Almoço de Reis 2018

Posted on

Realizou-se em Sintra o Almoço de Reis do Priorado de Portugal da OSMTHU, evento que abriu as actividades da Ordem para o ano de 2018.

O almoço foi presidido por Luis de Matos, Prior Geral coadjuvado pelos Comendadores de Sintra, Fr+ Paulo Valente KCTJ, Comendador de Lisboa – Colina das Chagas, Fr+ Luis Fonseca KCTJ, in Ecclesia Mons. Tau Christoforus de Lusignan e Comendador do Condado de Arraiolos, Fr+ Rui Herdadinha KCTJ, estando presentes ainda vários irmãos, irmãs, família e convidados.

Como é habitual, além do convívio, da conversa fraterna, da brincadeira costumeira em encontros como o nosso, o Almoço teve um tema sobre o qual se pôde reflectir e fazer alguma instrução de Cavalaria. Sendo dia de Reis, falou-se dos Reis Magos. Contudo, de todas as figuras tradicionais no Presépio, o foco foi colocado o Jumento. De facto, o mais esquecidos dos animais da Natividade tem muito que ensinar. Juntamente com o Bovino (que sublinha a letra B e a força criadora seminal), o Jumento (que sublinha a letra J e a força dócil e suave) expressa a dualidade que venera o Menino na manjedoura. O Jumento não apenas foi fundamental na fuga para o Egipto, como teve ainda um papel central no reconhecimento de Jesus como o Messias (e por isso o Ungido, ou Crestos). De facto, embora a tradição coloque Jesus num cavalo a caminho da Cidade Santa, ao chegar à porta da cidade desmontou e mandou que se buscasse um jumento para que nele montasse antes de entrar na cidade. Era esse o sinal designado por Isaías, que selava a profecia e dava a conhecer o Esperado.

A montada do guerreiro é o cavalo, que nos aparece como sendo branco em muitas histórias. Mas o Sábio apresenta-se num burrico. A dicotomia Cavalo/Jumento é a do Guerreiro/Monge. O clássico de Cervantes “D. Quixote de La Mancha” mostra-nos bem como o idealismo por vezes alucinado de Quixote do alto do seu cavalo Roncinante é equilibrado pela ligação à realidade imediata de Sancho Pança, que, fiel companheiro, como um eco da consciência interior, o segue no seu burrico sem nome.

A discussão e o convívio prolongou-se por muitas horas, com muitas contribuições para a reflexão de muitos dos presentes, sempre inquietos quando estes temas se discutem.

Foi sem surpresa que o nosso grupo foi o último a deixar o Restaurante, já muito próximo das 5:00 da tarde. Um grande obrigado a todos os presentes, pela alegria e boa disposição que trouxeram, e muito particularmente à Irmã Susana Ferreira DTJ que organizou o dia com todo o cuidado e detalhe.

A todos um excelente ano de 2018.


Short English Summary:

The Priory of Portugal celebrated Good Kings Day in a Lunch and debate event in Sintra last Saturday, January 6th 2018. Attending were Fr+ Luis de Matos, Grand Prior General and Chancellor and Interim Master of the OSMTHU, Fr+ Paulo Valente, Commander of Sintra, Fr+ Luis Fonseca, Commander of Lisbon – Chagas Hill and Fr+ Rui Herdadinha, Commander of Arraiolos, as well as numerous brothers and sisters, family and invited guests. The theme of the day was the symbolism o the Donkey in the Nativity scene, the less prominent of all the animals connected with Our Lord, but one of the most interesting in its meaning. With a starting point on the Donkey’s role on the biblical episode of the escape to Egypt and later in the recognition of Jesus as the Messiah when He entered Jerusalem riding a Donkey (as the prophecy had it), the group explored the deep and meaningful role of this animal in the life of Christ. A fulfilling day of joy and fraternal conviviality was closed long after everyone else had left the Restaurant and the group (as always) was the very last to part ways, so interesting and compelling was the discussion. From us all, a wish for a happy and peaceful year of 2018.

Advertisements