da Comenda de Arraiolos, o dia 23 iniciou-se com o jantar de convívio, a que se seguiu um debate sobre o Parsival na versão de Chretien de Troyes e o contexto histórico da elaboração deste romance seminal, relacionando-o nomeadamente com a Ordem de Cister e a Ordem do Templo, sem deixar de olhar à simultaneidade do surgimento da nação Portucalense. O debate foi longo e frutuoso. Com o trabalho ao redor dos capítulos iniciais do Persival, os segredos da Cavalaria forma-se revelando e a capa que cobre o conto como um véu foi dando lugar à visão clara das coisas.

No dia seguinte o grupo cresceu mais um pouco com a chegada do Grão Prior e de mais Comendadores, Damas e Cavaleiros e passou-se a um ambiente de sala de aula. Com recurso a apresentações visuais, mas igualmente ao imprescindível quadro para desenhar esquematicamente os assuntos que se iam desenrolando, o Prior de Portugal, Fr+ Luis de Matos e o Comendador de Lisboa, Fr+ Luis Fonseca – já mais recuperado dos últimos dias de febre – abordaram todos os fundamentos iniciáticos da Cavalaria Espiritual, integrando-os na história da tradicional Ordem do Templo, enquadrando-os com elementos da História de Portugal e das suas tradições e lendas, sempre com o Parsival e a Demanda do Santo Graal como pano de fundo.

Entre outros assuntos, esclareceu-se o fundamento teológico da Cavalaria, como mediadora entre os princípios iniciais expressos nas qualidades do Paraíso Perdido e o mundo real onde encontramos a injustiça e a falta de compaixão como regra; o fundamento simbólico da Cavalaria, com os diversos elementos de base geométrica, matemática e metafísica que compõem a ciência cavaleiresca e as regras com que esta procura decifrar o Universo, a posição do Homem e a sua relação com os outros seres e o Criador; terminando com o fundamento iniciático, de cariz mais interior e íntimo, mas verdadeiranente redentor e reintegrador.

Pela tarde do dia 24 juntaram-se os Noviços e Escudeiros que viriam a ser recebidos ou elevados na Ordem durante a celebração do Capítulo após o Banquete. Fizeram-se as apresentações, alguns Irmãos tomaram a palavra para contextualizar cada um dos graus da Ordem, bem como o quadro organizacional da OSMTHU nacional e internacional.

Pelas 20h o grupo foi recebido na Pousada do Convento de Nossa Senhora da Assunção de Arraiolos para um magnífico Banquete, em que se juntaram Cavaleiros, Damas, Escudeiros e Noviços e suas famílias, bem como alguns convidados. Honrou-nos com a sua presença o Grão Prior de Portugal da OSMTH, Fr+ António Andrade e sua esposa.

Foto: Mesa dos Grão Priores, Oficiais e Comendadores

Seguiu-se o Capítulo conjunto, presidido pelo Comendador de Lisboa – Chagas, Fr+ Luis Fonseca, a que se associaram os Comendadores de Sintra, Fr+ Paulo Valente, de Lagos, Fr+ Victor Varela Martins e de Arraiolos, Fr+ Rui Herdadinha, durante o qual se procedeu à recepção de uma Irmã Noviça, bem como à elevação de quatro Irmãos Escudeiros.

Ficam os parabéns e agradecimentos às Comendas que trabalharam em conjunto para a realização deste evento, particularmente aos esforços do Comendador Fr+ Rui Herdadinha que foi um excelente anfitrião.

Advertisements